Superamigos, ativar!

18/09/2019


O almoço terminava com um convite irresistível: “Vem trabalhar com a gente, seja nosso diretor de Criação, você vai ganhar um e-mail que começa com super e ainda uma roupinha de super-herói”…

Foi assim que o Victor e o Gus formalizavam o convite para eu entrar numa agência que marcou época, que esteve bem à frente do seu tempo e que me fez conhecer algumas das pessoas mais incríveis do mercado, dentro do clima mais disruptivo, inovador, criativo, destemido e ambicioso que eu já conheci.

A agência era a Super Produções, meu e-mail era superadilson, como de todos os outros que começava com super, da promessa inicial só não ganhei a roupinha, mas não precisava: a gente se sentia super-heróis mesmo, foram superprojetos, supertrabalhos e supercases de uma agência que marcou uma época por sua ousadia, irreverência e por não ter papas na língua.

Uma invasão de noivas na Avenida Paulista para Brilhante? Uma gincana virtual e real (arg) para comemorar os 65 anos de Chicabon? Aniversário de 50 anos de OMO? Nokia Trends? Camarote da Renner no Show da Madonna? Absolut Mixology? E inesquecíveis trabalhos para Unilever, Bradesco, Finasa, Danone, LG, Claro, Nokia, Net, Renner, Absolut, Nespresso, Philip Morris, Faber Castell, J&J e outros tantos mais…

Quando entrei, num pequeno conjunto de salas na Rua Mário Ferraz, a agência dos sócios Victor Parlagrecco, Gustavo Aguiar, Fernando Albieri, Pablo Fantoni, e Milton Machado com o sempre presente e querido “papai” Ricardo Beato, tinha apenas 1 ano, mas já estava fazendo barulho com ideias sempre calcadas em inovação.

Foi um lugar onde, durante 8 anos, trabalhei com pessoas incríveis como (entre outras tantas e já me perdoem quem eu não listar): Ju Mariucci, Fabiano Nava, Emiliano Beirutti, Lu Lopez, Sussu Kawahara, Marcelo “Mineiro” Pompeu, Márcio “Maze” Azevedo, Sabaté, Weber, Pulga Joe, Gurgel, Mostarda, Fabito, Kun, Milena, Lú Mônaco, Thomaz Zanetti, Chris Leão, Renatinha, Leon Malatesta, Alê Pereira, Thaisinha, Bruna, Letícia, Thais Mendes, Camilão, Tati, Gabriel, Amanda, Camargo, Tati Kinder, Claudinho, Cris, Dani, Dante, Edu, Nora, Érica, Fabi, Fê Nudelman, Flávia, Zizare, Marcelão, Danilo, Leka, Zé Roberto, Bruna, Marcão, Camila, Gustavo, Chris, Carlinha, Gabriel Araujo, Paschoa, Thiaguinho, Carol Ramos, Ken, Léo, Lê, Natali, Cinha, Renata, Rudy, Stenio, Tati, Téo, Wellington, Ricardinho, Paulão, Surian, Tarcila, Karen, Sidney, “Severino”, Roberto, Lili, Mafê, Helô, Baca, João, JP, Lilian, Jonas, Larissa, Ronaldo, Mari, Tati Gouveia, Dani Bonatto, os Financeirontes (Amauri, Célia, Caetano e Minutinho), Eri e a querida Dona Rosa, enfim… muuuuita gente querida de quem sinto saudades e que certamente sentem saudades daquela época, das incríveis aventuras, dos grandes projetos e das incríveis festas.

Pessoalmente, foi uma fase de inúmeros desafios, primeiramente por assumir meu primeiro papel de liderança criativa e por ter que confrontar todas os questionamentos, pressões, dúvidas e anseios que me levaram a um processo intenso de descobertas, crescimento e maturidade dos quais hoje só posso agradecer.

Não havia medo de nenhuma agência no mercado, não se mediam esforços em entregar o melhor para o cliente, trouxemos para a agência profissionais espetaculares e foram sem dúvidas momentos incríveis e que muitos dizem nunca mais terem encontrado no mercado.

Infelizmente, a agência não existe mais, eu saí alguns anos antes, mas certamente a Super Produções foi uma agência que criou uma série de superprofissionais, superamigos e superpessoas que estão por aí e em várias agências, muitos inclusive em posição de destaque e liderança, premiados nacional e internacionalmente, alguns têm seus próprios negócios, alguns saíram do mercado, outros nem no Brasil mais estão, e, infelizmente, alguns foram para o “andar de cima”, depois de um incrível legado que deixaram aqui nesse planeta.

Mas todos, sem exceção, inclusive alguns que eu, infelizmente, possa ter esquecido de mencionar, merecem o meu mais incondicional respeito e minha total gratidão: foram importantíssimos – cada um a seu modo – para formatar a pessoa e o profissional que me tornei.

Em especial e nessa segunda-feira para agradecer: #mtt (Monday To Trank), eu queria entre tantos, agradecer a esses malucos que criaram e comandaram a Super e que não só apostaram em mim, mas como me deram espaço para eu trabalhar (e muito) durante muitos anos, num período para não esquecer jamais: Pablo, Miltinho, Victor, minha gratidão gigante por tudo, tudo mesmo. E Gus, Fêzão (Jaba) e Beatinho, vocês que foram até o final com essa história, fica também, uma gratidão imensa e uma certeza grande de um superlegado…

Obrigado a todos vocês por todos os inúmero ensinamentos, oportunidades, aprendizados, pelas discussões intensas, pelos incríveis projetos, pelas entrelinhas e entreletras de uma relação intensa, mas que ao mesmo tempo buscava extrair sempre o melhor de tudo e de todos, mas também pelo respeito que eu reconheço em vocês, e, principalmente, pela honra que tenho em ter trabalhado numa agência inesquecível e de pessoas incríveis que vocês criaram.

Eu sei que eles, como eu, ainda se sentem em algum lugar com um prefixo super antes do nome. E levam para onde forem sempre o arrojo de buscarem algo a mais, usarem seus superpoderes e entregarem um superprojeto com superprofissionalismo. Minha gratidão e imagino que a de todos eles… um superabraço do superadilson!

 

(A imagem que abre essa coluna é uma montagem de ilustrações do diretor de Arte Marcelo “Mineiro” Pompeu e do logo da agência com o “Antenadinho”, para o vídeocase da Super Produções em 2009, há exatos 10 anos).

 

Por Dil Mota.

TAGs: artigo dil-mota