Cinco passos para uma mudança de hábitos em 2020

27/12/2019


Recentemente, assistindo a uma aula de pós-graduação com o renomado psicólogo americano e jornalista Daniel Goleman - autor de best-sellers que abordam o tema da inteligência emocional -, me deparei com um assunto que à primeira vista me pareceu banal e corriqueiro, e para o qual muitas vezes não damos uma atenção real no dia a dia: a mudança de hábitos.

Durante a aula, Goleman trouxe à tona a discussão que o hábito é uma resposta padrão do cérebro para uma situação desafiadora. E que mudar hábitos demanda tempo e esforço.

Por isso, ele acredita que a inteligência emocional é uma área que pode -- e deve -- ser desenvolvida ao longo da vida. Um dos aspectos da inteligência emocional, de acordo com ele, tem a ver com capacidade do indivíduo em se gerir.

O que me chamou atenção nesta aula foi a estruturação desse processo de mudança. É algo que pouco fazemos na nossa rotina diária, pois atuamos no piloto automático. Nesse processo, destacam-se cinco elementos que listo a seguir:

Motivação

Ao decidir por este novo processo de mudança, seja ele um hábito ou um novo aprendizado, pare e faça a reflexão:
Por que isso é importante para mim?;
Por que eu quero mudar? Por que eu quero esta nova habilidade?;
O que eu ganho com essa mudança? Que benefícios isso me trará?;
Como quero me sentir em relação à esta mudança?

Tendo clareza das respostas, você terá de fato a sua motivação. Ela é um combustível poderoso para o seu processo, pois sem o caráter motivador você não sairá do lugar. Neste momento, você também já estará emitindo sinais para o seu cérebro de que há o início de um novo processo de aprendizado. Por isso, registre no papel e de outras formas essa nova meta para ficar ainda mais significativo. Desta forma se gera um compromisso consigo.

Suporte

Saiba que toda ajuda é bem-vinda. Ter uma rede de apoio para te ajudar durante a jornada de mudanças é essencial, e devem ser pessoas escolhidas A dedo, que tenham convicção emocional de que você conseguirá. Conte a elas sobre o desafio que está se propondo e gere um laço de comprometimento entre vocês. Peça para que sejam cúmplices nessa jornada, dando feedback, motivando e “puxando a orelha” também, quando necessário.

Avaliação

Se avalie durante o processo. Meça suas evoluções. Como estava quando iniciou o processo e como está passando por ele agora? Peça feedback e encare essas avaliações como um presente, pois isso te servirá como uma bússola para que chegue na meta, ou “pote de ouro”. Também te ajudará a ajustar o caminho, caso perceba que não está indo na direção correta.

Planejamento

Faça um planejamento que inclua onde você está e onde quer chegar, um passo por vez; qual a distância; quanto falta; Quais e quantos passos você precisa dar para chegar até o objetivo. Faça um roadmap da sua jornada e anote bem a evolução para revisitar quando necessário. Isso te dará ainda mais foco e direção na jornada.

Prática

Com este novo hábito de aprendizado sendo estabelecido, pratique de forma intencional e sistemática. Faça isso em todos os âmbitos da sua vida para que o seu cérebro não veja mais distinção.

Ao praticar o novo hábito insistentemente, você atingirá um novo marco neural. Isso por que nosso cérebro busca automatizar comportamentos para economizar tempo e energia. E justamente porque a nossa mente gosta de economizar, ela pega os caminhos já conhecidos.

Então, pratique e seja persistente, pois é um processo que pode levar de três a seis meses, mas com este novo caminho se estabelece o hábito e o aprendizado se tornará natural.

Colocados estes cinco elementos, tomarei a liberdade de acrescentar um tempero novo a eles, que é a gentileza com si mesmo. Todo processo de mudança demanda esforço e vem carregado de algumas frustrações e desânimos ao longo do caminho.

Por isso, nos esquecemos muitas vezes de nos “abraçarmos”, de sermos gentis com nós mesmos. Isso é natural, pois toda mudança exige coragem. E sim, estamos sendo corajosos ao encarar o desafio de transformação.

Precisamos ter neste processo de autogestão o olhar mais terno. Pois não existe processo de mudança desconectado de emoção. Se tivermos emoções positivas conosco, isso nos fortalecerá ainda mais para a jornada.

Então, avalie o que você quer mudar nos seus hábitos e coloque na sua cartinha de promessas para 2020, para que seja um ano transformador na sua vida!

Fonte: Joceline Sanches.

TAGs: artigo inteligência-emocional