Canal
Varejo

Adidas, Nike e Under Armour amargam prejuízos

Por: Redação com informações da Máquina do Esporte. 18 de Agosto de 2020

Três maiores marcas esportivas do mundo sofreram quedas violentas em 2020 em virtude da pandemia de Covid-19.

A pandemia do Coronavírus derrubou os negócios das três maiores marcas esportivas do mundo no primeiro semestre de 2020. Na última semana, a Adidas apresentou seu resultado financeiro dos seis primeiros meses do ano: prejuízo de € 268 milhões e queda nas vendas de 27% em relação a 2019.

As últimas novidades do varejo. Confira aqui

Leia também: Adidas apresenta o primeiro tênis do Flamengo.

A marca alemã teve resultados muito similares aos de Nike e Under Armour. As duas fabricantes americanas também viram seus negócios derreterem neste semestre, especialmente no segundo trimestre (abril a junho), quando a pandemia do Coronavírus provocou o fechamento de lojas praticamente em todo o mundo.

Segundo o relatório financeiro apresentado pela Adidas, no mês de abril, 70% das lojas da marca no mundo ficaram fechadas. Isso causou uma queda abrupta nas vendas do trimestre, que atingiram € 3,6 bilhões. 

O número é 35% menor que o mesmo período de 2019, quando a marca vendeu € 5,5 bilhões. O resultado foi causado pelo avanço da pandemia, que já tinha atingido a região da Ásia no primeiro trimestre, na Europa e nos Estados Unidos, os maiores mercados da marca.

Para tentar reduzir o impacto negativo da pandemia nos negócios, a Adidas tomou algumas decisões logo em março. A empresa pegou um empréstimo de € 3 bilhões com o governo alemão, e, ainda, suspendeu o pagamento de dividendos proposto para o exercício financeiro de 2019. A marca ainda passou a investir mais no e-commerce, já que as vendas on-line cresceram bastante na pandemia.

O resultado dos alemães mostra um cenário tenebroso para as marcas esportivas em 2020. A Under Armour já havia anunciado perdas de US$ 700 milhões no primeiro semestre do ano, enquanto a Nike viu as receitas caírem 38% no último trimestre do seu ano fiscal (de março a maio). 

A projeção do primeiro quarto do novo ano fiscal segue baixa, com o mercado americano ainda afetado pela pandemia.

A fabricante do Oregon, que é a maior empresa de material esportivo do mundo, deverá colocar em ação um plano de redução de custos a partir do dia 1° de outubro. 

Segundo o Portland Business Journal, pelo menos 500 funcionários que trabalham na sede da empresa serão demitidos. Além disso, será fechada a creche para filhos de funcionários que funciona na empresa e emprega quase 200 pessoas.

"Estamos anunciando mudanças hoje para transformar a Nike mais rapidamente, acelerar nossas maiores oportunidades de crescimento e expandir nossa posição de liderança.", disse John Donahoe, presidente da Nike, ao anunciar as medidas.

Tags: nike | varejo | adidas | Coronavírus | Covid-19 | Under Armour | marcas esportivas | prejuízo de marcas esportivas