Banco de talentos

28/08/2019


O convite veio repentinamente: você quer ser diretor de Criação do Banco de Eventos?

Quem não os conhecia? Já tinha participado de muitas concorrências contra eles e era sempre desafiador e instigante competir contra uma das agências mais importantes do mercado nacional.

Conhecia muita gente ali e admirava a qualidade e o tamanho dos projetos que faziam, mas eu realmente nunca havia pensado na possibilidade até estar ali e ao término de uma experiência intensa e rápida com a FanClub.

O primeiro approuch veio com a Liz e o segundo com Andrea Galasso, a diretora master como eu a chamava, que como diretora-geral da agência, conduzia um verdadeiro gigante no universo do live marketing.

Para mim era uma 'puuuuta' honra. Já havíamos conversado há alguns anos, mas eu não havia topado a proposta, mas agora a coisa tinha gosto de desafio e eu topei.

Cheguei numa terça-feira, simplesmente um dia depois de uma mudança grande na equipe e desde o começo entendi que meu trabalho ali tinha que ser muito focado em pessoas: um time talentosíssimo, mas que precisava de organização, foco e direcionamento com uma gestão que os conduzisse para o alto nível de exigência em qualidade e diferenciação, mas preservando sua integridade e potencial criativo.

Deste dia até minha saída, aprendi diariamente algo que deixei como uma mensagem final: “Que nosso legado não são só projetos, mas sim pessoas”. Ali não era apenas um Banco de Eventos, mas sim de talentos, muitos talentos. Como tive a sorte de encontrar em todas as agências onde trabalhei.

E já iniciando o #MTT (Monday To Thank) desta coluna eu tenho que agradecer muitíssimo à Andrea, Liz e ao CEO da Holding na época Marcel Sacco, pelo convite, confiança e desafio em trabalhar em uma grande equipe de criação e que vinha sendo brilhantemente conduzida até então pelo amigo Zé Cardoso – um incrível diretor de Criação e especialista no mundo automotivo, hoje um dos sócios da Lâmpada.

Mais do que uma grande responsabilidade, sou grato também por ter feito parte de um time liderado pelo icônico JVO (Victor Oliva) e que ainda tinha Fernanda Abujamra, Elisa Santa Rita, Priscila Pelegrini Ritton, Cata Moraes, e que poucos dias depois de mim recebia a decisiva chegada do amigo Márcio Esher (hoje diretor-geral do Banco de Eventos e sócio da Holding).

E se não bastasse dizer da honra de ter trabalhado com um timaço destes, tem uma galerinha que eu jamais vou esquecer, porque por estes e estas carinhas eu realmente me esforcei em poder gerar o melhor ambiente, em ter o melhor fluxo, a melhor organização, em respeitá-los como profissionais e poder agregar valores que estavam além do talento que possuiam, um time gigantesco de profissionais que mais do que um agradecimento pela oportunidade que tive em conduzi-los, me deram a experiência diária em entendê-los, admirá-los e aceitar os inúmeros desafios desta fase, focando em deixar claro para eles que tínhamos um time e que eu ia lutar por ele e contra quem fosse.

Um diretor de Criação não é uma unanimidade, dificilmente terá decisões que são as mais populares, mas ao se posicionar entre o topdown da pressão de uma grande agência, o trânsito político da gestão e o entendimento/proximidade do lado humano de um time, existia ali a oportunidade da aceitar uma missão e eu decidi naquele momento que meu maior trabalho ali seria de backstage, eu iria organizar e empurrar pessoas, buscando que elas tivessem um ambiente propício para que fizessem o melhor, e eu não me arrependo em ter focado em fazer uma grande engrenagem funcionar com organização, tráfego, foco, tesão, vontade de fazer e qualidade.

E eu quero agradecer pra cacete Ivan, Mário, Guga, Maguila, Carol, Pi, Jean, Fabito, Fabi, Monstro, Guga, Tonico, Cris, Rafa, Lu, Rei, David, Alê, Yuki, Neilor, Pedro, Gus, Edu, Ric, Kenia, Jorge, Lili, Gui, Sassen, Flavinha, Paranista, Harissa, Ana, Bruno, Dante, Vitor, Marlon, Mafê, Paty, Nik, Zé, Zizi, Rocco, Verô, Renan, Cid, Paty, Guto, Grillo, Luis, Maíra, Ingrid, Mostarda, Renata, Diego, Anna Karina, Aline, Alan, Daniela, Renan, Fabiano, Fê, João, Letícia, Dani, Márcio, Solano, Rapha, Yassuo, Fabi e mais um monte de pessoas que certamente cabem nesta lista de pessoas com quem tive o prazer de trabalhar, conviver e aprender.

Isso pra não falar de mais uma lista imensa de gente fora da Criação e planejamento que dariam uma lista telefônica de pessoas incríveis também. Muitos destes ainda grandes amigos, parceiros e companheiros.

De lançamentos automotivos, passando por congressos, convenções e feiras. Copa do Mundo, promoções e os sempre presentes camarotes e ações de brand experience. Foi uma fase incrível e de muitos desafios, conquistas e aprendizados.

Fica também aqui um agradecimento especial ao Digo (Rodrigo Leme), que foi durante uma parte deste tempo meu parceiro diário na direção criativa da agência e ao amigo mais que querido Fábio Brandão, que na época liderava o time da Samba, mas que sempre foi uma referência criativa e megapilhada do mercado onde atuamos.

Toda minha carreira foi construída por desafios sucessivos e crescentes e no BE tive a oportunidade de colocar muito em prática, como também de me deparar com um ambiente e necessidades muito diferentes do que já havia passado.

Respeito muito a agência e todos os profissionais que passaram e estão por lá. Mas hoje, olhando muitos daqueles profissionais com quem trabalhei, liderando ou se mantendo firmes e fortes no BE, em cargos de liderança em outras agências ou simplesmente fazendo cada vez melhor o seu trabalho, só tenho a certeza de que realmente tive o prazer e a honra de trabalhar com um verdadeiro Banco de Talentos, e esse realmente é o maior legado. #MTT Banco de Eventos.

 

Por Dil Mota.

TAGs: artigo dil-mota