Rio corre risco de perder evento esportivo

18/09/2018


O Pan-Americano Master de 2020, previsto para acontecer no Rio de Janeiro, deve receber dez mil atletas não-profissionais a partir dos 30 anos de idade, de 50 países (apesar do nome, a competição não é restrita ao continente), para a disputa de 25 modalidades no Parque Olímpico, na Barra da Tijuca.

Além da geração de empregos, a organização prevê que o evento possa injetar R$ 150 milhões à economia da cidade com a chegada de 20 mil turistas. Mas uma cifra bem menor ameaça sua realização: R$ 500 mil. Este é o valor que a prefeitura deve pagar para assinar o contrato de adesão. Só que não há verba nos cofres.

Caso a realização do evento não seja confirmada até o próximo dia 30 de setembro, a Associação Internacional de Jogos Masters (Imga, na sigla em inglês) já avisou que promoverá a troca da sede.

Cáli, na Colômbia, e Cleveland, nos Estados Unidos, concorreram com o Rio e podem ser o destino. Foram apurados que, embora o prefeito Marcelo Crivella tenha assinado o termo de apoio à candidatura do Rio em março de 2017, os R$ 500 mil nunca estiveram previstos no orçamento para 2018 e tampouco foram levados à aprovação da comissão de orçamento da Câmara.

Já foram realizadas 64 reuniões entre técnicos da prefeitura e representantes das entidades que organizaram a candidatura da cidade: o Comitê Brasileiro do Esporte Master (Cbem) e o Rio Convention Bureau.

Diante da falta de verba pública, a Secretaria Municipal da Casa Civil incumbiu o subsecretário de Promoção de Eventos do Rio, Rodrigo Castro, da missão de tentar captar estes recursos junto à inciativa privada. A iniciativa representa o último fio de esperança dos Jogos.

"Infelizmente, a situação financeira atual da prefeitura não nos permite o investimento direto nos Jogos. Mas assim que foi criada a Subsecretaria de Eventos, no início de agosto, fui convidado a participar do grupo de trabalho que promove o Master Games e sugeri a captação por meio da iniciativa privada. Será a maneira mais eficaz de garantirmos o pagamento da primeira parcela do investimento, que vence no final de setembro." explica Castro, que enumera suas apostas:

- A proposta de patrocínio já foi enviada a uma grande marca de refrigerantes e na próxima quarta-feira estarei em São Paulo para uma reunião com a diretoria de marketing de um grande Banco. Também faz parte de nossa estratégia de captação levar o projeto dos jogos aos deputados federais da bancada do Rio, para conseguir a verba por meio de emendas parlamentares. Pelo pouco tempo, há muita incerteza sobre o dinheiro ser obtido em tempo hábil. A preocupação é grande.

"Estamos acompanhando a situação com muita apreensão e mantendo contato quase que diário com a prefeitura.", reconhece Djan Madruga, que chefiou o comitê de candidatura.

"Eu me recuso a acreditar que possamos perder os Jogos Master. Tem muita gente boa no escalão médio da prefeitura dando duro para que esses Jogos aconteçam e tenho que acreditar que o alto escalão, começando pelo prefeito, também esteja acreditando neste esforço.", conclui Castro.

Procurada, a Casa Civil admitiu não dispor dos recursos. Mas orientou que procurasse o ex subsecretário-executivo Alessandro Costa, responsável da pasta por tocar o projeto, para entender os motivos pelo qual ele nunca foi viabilizado financeiramente.

Fonte: Redação Promoview.