"Engenhoca Criativa" da Samsung forma 160 jovens em São Paulo

29/11/2018


Participantes de 14 a 24 de anos de idade tiveram a oportunidade de aprimorar capacidades, ampliar competências emocionais e desenvolver habilidades empreendedoras.

Um grupo de 160 jovens, de quatro comunidades da Zona Sul de São Paulo, participam no dia 30 de novembro, do encerramento do projeto “Engenhoca Criativa”, da Samsung.

O objetivo do programa foi unir conceitos de tecnologia e educação social para desenvolver a cultura de aprendizagem criativa.

Promovido pela área de Cidadania Corporativa da Samsung Brasil, o “Engenhoca Criativa” visa democratizar o acesso à tecnologia unindo a formação humana à tecnológica.

A intenção é levar aos moradores das comunidades em situação de vulnerabilidade social a possibilidade de aprimorar capacidades, ampliar competências emocionais, desenvolver habilidades empreendedoras e vivenciar experiências de aprendizagem.

Participaram do programa estudantes de quatro instituições de ensino da região. Os projetos apresentados foram divididos em seis categorias – Sustentabilidade, Social, Automação, Brinquedo, Objetos Automatizados e Educação –, seguindo as lógicas e os conceitos “maker” e da aprendizagem criativa.

Para Isabel Costa, gerente de Cidadania Corporativa da Samsung Brasil, o projeto contribui com a melhoria da educação, que é “o princípio da mudança de toda a sociedade”. “Essa iniciativa nos mostra que a tecnologia é uma grande aliada da educação de diferentes maneiras e impactará o futuro das salas de aulas.”, afirma a gerente da Samsung.

De aspirador a carrinho de rolimã

O evento para reconhecer os resultados conquistados pelo programa ao longo deste ano contou com a exposição dos projetos dos alunos, além de atração cultural.

Durante a tarde, os participantes apresentam suas “invenções”, que incluíam um regador sustentável, carrinhos de papelão e de rolimã e até mesmo um aspirador de pó. Integraram os projetos, ainda, um aplicativo contra a depressão, um cofre e uma cidade automatizada.

A primeira edição do projeto social foi realizada em parceria com a Associação AlfaSol (Associação Alfabetização Solidária) e a Explorum Educacional.

“É necessário que o ensino de conteúdos esteja atrelado ao desenvolvimento de habilidades e competências, que promovam o diálogo entre o que se aprende na escola e a realidade objetiva do aluno.”, comenta Eduardo Azevedo, cofundador da Explorum.

“O Engenhoca Criativa foi uma aposta na educação muito bem-sucedida, que permitiu que analisássemos processos, procedimentos e os resultados na formação de jovens, que foram estimulados e preparados para as novas competências do milênio.”, completa Azevedo.

“Com esse projeto conseguimos democratizar o acesso às novas tecnologias.”, diz Maristela Barbara, diretora da Associação AlfaSol. “E o mais surpreendente foi perceber o quanto os jovens estão saindo do curso mais confiantes de suas próprias potencialidades. Essa experiência mostrou a eles que são capazes de enfrentar outros desafios. Isso é a maior conquista!”, concluiu.

 

Fonte: Redação.