Este canal é patrocinado por
Este canal é patrocinado por

Os desafios dos profissionais pretos no mercado de trabalho

Por: Redação.. 20 de Novembro de 2020

A população preta do país recebe menos que os brancos e é maioria nos setores da economia com baixa remuneração. 

Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), apesar de constituírem mais da metade da população, 55,8%, a representatividade no mercado de trabalho ainda é baixa.

Leia também: Está no ar a #MovimentoCompromissoNegro.

Leia também: História de superação?.

Pretos e pardos são maioria em setores com remuneração mais baixa: Agropecuária (60,8%), construção civil (63 %) e serviços domésticos (65,9%).

Uma pesquisa do Instituto Ethos divulgada em setembro de 2019, mostrou que nas 500 empresas de maior faturamento do Brasil, os negros representam cerca de 58% dos aprendizes e dos trainees, mas estão presentes em somente 6,3% nos cargos de gerência. 

No quadro executivo, a proporção é ainda menor, apenas 4,7% são negros.

As pesquisas apontam alguns fatores para que essa realidade ainda exista. Fora os pontos relacionados à economia, o principal motivo para a baixa adesão de pretos em cargos de liderança é a falta de acesso à escola desde a primeira infância, o que se agrava no ensino superior, que poucos conseguem concluir.

Um exemplo é a professora do curso de Enfermagem da São Judas, Cely Oliveira. A docente conta que escolheu a profissão para salvar vidas, mas enfrentou muitos obstáculos e preconceitos. 

Uma dessas passagens aconteceu quando ela estava na faculdade. Um dia ela comentou com um amigo que ia trabalhar em um hospital privado. E a resposta que ouviu foi: “Só se for em outra vida, porque lá não aceita preto.” 

A professora passou por essa e outras situações de racismo, mas, nãos e deixou abater. Por meio da educação, com perseverança e muita resiliência, hoje, Cely Oliveira é exemplo para muitas jovens mulheres negras e inspiração para suas alunas.

Tags: mercado-de-trabalho | inclusao | racismo