Por que a neurodiversidade é o combustível da boa publicidade?

28/11/2018


Os melhores pensamentos, aqueles realmente relevantes para o bom desempenho de uma campanha publicitaria precisam convergir para o inesperado. Neste sentido, a neurodiversidade, abrigando em seu seio todos os tipos de pessoas (dislexia, autismo, hiperatividade, depressão ou introvertido), é na verdade uma grande vantagem competitiva para o raciocínio publicitario, de acordo com Jennifer Hohn em um artigo para Muse.

Na verdade, algumas das nossas mentes mais brilhantes e célebres foram "conectadas" por qualquer padrão, independentemente dos padrões. Thomas Edison tinha dislexia e também sofria de distúrbio de déficit de atenção. Albert Einstein mostrou algumas características do autismo. Pablo Picasso teve que lidar com a depressão. E Warren Buffett é conhecido por ser um "tubarão de negócios" extraordinariamente introvertido.

neurodiversidade

Muitas características que, de fora de portas, são percebidas como uma espécie de obstáculo à mente, tornam-se, na verdade, muito amigas da criatividade. Mais uma razão, portanto, para apostar na neurodiversidade e dar forma a equipes compostas de pessoas dotadas de maneiras radicalmente diferentes de pensar.

Como humanos, carregamos o gregarismo em nossos genes e tendemos a enfatizar o que nos une para nos encaixar, a sentir que pertencemos a um grupo. E é por isso que também estamos particularmente predispostos a formar tribos onde os membros são proprietários de pensamentos extraordinariamente uniformes (e confirmam uns aos outros suas próprias crenças).

Movidos pelo espírito gregário que é queimado em nosso DNA, tendemos a contratar pessoas que são muito semelhantes a nós mesmos. E quando adotamos essa abordagem e nos recusamos a cruzar a fronteira de nossas próprias realidades, estragamos toda uma gama de oportunidades, particularmente se nos movemos na arena da publicidade.

Para aguçar sua criatividade, os anunciantes devem se cercar de pessoas que discordam (saudavelmente) de suas próprias opiniões (e não se limitam a acariciá-las).

A diversidade não emerge apenas de diferenças de raça e gênero. E tem a ver acima de tudo e acima de tudo com a colisão de mundos diferentes e a amplificação de vozes individuais (para abraçar grandes verdades humanas dessa maneira).

Nas agências de publicidade, a neurodiversidade é fundamental para aproveitar ao máximo os "briefings", para iluminar novas estruturas corporativas e adicionar flexibilidade extra aos processos de trabalho.

Devido às suas características, a publicidade é obrigada a estar aberta aos pensadores, alheios à norma e a abrir espaço para eles em suas equipes de trabalho.

Apostando na neurodiversidade, a indústria da publicidade pode impulsionar mudanças surpreendentes na sociedade com o objetivo final de desafiar idéias preconcebidas e excessivamente devedores da regra (cuja casca deve ser quebrada a todo custo), conclui Hohn.

Fonte: Marketing Directo