Este canal é patrocinado por
Este canal é patrocinado por

Você sabe qual o consumo de energia para mineração de Bitcoin?

Por: Redação. 27 de Abril de 2021

Elas têm sido um dos ativos mais comentados nos últimos meses, com os preços do bitcoin em alta volatilidade e seguidos recordes. Esses ganhos foram impulsionados pelo que parece uma ação orquestrada, tendo como destaque o investimento de Elon Musk nestes ativos, o que levou a um aumento do numero de empresas e instituições a negociar com a criptomoeda.

Mas em tempos de pacto global a quantidade e as fontes de eletricidade necessárias para alimentar a rede Bitcoin também entraram na pauta.  

Quando as pessoas minam bitcoins, o que elas realmente fazem é atualizar o livro de transações de Bitcoins, também conhecido como blockchain. Isso exige que eles resolvam quebra-cabeças numéricos que têm uma solução hexadecimal de 64 dígitos conhecida como hash .

Os mineiros podem ser recompensados com bitcoins, mas apenas se chegarem à solução antes dos outros. É por esse motivo que os mega datacenters para mineração de Bitcoin estão proliferando em todo o mundo.

Essas instalações permitem que os mineiros aumentem seu hashrate , também conhecido como o número de hashes produzidos a cada segundo. Um hashrate mais alto requer maiores quantidades de eletricidade e, em alguns casos, pode até sobrecarregar a infraestrutura local.

Em 18 de março de 2021, o consumo anual de energia da rede Bitcoin foi estimado em 129 terawatts-hora (TWh). Um terawatt hora (TWh) é uma medida de eletricidade que representa 1 trilhão de watts sustentados por uma hora.

Para fins de comparação, a rede Bitcoin consome 1.708% mais eletricidade do que o Google, mas 39% menos do que todos os data centers do mundo - juntos, eles representam mais de 2 trilhões de gigabytes de armazenamento.

Se o Bitcoin fosse um país, ele estaria em 29º lugar entre os 196 teóricos, excedendo por pouco o consumo da Noruega de 124 TWh. Quando comparado com países maiores, como os EUA (3.989 TWh) e a China (6.543 TWh), o consumo de energia da criptomoeda é relativamente baixo.

Para colocar isso em perspectiva, o excelente site de inforgráficos visualcapitalist.com preparou um, usando dados do Índice de Consumo de Eletricidade do Bitcoin da Universidade de Cambridge ( CBECI ) para comparar o consumo de energia do Bitcoin com uma variedade de países e empresas. E o resultado é surpreendente!

Veja como esse número se compara a uma seleção de países, empresas e muito mais.  

Infográfico: visualcapitalist.com
Fonte : Cambridge Center for Alternative Finance, Science Mag, New York ISO, Forbes, Facebook, Reedy Creek Improvement District, Worldometer

 

A energia hidrelétrica é a fonte mais comum em todo o mundo e é usada por pelo menos 60% dos criptomineradores em todas as quatro regiões.  

A energia do carvão desempenha um papel significativo na região da Ásia-Pacífico e foi a única fonte que se equiparou à hidroeletricidade em termos de uso.  

Isso pode ser atribuído em grande parte à China, que é atualmente o maior consumidor mundial de carvão. A estratégia do governo chinês para garantir a autossuficiência energética levou a um excesso de oferta de usinas hidrelétricas e a carvão.

Recentemente os chineses se comprometeram a zerar emissão de carbono até 2060. E parece que o assunto está evoluindo quando o tema é mineração de criptomoedas.  

Em abril de 2020, Ya'an, uma cidade localizada na província chinesa de Sichuan, emitiu uma orientação pública encorajando as empresas de blockchain a tirar vantagem de seu excesso de hidroeletricidade.

Mike Colyer, CEO da Foundry, um provedor de financiamento de blockchain, acredita que a criptominação pode apoiar a transição global para a energia renovável. Mais especificamente, ele acredita que agrupar instalações de criptomineração perto de projetos de geradoras de energia renovável pode mitigar um problema comum: desperdício da eletricidade gerada ali.

“Isso permite um retorno mais rápido em projetos solares ou eólicos ... porque eles produziriam muita energia, atendendo a população de uma determinada área em equilíbrio com o mega consumo das mineradoras”

Tags: bitcoin | cirptomoedas | energia