Canal
Regional

Unroll&Go e a prova de que o design é mais que estética

Por: Redação 14 de Junho de 2017

"Design é muito mais do que estética". É com essa frase que o holandês Richard van der Laken, criador do evento What Design Can Do (WDCD), fala sobre sua proposta, que, desde 2011, reúne os mais criativos profissionais do mundo em uma série de palestras, oficinas, mesas redondas e desafios especiais sempre orientados por um tema global.

A edição de 2016 teve como centro a crise dos refugiados e, o ano de 2017, as mudanças climáticas. O evento desafia empreendedores, designers e estudantes de todo o mundo a buscarem soluções sustentáveis e a enviar seus diferentes projetos para o evento.

A equipe da Geometry Global Rio de Janeiro, com sua iniciativa de intraempreendedorismo chamada Go.Good, viu no desafio a oportunidade de fazer a diferença e criou, para o ano de 2016, o projeto Unroll&Go. O projeto é uma veste multifunções, feita especialmente para sanar alguns dos problemas diários mais comuns encontrados no dia a dia dos refugiados em busca de uma vida mais digna.

Pensando em problemas que eles passam e para os quais não costumam estar preparados como o mau tempo, falta de privacidade, local para armazenar e carregar seus pertences e muitas vezes até a falta de um lugar para dormir, o grupo desenvolveu um produto único e de baixo custo que visa resolver a maior quantidade possível dessas necessidades. Das 631 propostas de serviços e produtos enviados para o Refugee Chalenge do ano passado, o Unroll&Go foi um dos 50 projetos selecionados para fazer parte da exposição “Solução ou Utopia? Design para refugiados”, que está acontecendo este ano no Stedelijk Museum em Amsterdam.

Max Targanski, integrante do time de produto da Geometry e um dos criadores do Unroll&Go, levou o protótipo utilitário para o evento de abertura e apresentou suas múltiplas funções. Feito em tecido fino e leve, mas resistente e a prova d’água, o material pode ser constantemente transformado por meio de diferentes dobras, abotoaduras e encaixes em capa de chuva, mochila, rede, sling para bebês, repartição para alojamentos e muitas outras funcionalidades desejáveis em sua jornada e nos centros de acolhimento e apoio que não possuem estrutura para receber um grande número de pessoas.

O grupo ainda se preocupou em desenvolver as instruções em símbolos universais que permitissem que qualquer pessoa fosse capaz de compreender e montar o produto final desejado sem o auxílio de palavras, tornando a comunicação acessível em qualquer idioma. A peça pode ser produzida em larga escala por meio de uma fabricação simples e de baixo custo.

Tags: Sudeste (Brasil) | Sustentabilidade | Responsabilidade Social | Evento Convenção | Profissional de Mídia