Este canal é patrocinado por
Este canal é patrocinado por

Locais alternativos x Eventos

Por: Paulo Octavio Pereira de Almeida. 16 de Julho de 2021

Eventos são encontros de comunidades. Serão híbridos/virtuais com certeza. Este “hibridismo” vai oferecer possibilidades de expansão das audiências e não será um substituto aos eventos presenciais. Será um complemento tecnológico muito útil.

Hoje vou fazer uma outra comparação para ajudar neste caminho da retomada.

Assim como eu acredito que os organizadores de eventos têm que “ampliar” a sua visão e deixar de serem chamados simplesmente de “organizadores” para obterem o posicionamento de “catalisadores”, eu vou fazer também uma análise sobre os locais que estas comunidades podem e devem se encontrar. 

Se você já esteve envolvido com a organização de qualquer encontro você sabe da importância do local para o sucesso da empreitada. 

Quem faz eventos sabe que tem que prestar atenção a detalhes que os participantes nem sabem que existem. Escolher entre uma venue tradicional ou um espaço alternativo é um dos grandes dilemas de quem trabalha no setor. 

Todos nós sabemos que as pessoas mais valorizam as experiências e são elas que ficam marcadas positivamente na mente das pessoas. Funciona assim! 

Se a experiência for negativa, as pessoas não só lembram, como também contam para todo mundo, ainda mais com as mídias sociais de hoje em dia. Mas uma feira de negócios que acontece há 30 anos no mesmo local, deve ou pode mudar de local? As opiniões variam muito se você sair perguntando. 

Na minha opinião, se você for um líder real da comunidade que estiver envolvido você vai saber responder a esta questão melhor do que todo mundo. Simples assim! 

Mas pensando nas experiências, quem não gostaria de organizar um evento em uma “caverna”? Melhor ainda, e se esta caverna for em uma praia paradisíaca? Top hein? Mas e a energia? E os banheiros? A comida pode ser quente neste evento? E o acesso de entrada e saída dá vazão rápida a todos os convidados? 

Pois é.... Não é fácil! E transformar cenograficamente uma venue tradicional em uma “caverna na praia”? Quanto custa? Quantos caminhões de areia vou precisar usar? E por aí vai... O dilema é complexo como já mencionei.

Recentemente, em São Paulo, um evento da comunidade dos barcos de lazer aconteceu na Raia Olímpica da USP (Barcos estavam flutuando, portanto). Show né? Experiência perfeita para os visitantes interessados em barcos? 

Pois é, os organizadores resolveram fazer dentro de uma venue tradicional na próxima edição. Ah os banheiros, a energia e o ar-condicionado que ninguém presta atenção, não é?  Falei que era complexo... 

Lollapalooza acontece no Autódromo de Interlagos, mas se chover a vibe será a mesma?  Tem a moda dos casamentos na praia, mas e os parentes mais velhos vão curtir e participar tanto quanto os amigos mais jovens? Não os convidar é sempre uma opção. 

Mas qual é o propósito do encontro, do casamento, da feira de negócios, do show de música? Se você fizer parte desta comunidade de verdade, as escolhas serão fáceis e intuitivas. Mas se você for simplesmente um organizador de eventos, vai pensar só com a sua cabeça e as suas percepções e vai achar que está tudo bem. Está? Qual a sua opinião?

E para deixar bem claro: #somosgregários #eventospresenciaisforever, #colaboraçãoéanossapraia, #futurohíbridovirtual

Afinal o live marketing não é para os fracos!

 

Foto: Reprodução.

Tags: paulo-octavio-pereira-de-almeida | artigo | live-marketing | melhores-da-semana