Varejo

O que podemos esperar até dezembro?


9 de Julho de 2020

Com o primeiro semestre concluído e com resultados muito ruins para o varejo, nunca foi tão complicado definir o cenário para o final do ano. 

Foco do curto prazo

Como será o Natal e o Réveillon? E este segundo semestre, como será a sua evolução até dezembro? A visão de curto prazo ainda está muito nebulosa e passar por este período será mais um desafio deste ano.

Certamente todos tem as suas previsões e projeções, mas olhando para o primeiro semestre acredito que poucos acertaram o cenário até junho, primeiro com o impacto da pandemia na economia, depois com o tempo, a maioria acreditava que até o final de junho já estaríamos bem mais normais do que estamos hoje. 

Dado isto, apesar das projeções que possamos ter, teremos que revisá-las mensalmente, pois o cenário será bem adverso e com alterações bem rápidas. O curto prazo será mensal ou semanal.

Acompanhar a evolução da pandemia

Estes próximos 6 meses irão demandar um acompanhamento bem próximo de todos os acontecimentos relativos à pandemia e às resoluções de reabertura da sociedade. E entender como o “Novo Normal” irá acontecer vai fazer a diferença na elaboração das ações até o final do ano. Quais novos hábitos irão perdurar e quais não serão alterados?

Quanto mais informação se processar menor será o tamanho do erro, pois o erro irá acontecer dado a dinâmica dos fatos. Será um semestre intenso, mas que será de fundamental relevância para a recuperação dos negócios e aonde cada mês terá a sua história e serão bem diferentes entre eles. 

Além disto, será um semestre para se preparar para 2021. Os negócios que se saírem bem podem ter uma boa surpresa no próximo ano.

Diferentes resultados em diferentes setores

A pandemia criou situações bem distintas para diferentes setores e regiões. Alguns foram beneficiados e outros sofreram bastante, assim neste segundo semestre temos que sempre nos comparar com o setor que atuamos, pois, a economia irá funcionar diferente para cada negócio. E também acompanhar o cenário nas diferentes regiões do nosso país. Certamente teremos diferentes previsões para desenhar.

O setor de alimentação fora do lar foi um dos que mais sofreram nessa pandemia e terá que ser bem responsável para retomar, pois atitudes de poucos fora dos protocolos de segurança, podem afetar a credibilidade do setor. 

Nessa hora o consumidor está buscando principalmente segurança e quanto mais os restaurantes e bares demonstrarem isto, mais a população se sentirá confortável para voltar a se alimentar fora do lar.

Caminhando sempre em frente

O importante nesse segundo semestre é planejar a retomada de forma constante para que no último trimestre o seu negócio esteja preparado para uma economia bem mais positiva do que atualmente.

Tudo depende da evolução da pandemia, mas nessa hora temos que pensar positivo e ter cenários com esta visão para não se perder o “timing” da retomada.

Pensar nas decisões de agora com os efeitos para 2021

Obviamente que nesse momento todos devem estar focados em chegar ao final do ano, mas também devemos dedicar tempo para pensar nos impactos das escolhas tomadas hoje para o próximo ano. 

Montar um plano inicial para 2021 com o reflexo nos planos atuais vai ajudar a pensar no curto e no médio prazo.

As decisões de 2020 serão duras para garantir a sobrevivência do negócio, mas se não pensarmos nas implicações no médio prazo podemos alongar esse momento difícil por um tempo mais longo do que esperado.

Buscar inovação e se digitalizar

Apesar das decisões difíceis que todos estão enfrentando, também há a necessidade de reinventar, encontrar novos caminhos e novas soluções. O lado criativo deve aflorar pois soluções fora da caixa irão fazer a diferença. Buscar novos conhecimentos também é extremamente importante. 

O mundo digital ganhou relevância e saber atuar nesse novo mundo será bem importante para todos os negócios.

Aguardar a recuperação para retomar os negócios não é o melhor caminho. Estar jogando e buscando novas jogadas é muito importante, pois só assim as oportunidades irão aparecer.

Crescimento em setembro, outubro e dezembro

Na minha visão, arriscaria dizer que julho e agosto para o varejo serão meses de reabertura das lojas e restaurantes, com o objetivo de ter todo o varejo ativo no máximo até o final de agosto. 

De forma que, de setembro a dezembro, sejam meses de crescimento com todas as operações funcionando em seu máximo dentro das restrições legais e buscando atingir o mais breve possível o nível de faturamento semelhante a 2019.

Certamente teremos diferentes resultados em cada setor. Alguns conseguirão superar o ano anterior como outros ficarão abaixo de 2019, e por este motivo cada negócio deve se preparar para o pior e melhor cenário. Ainda está muito nebuloso para se ter uma visão mais exata de como será dezembro, mas ele virá e quem estiver melhor preparado irá capturar as melhores oportunidades.

Pensar positivo

Para mim o lema agora é pensar positivo. Há dias bons e ruins, nossas emoções estão muito ativas, uma notícia boa nos move muito e uma notícia ruim tira energia, mas na média temos que olhar para dezembro acreditando que teremos Natal e com muitos presentes.

Saber liderar e motivar nossas equipes para acreditarem que tudo vai passar, vai criar um ambiente melhor e mais positivo. Somente desta maneira para nossos colaboradores superarem as barreiras que ainda há de se enfrentar.

E pelo motivo de superar tantas dificuldades e em pouco meses, acredito que nós e nossos times sairemos muito mais fortes. Acredite e pense positivo!

Tags: artigo | varejo | Marcelo Amarante | Covid-19 | isolamento social | Coronavírus | distanciamento social