Canal
Geral

Ouro, Prata ou Bronze. Quem julga um prêmio para promo?

Por: 0 24 de Julho de 2011

Não consigo entender alguns resultados de Premiações, ditas Promo. Algumas, porque nunca premiaram Promo mesmo e só o fazem atualmente, creio, para não esvaziarem. Outras, embora premiações de caráter 100% Promo, escolhem jurados totalmente incapacitados para julgar uma peça, projeto, ou case Promo.

No primeiro caso, não é nada estranho que Agências de Publicidade ganhem prêmios Promo. Primeiro, porque o grosso dos jurados é... Publicitário e, não tendo nenhum Promocitário no grupo de jurados, certamente os critérios, soberanos, do grupo prevalecem e a visão estético-comunicativa publicitária prevalece sobre os critérios e o trabalho de planejamento e campo no pré-evento, na resposta adequada ao briefing do cliente, na solução precisa de suas necessidades. O que se premia é a pirotecnia do resultado visível.

Pior mesmo é considerar Advertising como Marketing Promocional e premiar sem nenhum sentido, privilegiando genialidades, desconsiderando que os Promocitários, ex-below, lembram, são trabalhadores geniais da Comunicação, gerando cases fantásticos simplesmente fazendo uma tremenda Convenção, uma Campanha de Incentivo de sucesso, uma Blitz poderosa, um Flash Mob genial, mas, em todos os casos, como já disse anteriormente, potencializando a verba do cliente, produzindo resultados mensuráveis de... venda.

É por esse motivo, que muitas Premiações estão naufragando, diminuindo o número de inscritos e mesmo perdendo o seu valor para as Agências Promo. Teimosia e falta de visão custam caro.

É bom que algumas dessas premiações tomem simples iniciativas como: constituir, pelo menos, 60% do grupo de jurados com Promocitários, dividir as categorias de forma mais adequada ao vasto leque de ferramentas do mercado, premiar pelo resultado alcançado pelo trabalho, além de premiar pelo que se vê na hora (não temos peças ghost), colocar, pelo menos, um membro da AMPRO no júri, colocar, pelo menos, um profissional da mídia especializada Promo, como o Promoview, no júri e só trazer clientes para julgar se forem caras que entendam de Marketing Promocional e não façam número nos júris pelos seus nomes ou das empresas em que trabalham.

Bom, já fui jurado, e julgado, também, claro. Já vi barbaridades, tanto em prêmios de Publicidade quanto nos de Marketing Promocional, mas nenhuma tão grave quanto a que vi numa premiação Promo em que as Agências eram chamadas a ficar ao lado do palco, a cada categoria chamada, depois de qualificadas em short list, e o resultado, falado em voz alta pelo MC, pasmem, não dar sequer o bronze a nenhuma delas.  Humilhante, inexplicável, aviltante! Nenhum Promocitário merece um desrespeito desses, mesmo porque se estavam aptos em short list, estavam aptos a levar, pelo menos, uma prêmiozinho, um bronzezinho.

Por essas e outras, eis esse texto. Talvez nunca mais me chamem para um júri, talvez, chamem, sei lá. Mas em júri que eu estiver, de uma coisa vocês podem ter certeza: trabalho de Promocitário pode não levar prêmio, mas será respeitado e avaliado com o carinho que merece.

Tags: