Canal
Publicidade

Na Era das lives, Brasil chega aos 70 anos da primeira transmissão de TV

Por: Redação 18 de Setembro de 2020

O dia 18 de setembro marca o início das transmissões de TV no Brasil com a inauguração da TV Tupi, na cidade de São Paulo,de 1950.

Fundado por Assis Chateaubriand, foi o primeiro canal de televisão do país, tendo sua filial no Rio de Janeiro sido inaugurada em 20 de janeiro de 1951. 

Chateaubriand instalou 200 aparelhos pela Capital paulista e foi exibido um show ao vivo – considerado o primeiro programa da televisão brasileira – chamado “TV na Taba”, cuja temática eram os indígenas, que já habitavam as terras brasileiras no período pré-cabralino. 

Mas o primeiro registro de um aparelho de televisão no Brasil é de junho de 1939, quando em uma feira, houve a exibição de um aparelho da empresa alemã Telefunken. 

O símbolo da Tupi era um pequeno índio, que apareceu nas telas anunciando: "Boa noite. Está no ar a televisão do Brasil". Essa é considerada a primeira fala da televisão brasileira, protagonizada pela atriz Sonia Maria Dorce, então com seis anos de idade. O programa teve duração de aproximadamente uma hora e contou com a participação de várias celebridades da época como os atores Mazzaropi, Lima Duarte, Lia de Aguiar e Lolita Rodrigues; os cantores Hebe Camargo, Vadeco, Ivon Cury e Wilma Bentivegna; o jogador Baltazar; e a orquestra de George Henri.

Inicialmente sempre com programas ao vivo, a televisão não contava com propagandas comerciais. Assim, o intervalo entre um programa e outro era preenchido com números musicais, para dar tempo de se modificar o cenário para a atração seguinte. Em 1952, passou a ser transmitido na televisão o noticiário do rádio “Repórter Esso” e no mesmo ano entrava no ar a TV Paulista canal 5, a segunda emissora de televisão brasileira. 

Em 1953 estreou o programa “Alô, Doçura!”, com os atores Eva Wilma e John Herbert. O programa era apresentado em São Paulo pelo canal 3 e no Rio pela TV Tupi Rio canal 6. Como naquela época não havia vídeo tape nem transmissão direta entre cidades, os artistas tinham que viajar de uma cidade para outra para representar o programa na mesma semana.

 Em 1955 estreou "O Mundo é das Mulheres" – com Hebe Camargo – considerado o primeiro programa feminino da televisão brasileira. Em 1964, a TV Tupi de São Paulo e a TV Rio se uniram para exibir a novela “O Direito de Nascer”, considerado o maior sucesso da televisão em todos os tempos, com um índice de audiência de 99,75% dos televisores ligados durante o último capítulo. Foi só em 1968 que surgiu a primeira emissora de TV educativa do Brasil: TV Universitária, da Universidade Federal de Pernambuco.
A televisão brasileira só passou a ser colorida na década de 1970. Porém, em 1967, a TV Globo – inaugurada 2 anos antes – fez as primeiras experiências com imagens em cores, utilizando o sistema americano NTSC. 

No entanto, o governo federal oficializou o sistema alemão PAL-M, proibindo aquele utilizado pela emissora. Em 19 de fevereiro de 1972, foi feita a primeira transmissão colorida – a Festa da Uva em Caxias do Sul (RS) – ainda em fase de testes. Só em 31 de março foi inaugurada oficialmente a TV em cores no Brasil, com um pronunciamento do Ministro das Comunicações.

Em 2 de dezembro de 2007 entrou no ar no Brasil o sistema digital de televisão e a partir de 2016 os sinais de televisão analógica começaram a ser desligados em várias cidades. 

Nos dias de hoje, com a massificação da Internet, as TVs abertas e por assinatura passaram a disputar a audiência com os serviços de streaming. Essa tecnologia possibilita a pessoas, em qualquer parte do mundo, terem acesso a diversos tipos de conteúdo de diferentes países, 24 horas por dia, e com maior liberdade e flexibilidade de horário. 

A festa dos 70 anos da TV inspirou a comemoração de várias emissoras, que vasculharam seus arquivos em busca de imagens históricas.

Emissoras abrem seus arquivos para relembrar grandes momentos.

A Cultura, por exemplo, estreia nesta quinta, 17, às 22h15, a série Os Campeões de Audiência. Com três episódios semanais, o programa busca destacar os profissionais que trabalharam na TV. "São conversas de quem faz a televisão brasileira ser o que é", explica o diretor Henrique Bacana, lembrando as entrevistas de figuras como Lima Duarte, Betty Faria, Laura Cardoso e Tony Ramos, entre outros.

Já a Globo preparou dois especiais do Globo Repórter - o primeiro vai ao ar na, sexta, 18, depois de Fina Estampa. Esse episódio vai mostrar como tudo começou e ouve relatos de lembranças do primeiro contato com a caixa mágica de sons e imagens. "Vamos mostrar imagens raras, pouco conhecidas do público. As pessoas vão conhecer melhor a TV, saber como ela foi feita e os seus bastidores. No início, a televisão era toda ao vivo. As novelas, os programas e até os comerciais", conta a apresentadora Glória Maria.

Já o Jornal da Band apresenta imagens do arquivo da emissora e o programa Câmera Record relembra os programas que marcaram os 70 anos da televisão brasileira

MG4 de Globo é o mais moderno complexo de estúdios para televisão no Brasil. Com 1,5 mil m2, reúne o que há de mais moderno em tecnologia.

Tags: publicidade | televisão