Este canal é patrocinado por
Este canal é patrocinado por

Travis Scott não quer ser vinculado a 'branding' ou 'marketing'

Por: Redação com informações da Ad Week.. 5 de Maio de 2021

De acordo com a matéria publicada no Ad Week, apesar de se envolver em muitas campanhas promocionais de alto nível no ano passado, o astro Travis Scott se irrita com a ideia de que esse trabalho esteja vinculado aos campos de branding e marketing. 

Nomeado o “Criador Visionário do Ano” pela AdWeek , Scott disse em uma entrevista : “Não gosto de palavras como 'branding' e 'marketing' ... Simplesmente nunca gostei disso, sabe? Acho que sou um naturalista nesse sentido. ”

Confira as últimas novidades do universo da publicidade aqui.

Leia também: Tênis de R$ 11 mil da Dior e Nike tem fila de 5 milhões de pessoas.

Ele continuou: "Estou apenas lançando coisas muito legais que me inspiram e espero que um dia inspire outras pessoas ... Estou tentando trazer um efeito utópico ... na esperança de inspirar a próxima pessoa a apenas obter criativo ou mesmo apenas viver sua vida de uma forma esteticamente agradável e vibrante. ”

Travis Scott (Foto: Jerritt Clark)

Os comentários surpreendem considerando como Scott passou seu ano de 2020. 

Aos 28 anos, ele é indiscutivelmente o rapper mais importante do mundo. Desde que chegou à lista Forbes 30 Under 30, há três anos, ele faturou mais de US$ 100 milhões com singles no topo das paradas (como “Sicko Mode”), um álbum multiplatinado (“Astroworld”) e a turnê de rap de maior bilheteria em 2019. 

Neste período o astro colaborou com várias empresas e franquias diferentes, incluindo McDonald's (para uma refeição e mercadorias exclusivas), o videogame Fortnite em uma série de performances entra as mais comentadas do ano, Sony Playstation (um par de sapatos projetados por Scott e um vídeo de unboxing), entre outros.

A lista de patrocinadores de Travis Scott é formidável, variando de marcas que se deleitam em seu apelo à juventude (PlayStation, Epic Games) a chancelas antigas e sérias que precisam recuperá-la (General Mills, McDonald’s). De qualquer forma, ele não está interessado apenas em anúncios de TV sofisticados. Para a Epic, ele concebeu um novo tipo de arte performática, produzindo um show ao vivo no videogame “Fortnite”,  em uma das performances mais comentadas do ano, ja visualizada no youtube por 115 milhões de pessoas com 12 milhões de espectadores durante a live. Para o McDonald’s, desenvolveu um item de menu com a marca Scott tão popular que o gigante dos restaurantes sofreu uma rara calamidade: escassez de suprimentos. Não que a empresa tenha se importado muito. “Travis é um ícone cultural”, diz Jennifer Healan, vice-presidente de marketing do McDonald’s nos EUA.

O que é muito mais interessante, porém, é como “La Flame” ilumina o mundo dos negócios. Durante décadas, as celebridades traduziram seu renome em shows remunerados como figurantes corporativos. Então, durante grande parte deste século, a fama gerou oportunidades de empreendedorismo muito mais lucrativas do que os patrocínios típicos. Scott buscou, com sucesso, um modelo híbrido em que trabalha com e dentro de grandes marcas, mas de uma maneira em que ele diz a elas o que fazer ou dizer, e não o contrário. “Esses caras estão nos permitindo realmente mergulhar e criar nosso próprio mundo”, diz.

No entanto, Scott insiste que trabalhar com essas empresas se encaixa em sua mentalidade "naturalista". “Não posso fazer nada com o que não me sinta totalmente confortável”, disse ele. 

“Nunca gostei de simplesmente representar o produto ou a marca. Sou criador de conteúdo e sempre me propus a formular algo para trazer para cada parceria. Foi assim desde o meu primeiro trabalho e pretendo manter já que está funcionando", disse ele.

Tags: Fortnite | Sony | mc-donalds | branding | Marketing | travis-scott