Canal
Geral

O estranho de hoje vai ser o normal de amanhã

Por: Antonia Goularte. 18 de Maio de 2020

Da noite para o dia tudo mudou. Parece que o mundo virou de ponta cabeça e todos meio que perderam o rumo. É preciso ter medo? Não. Porém, se faz necessário que essa nova realidade seja encarada e aceitar as novas mudanças que já estão acontecendo e as que ainda estão por vir.

A pandemia do Covid-19 fez com que todas as pessoas começassem a repensar o seu dia a dia, a traçar novas metas de sobrevivência, e, principalmente, a usar a criatividade para situações que, até pouco atrás nos passavam despercebidas.

Leia também: Principais nomes das agências especializadas comentam a crise do setor.

Leia também: São Paulo priorizará turismo e eventos em reabertura.

A impressão que se tinha antes do Coronavírus era que tudo era normal. Mas, agora, precisamos nos adaptar ao ‘novo normal’.

Distanciamento social e uso de máscaras de proteção agora são Lei.

Um dos setores que passou a adotar o ‘novo normal’, foi o da aviação. O setor de turismo sofreu um grande impacto. No entanto, soluções já começam a ser encontradas para enfrentar a crise.

A partir de agora, nada de despedidas no aeroporto. Você mesmo faz seu check-in e despacha as malas. Na porta do avião, recebe a refeição para o voo dentro de um saco que servirá para guardar o lixo até a aterrissagem. Bagagens de mão serão ainda mais limitadas.

Para ir ao banheiro, será preciso pedir autorização dos comissários. Mantida vazia, uma área da cabine servirá como “chiqueirinho” se alguém apresentar sintomas de Covid-19. Na chegada, nada de abraços também.

Essas são algumas das mudanças já decididas por companhias aéreas europeias ou em discussão entre empresas e governos para evitar o contágio pelo Coronavírus enquanto uma vacina não for descoberta e amplamente disseminada.

Será preciso preencher questionários de saúde e dar informações de localização (para facilitar o rastreamento no caso de identificação de algum doente no voo) na compra da passagem ou no check-in on-line, dependendo da antecedência com que for feita a reserva.

A orientação é que apenas passageiros entrem nos terminais dos aeroportos, que já começaram a medir a temperatura nas portas. Obviamente, o uso de máscara será obrigatório o tempo todo.

O número de restrições e o medo de contágio devem fazer com que voos mais longos demorem mais a retomar, dizem representantes das companhias.

Dados da aviação na China, onde a epidemia começou antes e foi controlada mais cedo, mostram uma recuperação dos voos domésticos, mas ainda menos da metade da média pré-confinamento: eram 75 mil por mês, e agora são cerca de 30 mil.

A empresa de baixo custo Ryanair, uma das que anunciaram o fim da fila de espera pelos toaletes, se prepara para reiniciar 40% dos voos em julho, subindo para até 70% em setembro.

A preocupação envolve toda a sociedade em busca de soluções. Uma empresa italiana de design apresentou uma nova ideia que pode mudar a cara das viagens na classe econômica: divisórias de vidro entre os assentos.

A tela higiênica cria uma barreira em torno dos passageiros e os mantêm separados dos vizinhos. Caso a viabilidade diminuísse o contágio, o mercado de feiras e eventos seria um dos beneficiados e por consequência a vida econômica das empresas.

Ano a ano o setor cresce em números, proporções e graus de sofisticação, tornando a organização uma tarefa trabalhosa, especializada e de grande responsabilidade.

Com a pandemia do novo Coronavírus o setor sofreu um baque nunca antes imaginável. Grande parte das feiras de negócios foi cancelada e outra teve a sua data de realização adiada.

Dentro do ‘novo normal’, novas medidas já foram adotadas para a retomada do setor de forma gradativa, e, o mais importante, segura para a vida de todos os envolvidos nesse mercado.

A Coreia do Sul realizou sua primeira feira de negócios na Era Covid-19. Entre as medidas adotadas pelos organizadores para garantir a segurança dos visitantes e expositores estavam:

– Câmeras térmicas na entrada do pavilhão.
– Esterilizadores de mão nas áreas do pavilhão, salas de convenções e hall de entrada.
– Desinfecção especial, duas vezes ao dia, em todas as entradas, puxadores e banheiros.
– Ar-condicionado reforçado dentro do pavilhão (com gerenciamento de qualidade total e taxa de entrada de ar externo em 100%).
– Guia de higiene.
– Totens de medição de temperatura corporal.

Todos os setores da economia foram afetados com a pandemia do novo Coronavírus.

Aos poucos, mesmo que ainda não tenha sido encontrada uma vacina contra o Covid-19, com um número de mortes alto em todo o mundo, não podemos perder a esperança de que aos poucos tudo vai voltar ao ‘normal’.

Medidas de precaução são necessárias. O uso de máscaras de proteção e o distanciamento social são o que de mais simples e importante podemos fazer nesse momento.

Se cada um fizer a sua parte, o ‘novo normal’ não vai ser tão assustador como se mostra no momento.

Confira aqui mais algumas situações que hoje são estranhas, mas certamente, em breve, será o nosso ‘novo normal’.

 

Tags: artigo | eventos | Coronavírus | Covid-19 | live marketing | feira de negócios | mercado de eventos | ponto de venda | máscaras de proteção | setor de turismo | novo normal | eventos esportivos