App do Magazine Luiza em defesa da mulher

13/03/2019


Criação do serviço faz parte da estratégia da companhia de oferecer produtos e serviços por meio de um “super app”.

Para celebrar o Dia Internacional da Mulher, o Magazine Luiza lança hoje um botão para denunciar atitudes violentas e agressões contra mulheres. O botão será um funcionalidade permanente do aplicativo do Magalu, que já conta com mais de 26 milhões de downloads.

Confira as últimas novidades sobre marketing digital aqui.

Leia também: Lu do Magazine Luiza tira dia de folga para fazer exame de prevenção

Por meio do botão de denúncia, qualquer pessoa poderá ligar diretamente para o 180, Central de Atendimento à Mulher, criada em 2005 pelo governo federal e mantida pela Secretaria Nacional de Políticas para Mulheres.

A funcionalidade fará parte do menu de fácil acesso do app. A ação para o Dia Internacional da Mulher foi desenvolvida em parceria com a agência David.

O lançamento do botão de denúncia como ferramenta de combate à violência contra a mulher está diretamente ligado a causas defendidas pela Magalu e a sua estratégia de desenvolvimento de um super app, que reunirá desde o e-commerce até o acesso a serviços privados e de utilidade pública.

“Queremos que nosso super app seja uma espécie de portal para a digitalização do brasileiro.”, diz Frederico Trajano, CEO do Magalu. “Ele só fará real sentido se contribuir para melhorar a vida das pessoas e ajudar a resolver seus problemas.”

A violência contra a mulher é hoje, reconhecidamente, um dos grandes problemas sociais do país. Um terço dos brasileiros afirma ter presenciado esse tipo de violência nos últimos 12 meses, mas 99% da população dizem desconhecer qual a melhor maneira para denunciar, segundo o Data Senado e o Data Folha.

Para ajudar a combater casos de agressão e esclarecer dúvidas sobre direitos foi criado, há mais de uma década, o Ligue 180. Um dos objetivos do botão de denúncia instalado no app do Magalu é contribuir para a disseminação de informações sobre esse serviço público.

Fonte: Redação.

TAGs: