Este canal é patrocinado por
Este canal é patrocinado por

Patrocinadores não levarão convidados para Copa do Qatar

Por: Redação com informações do insideworldfootball.com. 21 de Abril de 2022

O sorteio da Copa do Mundo da Fifa iniciou a contagem regressiva para o maior evento esportivo do planeta – mas o torneio está envolvido em controvérsias.

Previsto para ser realizado pela primeira vez em novembro e dezembro de 2022, o momento e a escolha da nação são fatores disruptivos para os calendários esportivos e de marketing, que criam oportunidades e armadilhas em potencial. Todo anfitrião da Copa do Mundo apresenta seu quinhão de controvérsias e desafios no período que antecede – mas as manchetes negativas são amplamente esquecidas depois que a primeira bola é chutada. Basta olhar para a Rússia 2018.

No entanto, embora haja muitas evidências para sugerir que o Qatar 2022 pode sediar um futebol incrível, também pode ser um barril de pólvora de questões sociais do início ao fim.

Nesta semana vários patrocinadores da seleção da Bélgica seguiram os passos de seus colegas holandeses e disseram que ficarão longe da Copa do Mundo 2022 por questões de direitos humanos.

Na Holanda, o ING, principal patrocinador da seleção holandesa, KPN, Albert Heijn, Bitvavo e o Nederlandse Loterij também disseram que não levarão clientes para a Copa do Mundo nem realizarão promoções com sorteios de ingressos. 

O ING disse que também vai se abster de usar imagens da Copa do Mundo em comerciais.

Na Bélgica, o banco e a seguradora ING Belgium, a gigante do chocolate Cote d'Or, o correio GLS e a marca de cerveja Jupiler confirmaram também que não utilizarão a cota de ingressos promocionais para levarem convidados para os jogos da seleção belga no Catar. Os patrocinadores de seleções tradicionalmente tem direito aos convites para utilização promocional.

“Mais pode ser feito” para promover os direitos humanos no Qatar, disse Jupiler em comunicado.

“Patrocinamos os Red Devils e acreditamos no poder do esporte e na oportunidade que ele oferece para criar respeito e inclusão para todos. Reconhecemos nossa responsabilidade de respeitar os direitos humanos e acreditamos que o mundo é um lugar melhor quando os direitos humanos são respeitados”.

“Acreditamos que esta Copa do Mundo não deve ser usada para fins comerciais”, disse a GLS em comunicado.

O ING Belgium disse que estava tomando sua posição pela situação dos direitos humanos e não lançará nenhuma campanha de conteúdo referente ao Qatar. No entanto, a seguradora manterá sua logomarca nas camisas de treinamento da equipe, no embarque e ao fundo durante as coletivas de imprensa.

As declarações de Jupiler são significativas. A maior cervejaria do mundo, a AB InBev, produz Jupiler e também é patrocinadora da Copa do Mundo no Catar por meio da Budweiser. 

A marca de cerveja americana não protestou contra a situação dos direitos humanos no Catar, mas no passado pediu à Fifa que aborde as alegações de corrupção em torno da controversa candidatura à Copa do Mundo de 2022 no Catar.

Bandeiras arco-íris poderão ser retiradas de torcedores 

Segundo o  major-general Abdulaziz Abdullah Al Ansari as bandeiras com arco-íris poderão ser retiradas de torcedores nas ruas e estádios do Qatar. Al Ansari, que é diretor do Departamento de Cooperação Internacional e presidente do Comitê Nacional de Contraterrorismo justificou a decisão:

 

 

 

Ver essa foto no Instagram

 

 

 

 

Uma publicação compartilhada por TOPSY? (@officialtopsyofabuja)

 

“Se ele (um fã) levantou a bandeira do arco-íris e eu a peguei dele, não é porque eu realmente quero, realmente, para insultá-lo, mas para protegê-lo”, disse Al Ansari à Associated Press. “Porque se não for eu, alguém ao redor dele pode atacá-lo… Não posso garantir o comportamento de todo o povo. E eu direi a ele: 'Por favor, não há necessidade de levantar essa bandeira neste momento.'

"A medida é para protegê-los de serem atacados por promover os direitos dos homossexuais”, disse outro líder sênior que supervisiona a segurança do torneio à AP.

Ainda na sua entrevista para AP, Al Ansari disse que não estava dizendo aos fãs do LBGTQ para ficarem longe do Catar ou avisando-os de serem processados.

“Reservem o quarto juntos, durmam juntos – isso é algo que não é da nossa conta”, disse ele. “Estamos aqui para administrar o torneio. Não vamos além das coisas pessoais individuais que podem estar acontecendo entre essas pessoas... esse é realmente o conceito. Aqui não podemos mudar as leis. Você não pode mudar a religião por 28 dias de Copa do Mundo”.

Quando foi apontado que torcedores e times visitantes poderiam se ofender com os comentários, Al Ansari disse que não se considerava discriminatório.

"Estou arriscando... uma visão minoritária contra a maioria", disse ele. “Temos que estar perto do problema antes que ele estoure e fique fora de controle. … Se alguém atacar você, então eu tenho que me envolver e será tarde demais”.

Mas os comentários de Al Ansari sobre o confisco das bandeiras de arco-íris dos torcedores criaram confusão para ativistas, incluindo Chris Paouros, membro do conselho consultivo de inclusão da Federação Inglesa de Futebol e administrador do grupo antidiscriminação Kick It Out, que queria um local seguro e torneio inclusivo.

“Essa inconsistência e a contínua falta de detalhes em como isso será fornecido além da retórica de 'todos são bem-vindos' é no mínimo preocupante”, disse Paouros.

“A ideia de que a bandeira, que agora é um símbolo universal reconhecido de diversidade e igualdade será removida das pessoas para protegê-las não será considerada aceitável e será vista como um pretexto”, disse a diretora executiva da FARE, Piara Powar. “Estive no Catar em várias ocasiões e não espero que a população local do Catar ou os torcedores que visitam a Copa do Mundo sejam atacados por usar a bandeira do arco-íris. 

"O maior perigo vem das ações do Estado.”completou.

A rede FARE, que monitora discriminação no ambiente esportivo, especialmente nos jogos de futebol, segue se movimentando para que as liberdades dos torcedores sejam respeitadas na Copa do Mundo.

Direitos humanos 

O histórico ruim do Catar em direitos humanos, desde o bem-estar dos trabalhadores até o tratamento dos cidadãos LGBTQ+ do país, continua sendo um grande problema à medida que o torneio se aproxima. Enquanto o estado do Golfo, rico em petróleo, corre para construir os estádios e a infraestrutura necessários para sediar o evento, o tratamento dos trabalhadores migrantes foi severamente repreendido por organizações de direitos humanos em meio a alegações de condições de trabalho inseguras, baixos salários e leis trabalhistas restritivas.

Uma investigação do The Guardian informou que mais de 6.500 trabalhadores migrantes morreram no emirado desde que a Copa do Mundo foi concedida – um número contestado pelas autoridades do país.

Tags: futebol melhores-da-semana Copa-do-Mundo