Meu negócio, Meu país

14/10/2018


Considero que a formação de bons profissionais, seja de que área ou nível forem, passa pela existência de uma boa liderança, que acompanhe, oriente, corrija quando necessário e que também celebre e premie as conquistas.

Felizmente tive dois bons líderes na minha fase de formação profissional e o que um deles praticava e me ensinou foi o seguinte: “não dependa dos outros para criar as melhores condições para o trabalho da sua equipe; dentro da sua autonomia, construa o melhor possível, tratando o que estiver sob sua responsabilidade como se fosse o seu universo”.

Vivenciei essa prática junto a este líder em vários projetos que hoje seriam “disruptivos”(palavra da moda... rsss) e tive oportunidade de implementá-la em vários momentos da minha trajetória, seja como executiva ou empreendedora. E acho que vale a pena...

Em vez de ficar lamentando a economia, o câmbio, a carga tributária, a equipe insuficiente ou desqualificada, a falta de budget, a concorrência, enfim, o externo e incontrolável, melhor trabalhar sobre aquilo que está sob a sua autoridade e responsabilidade.

Se sua empresa fosse um país, como você garantiria a sobrevivência, o crescimento e a longevidade dele?

O que dá para fazer neste sentido?

Avalie o seu “frame of reference”, tanto em relação ao mercado, como da sua área de atuação internamente; esquadrinhe, reveja e inove seus processos; avalie se sua equipe tem conhecimento, adequação e motivação suficiente para realizar as tarefas necessárias a estes novos processos; treine estas pessoas e se necessário, substitua(menos gente melhor qualificada faz mais do que um grupo grande porém despreparado); busque parceiros estratégicos, tanto internos como externos; estude, domine e aprenda com os concorrentes, seja com os sucessos e/ou com os fracassos deles; busque “benchmarks” em outras categorias; leia, estude e melhore sua capacidade de análise; avalie se existem outras formas de receitas que possam ser trabalhadas sem desviar do seu core business e caso haja alguma oportunidade muito boa porém fora do seu escopo, vale a pena abrir um novo negócio?. 

A vida continua, independente das condições externas. Neste momento em que todos esperam por soluções vindas do Estado ou de algum executivo mágico, investidor anjo, consultoria milagrosa ou conselheiro oráculo, o que busco praticar todos os dias é: O QUE CONSIGO FAZER MELHOR EM CADA JOB/PROJETO? Dá trabalho, não traz resultados imediatos, não é glamouroso, traz conflitos e não há garantia de sucesso... 

Mas não existe nada mais prazeroso do que poder contar uma história com final feliz que você, junto com quem acreditou e contribuiu para o seu sonho, conseguiu construir, com começo, meio e fim.

Mãos à obra!

P.S. duas leituras inspiradoras, de gente que fez, de formas diferentes porém de forma inovadora:
• Inés de Minha’alma – Isabel Alende – romance histórico sobre a formação do Chile;
• Leonardo Da Vinci – Walter Isaacson;

Fonte: Flávia Rocha.

TAGs: Artigo|Opinião|Ensaio