Canal
Geral

Abaixo o "below"

Por: 0 1 de Dezembro de 2013

Por Ricardo Franken Estou no mundo da promoção, ou do live marketing, como preferirem, há 18 anos. Portanto, já posso me considerar “de maior” profissionalmente falando, o que me permite fazer algumas reflexões. Nesses anos, muita coisa mudou, mas muita coisa continuou exatamente igual. Tive bem mais experiências positivas do que negativas – mesmo porque, se fosse o contrário, provavelmente não estaria aqui escrevendo sobre tudo isso. Mas, duas coisas, especificamente, sempre me incomodaram: o termo below, de below the line, e a reclamação recorrente das agências sobre a forma como são tratadas por boa parte dos clientes.

Nós, publicitários e empresários do mercado de criação e execução de ações promo, muitas vezes nos colocamos em uma posição below. E é por isso que continuamos enxergando as coisas da mesma forma e reclamando dos mesmos velhos problemas que, muitas vezes, não existem mais, mas são usados como desculpas para não evoluirmos. Se pararmos de olhar de forma below e passarmos a ter uma visão beyond, veremos que a realidade é bem diferente daquela repetida por muitos de nós há anos. E, se queremos quebrar este ciclo, precisamos ver além dessa velha história. Se queremos profissionais de alto nível, se queremos atrair os talentos recém-saídos das universidades e se queremos projetos e realizações realmente vencedores, precisamos acreditar nisso tudo. Hoje, grande parte dos clientes da agência, e, seguramente, do mercado como um todo, acreditam nisso que chamam de BTL e o tem como uma ferramenta imprescindível no seu mix de marketing. Os projetos multidisciplinares, ou 360º, como muitos preferem chamá-los, são cada vez mais necessários. Os resultados das ações promocionais são a cada ano fiscal mais cobrados, o envolvimento do alto escalão das empresas com as agências de promoção é cada vez maior, e tudo isso é muito positivo. É claro que toda essa visibilidade traz também uma série de desafios. Precisamos propor ações que deem resultados, precisamos nos comprometer com estes resultados e nos cobrar na busca deles. Cada real investido precisa ser justificado. Isso traz dificuldades, com certeza, mas para aqueles que sabem trabalhar de forma estratégica e integrada ao objetivo do cliente, a consequência é, na grande maioria das vezes, o início de um ciclo virtuoso e parcerias de longo prazo. Nunca podemos esquecer que o nosso objetivo é, invariavelmente, entregar o objetivo do cliente. A criatividade e a inovação são ferramentas importantes, mas não são as únicas. Precisamos de planejamento, conhecimento do mercado e background. Mas, esses fatores só são possíveis com uma relação saudável e bilateral entre agência e cliente. Tudo passa por um trabalho a quatro mãos. É isso que muitas empresas já enxergaram, outras ainda enxergarão, e, algumas, infelizmente, ficarão para trás. Essa é a realidade, não só deste mercado como de muitos outros. Portanto, se queremos ir além, precisamos olhar e enxergar além. Além dos velhos problemas, das antigas reclamações e preconceitos. O mercado evolui e continuará evoluindo. Vamos deixar de nos ver e nos posicionar como below the line, pois o dia a dia e os resultados serão sempre melhores para que já pensa beyond the line.

 

Tags: