Estudantes universitários, alunos de cursos técnicos do ensino médio e recém-formados (até dois anos) de todo o país têm espaço garantido para mostrar seu talento e criatividade na 11ª edição da Campus Party Brasil.

Estão abertas as inscrições para o Campus Future no Brasil

04/12/2017

Estudantes universitários, alunos de cursos técnicos do ensino médio e recém-formados (até dois anos) de todo o país têm espaço garantido para mostrar seu talento e criatividade na 11ª edição da Campus Party Brasil. O evento acontece entre os dias 30 de janeiro e 4 de fevereiro de 2018, no Pavilhão de Exposições do Anhembi, em São Paulo.

Os projetos acadêmicos selecionados para a Campus Future serão divulgados e expostos na área gratuita aberta ao público, denominada Open Campus, por onde devem passar mais de 100 mil pessoas.

“A Campus Future é uma das áreas que atraem o maior número de visitantes. Não apenas por estar na área gratuita, que recebe milhares de pessoas, mas pela curiosidade do público em ver de perto e conhecer melhor novas ideias, equipamentos e projetos que em um curto período podem ser aplicados em diversas áreas como saúde, educação, sustentabilidade, agronegócios, mobilidade, entre outros campos”, explica Francesco Farruggia, presidente do Instituto Campus Party.

Farruggia ressalta que muitos deles possuem enorme potencial de começarem como um projeto universitário e depois se tornarem startups com um modelo de negócios. “Por esta razão, a Campus Future é estrategicamente posicionada ao lado da área do programa Startup & Makers”.

No caso da estudante Laís Rocha, da Universidade de Brasília (UnB), que levou com seu grupo Mamutes do Cerrado o projeto de fabricação de aeromodelos elétricos para competição para a Campus Party Brasília 2017, a participação foi fundamental para torná-lo mais conhecido dentro da universidade e fora dela. “Ter participado da Campus nos ajudou a ter maior suporte da UnB e a conseguir patrocinadores que nos ajudarão financeiramente a adquirir melhores materiais e a comprar mais componentes eletrônicos importados, que são a parte mais importante da construção da aeronave. Estamos em negociação com algumas empresas que nos viram na Campus Party”, conta Laís.

Já para Jaílson Rodrigues, do Instituto Federal de Brasília e um dos responsáveis pelo “Letramento de pessoas portadoras de deficiência visual utilizando tecnologia 3D”, a participação na área Campus Future da Campus Party Brasília 2017 deu mais notoriedade e ajudou a fazer com que o projeto aparecesse com mais destaque dentro da instituição e na mídia local.

“Após nossa participação na Campus, passamos a receber vários contatos de empresas, pesquisadores de outros estados, bem como órgãos públicos e privados que lidam com portadores de deficiência visual. Alguns desses contatos se transformaram em parceiros e em apoiadores financeiros, que tem nos ajudado a melhorar em vários aspectos. Alocamos parte do dinheiro recebido em um novo espaço para o laboratório e pesquisa, outra na compra de materiais e ainda em tecnologia”, diz Jaílson.

O “Letramento de pessoas portadoras de deficiência visual utilizando tecnologia 3D” tem como objetivo tornar disciplinas como artes, matemática, física, química e biologia, que são totalmente visuais, mais acessíveis para esse público. “O objetivo é ampliar o horizonte de quem não enxerga. Para isso usamos a tecnologia 3D, que cria moldes como modelo atômico, células de tecido, modelo molecular, entre outros para atender as disciplinas e tornar o aprendizado melhor”, completa Rodrigues.

A participação dos estudantes é voluntária e não tem custos. A seleção dos projetos inscritos será feita por uma comissão julgadora composta pelos curadores de conteúdo da Campus Party Brasil e levará em conta aspectos como o uso de tecnologia, inovação, criatividade e impacto social. O anúncio dos projetos selecionados ocorrerá em 13 de dezembro.


Fonte:: Redação