Geral

Geral

Este canal é patrocinado por
Este canal é patrocinado por

Número de mulheres em cargos de liderança de marketing dispara

Por: Redação.. 7 de Novembro de 2020

Tem havido um aumento súbito de mulheres ocupando cargos de liderança em empresas de publicidade, mídia e tecnologia, de acordo com o terceiro estudo comparativo anual ‘#Inclusive100’ da She Runs It and Diversity Best Practices.

No entanto, a história das pessoas de cor é muito diferente.

Leia também: Inclusão e diversidade no mercado de trabalho.

Leia também: A importância da comunicação interna para a diversidade e inclusão.

Mulheres que assumem a liderança reinam em empresas de publicidade, mídia e tecnologia (AMT)e estão em ascensão. Mas, ‘Black’ e ‘Latinx’ ainda estão muito sub-representados.

Estas são as principais conclusões do terceiro estudo comparativo anual #Inclusive100 da She Runs It and Diversity Best Practices.

As mulheres agora ocupam 45,4% de todos os cargos executivos, em comparação com apenas 29% no ano passado. Enquanto o número de negros na indústria de AMT cresceu 13,1% e os funcionários da Latinx aumentaram 11%, isso ainda traz a indústria para 4,6% e 6,6% de representação, respectivamente, no geral.

“Nos últimos meses, todo mundo quis ver ação. Será interessante ver, no próximo ciclo, como esses números irão mudar.”, disse Carol Watson, diretora de inclusão, BCW global e cofundadora da #Inclusive100. “Construir massa crítica sobre isso é realmente a maneira ideal de manter o pé no acelerador.”

A meta do índice é ter 100 empresas participando até 2021. Nos últimos dois meses, P&G, GM e IBM se juntaram. Atualmente, são 46 parceiros, um aumento de 48% em relação ao ano passado. Outros parceiros incluem Adobe, Edelman, Publicis e outros.

Os departamentos de DEI aumentaram a equipe, outras áreas ainda estão muito atrás.

Embora muitas áreas estejam faltando, o crescimento dos escritórios de diversidade, igualdade e inclusão é um ponto positivo. Noventa e dois por cento das empresas #Inclusive100 aumentaram o tamanho de seus escritórios de DEI, um aumento de 67%.

Apesar do crescimento desses departamentos, o avanço ainda parece ser limitado para diversos funcionários em empresas de publicidade, mídia e tecnologia.

De acordo com o estudo, 17% dos funcionários foram promovidos no ano passado, 75% eram brancos e apenas 4% eram negros e 6,4% eram Latinx.

Um dos principais fatores: As empresas de publicidade, mídia e tecnologia não estão responsabilizando seus gerentes, de acordo com as descobertas.

Embora as empresas AMT tenham feito um trabalho melhor ao definir as metas de DEI, 54,2% estão fazendo isso, mas 0% está vinculando as medidas de desempenho do gerente e a remuneração a essas metas.

Vincular medidas de desempenho e remuneração “É algo que pode ser feito de forma gratuita, escalonável e de alto impacto.”, diz Lynn Branigan, presidente e CEO da She Runs It e cofundadora do #Inclusive100.

CEOs de agências, mídia e tecnologia deixam de expressar apoio, continuamente

Dar voz ao suporte para maior diversidade e inclusão começa no topo, mas muito menos CEOs na área de publicidade, mídia e tecnologia o fazem.

Quase 82% das empresas de práticas recomendadas de diversidade (DBP) têm CEOs que expressam apoio regularmente, em comparação com apenas 12,5% nas empresas AMT.

“Os CEOs em nosso setor não estão fazendo essas declarações públicas de apoio à diversidade quase tanto quanto as empresas de índice.”, diz Branigan.

“Também descobrimos que o CMO é extremamente importante em nosso setor. O CEO influencia a cultura, mas o CMO pode influenciar as opções do fornecedor. Temos tentado influenciar os CMOs a participarem do #Inclusive100, para que possam dizer aos seus fornecedores de marketing, mídia e tecnologia de publicidade que isso é importante.”

Outra área de liderança que precisa ser melhorada é garantir que os programas de mentoria sejam diversos. As empresas AMT oferecem programas formais de mentoria, mas apenas 12,5% delas monitoram o gênero, a etnia e a raça dos participantes.

Watson aponta que o #Inclusive100 “Não é para envergonhar, mas é mais uma análise de ressonância magnética. Se você fizer essa avaliação e investir nela, saberá com certeza quais são suas áreas problemáticas. Então, você pode decidir, como organização, onde deseja investir recursos para fazer mudanças mensuráveis.”

Tags: diversidade | melhores-da-semana | inclusão | mulheres na liderança