Geral

Um mundo diferente


27 de Março de 2020

A partir da segunda semana de março começamos e sentir na economia os impactos do Coronavírus

As notícias pelo mundo ocidental iam se agravando e as medidas restritivas foram se multiplicando de forma exponencial.

Decisões que pareciam impossíveis de serem tomadas no início da semana, tiveram que acontecer de um dia para o outro, como o fechamento abrupto de todo o comércio. 

Ficamos de frente com a relevante decisão de como cuidar dos colaboradores seja na saúde como no econômico, sabendo que estava sendo interrompido o faturamento por tempo indeterminado e que se deveria preservar os empregos como prioridade.

Muitas contas para garantir a preservação do caixa, parando imediatamente com as despesas sem correr riscos jurídicos e buscando preservar os fornecedores e colaboradores.

Sem dúvida, esses últimos dias foram intensos e com muito estresse para garantir se adaptar a essa nova situação de reclusa total da população.

Após passado esse curto período entre o “normal” e o “tudo fechado” começamos outro: quando voltaremos ao “normal” e pela nossa frente não há uma perspectiva de um final. 

Até quando ficaremos reclusos e o varejo sem faturamento? Sem dúvida esse será um período desafiador, de muita angústia, mas sem perder as esperanças. Teremos que nos preservar e também preservar o nosso negócio. 

Na minha opinião, as decisões serão tomadas conforme o tempo for passando, as decisões tomadas hoje podem ser bem diferentes das decisões de amanhã e assim conforme o passar dos dias. 

Estamos em uma situação totalmente nova para a humanidade do Século 21 e nenhum empresário ou governante tem a fórmula correta ou o quanto de impacto deve adotar para resolver a situação social e econômica. Será o trabalho do dia a dia que irá encontrar as melhores soluções.

O que espero que todos tenham como prioridade proteger o cidadão, seja na parte da saúde como na financeira. Decisões totalmente fora da caixa deverão ser tomadas mesmo que temporárias. E espero que a política também seja colocada em quarentena para que as decisões sejam totalmente focadas em garantir o futuro das pessoas e dos negócios.

Mas nesse momento vejo muitas atitudes positivas acontecendo, principalmente a colaboração, a preocupação com o próximo e a solidariedade. 

Atitudes que engrandecem a humanidade estão acontecendo em todos os lugares e entre todas as camadas da sociedade. E tenho certeza que estas atitudes e ações serão responsáveis pela preservação das pessoas, apesar de tudo que estamos perdendo nesse momento.

Em algum dia o Coronavirus irá embora e poderemos abrir nossas portas novamente e retomar nossas vidas e nossos negócios. Mas aí virá mais um grande desafio, todos nossos esforços para manter nossos negócios em estado de sobrevivência deverão ser reativados. 

Nessa retomada teremos que recomprar nossos estoques, reconstruir nosso capital de giro, pagar as dívidas e impostos. Devemos estar preparados para inaugurar novamente nosso negócio de tantos anos como se fosse o seu primeiro dia. 

Será um esforço maior que o que tivemos que fazer para encerrar as atividades agora. Precisaremos ter disponível capital para investir e assim preservar ao máximo o caixa de nossas empresas será o divisor de águas entre quem irá sair mais forte dessa e o que não sobreviverá.

Nesse novo mundo que iremos encontrar ao sair de nossas casas espero que a maioria dos negócios sobreviva. Sem dúvida, haverá mortos nessa guerra invisível. Mas espero que possamos reconstruir um mundo diferente, aonde a humanidade saia mais forte, cuidando melhor do nosso planeta, pois acreditamos que o dominamos e vimos que somos extremamente frágeis. 

Que cuidemos melhor das pessoas e que possamos diminuir as diferenças econômicas. Que a relação entre os povos e países seja baseado na solidariedade e que, principalmente, a política mude com foco nos cidadãos e não em eleições e poder.

Estamos passando por uma grande reflexão da existência humana e por uma situação inimaginável com a interrupção das economias em quase todos os países. 

A retomada vai precisar de uma grande ruptura na forma que se construiu a forma de viver do ser humano. 

Espero que saiamos maiores e possamos construir um mundo diferente!!!!

 

Tags: artigo | marcelo-amarante | Coronavírus | Covid-19