Canal
Geral

NRF apresenta novidades para o varejo

Por: 0 13 de Janeiro de 2011

A "Super Session" da National Retail Federation (NRF), o maior evento de varejo dos Estados Unidos e, atualmente, do mundo, foi sobre a economia global e seus reflexos no varejo. Ficou claro que a China continua sendo a locomotiva do mundo, com crescimento do PIB em torno de 10% ao ano. Já os Estados Unidos têm o desafio de manter a geração de emprego e o consumo do último semestre.

[caption id="attachment_90177" align="aligncenter" width="580" caption="Super Session na NRF."][/caption]

No Brasil, a economia interna é pujante, mas devemos observar o comportamento dos preços das commodities, que estão muito elevados por conta da demanda chinesa. Assim, se ocorrer algum tipo de restrição no mercado chinês, poderá haver redução do superávit da nossa balança comercial. A boa notícia veio da Europa, onde Alemanha, França e Turquia começaram a dar sinais de que estão saindo da crise, com o crescimento das vendas do varejo no último trimestre. Por outro lado, continua a recomendação de prestarmos atenção à delicada situação de Portugal, Espanha e Grécia. Por isso, o primeiro semestre de 2011 será muito importante para vermos para onde caminharão o Euro e a Europa. Ainda neste painel, ficou evidente que o consumidor tem muitos motivos para comprar em qualquer tipo de varejo, seja ele físico ou virtual, com um leque maior de ofertas disponíveis, cabe ao varejo atender ao desejo do consumidor com uma comunicação mais direta, objetiva e, consequentemente, efetiva. Isso porque, quando o consumidor entra na loja física, o índice de conversão tem aumentado. Na maioria dos varejos, independentemente do posicionamento, seja uma loja de luxo ou popular, o ticket médio aumentou. O consumidor quer uma relação emocional com o produto e o varejo. Quando ele vê um produto de que gosta, ele compra, independentemente do preço. Por outro lado, a sugestão de um dos painelistas é que os varejistas aproveitem as redes sociais com um conteúdo cada vez mais rico, porém não invasivo, para se relacionar com esse novo consumidor. Esta prática promove o conhecimento sobre a empresa e ajuda o consumidor a recomendar a marca para aos amigos. Na segunda "Super Session", os varejistas presentes registraram sua visão sobre a mudança de comportamento dos consumidores da terceira idade, que costumam gastar menos em bens e mais em serviços. Foi mostrada uma foto de um Shopping Center de Clínicas como tendência para atender este segmento. A Macy's falou sobre a segmentação exigida pelo mercado nas ações em tablóides. No último Natal, por exemplo, além de todo o trabalho feito em internet e mídias sociais, foram confeccionados quatro milhões de catálogos físicos, com 30 mil versões diferentes, para alcançar os diversos consumidores da loja de departamentos. Na Internet, o My Macy's é uma tecnologia bastante robusta que aproxima a rede dos seus consumidores, na faixa de 30 a 50 anos, e promove feedback online, pautando os vendedores sobre o que eles querem em tempo real. As redes Food Lyon e Tesco têm procurado personalizar o atendimento ao consumidor, comunicando onde o produto está na loja física (em qual gôndola ou prateleira). A Food Lyon ainda utiliza a internet para troca e ativação de cupons de desconto. Já a Tesco acredita que, como varejistas e conhecedores profundos dos seus consumidores, podem vender qualquer coisa, de alimentos a serviços financeiros. Neste último item, aliás, a rede se dedicou mais no último ano, quando comprou de seu parceiro financeiro 100% do cartão de crédito Tesco. Com relação às marcas próprias, os palestrantes foram unânimes em reafirmar que elas são capazes de fortalecer a relação de exclusividade, confiança e fidelidade entre o consumidor e o varejo, o que é muito positivo para o canal. Para finalizar, todas as apresentações abordaram a sustentabilidade, apontando a preferência pela compra de produtos e serviços de fornecedores que tenham práticas sustentáveis. Sobre mobilidade, os palestrantes afirmaram que, nos próximos dez anos, as pessoas se tornarão móveis e a personalização será profunda, ou seja, o consumidor irá desejar que o varejo o conheça e ofereça o que ele realmente quer e precisa. A NRF acontece até o dia 16/01. Fonte: Romano Pansera/Meio&Mensagem.

Tags: