Canal
Geral

Jockey Club de São Paulo: a volta aos Anos Dourados

Por: 0 24 de Maio de 2013

Em evento realizado em 17/05, na sede da instituição, Eduardo da Rocha Azevedo, presidente do Jockey Club de São Paulo, anunciou acordo com os grupos Bandeirantes, Codere e Churchill Downs, relativo a investimentos de R$ 19,5 milhões, a serem feitos, em até oito meses, em obras de modernização e revitalização daquele que é um dos mais importantes palcos do turfe mundial. O acordo iniciará um círculo virtuoso que recolocará o esporte de volta ao seu patamar de destaque. “Claro que é preciso boa vontade das autoridades também. Elas também são responsáveis pelo Jockey Club ter chegado ao ponto que chegou. Somos o único clube de São Paulo que paga IPTU pela totalidade do terreno. Agora, em parceria com empresas que são internacionalmente importantes, caminhamos para uma nova e fantástica era na história desse esporte no Brasil”, afirmou Azevedo.

Da união entre os grupos, nascerá a nova TV Jockey, que terá qualidade de imagens em HD e programação totalmente renovada. A TV passará a fazer parte do Grupo Bandeirantes, que investirá R$ 9,5 milhões em sua reestruturação, sendo R$ 5 milhões somente na aquisição e importação de equipamentos de alta definição. Além disso, haverá um esforço de cobertura para o turfe, por intermédio de todos os veículos do Grupo Bandeirantes. De acordo com Paulo Saad, vice-presidente do Grupo Bandeirantes, “O turfe ocupará lugar de destaque em toda a programação esportiva e jornalística de rádio e TV do Grupo, tanto da TV aberta quanto nos canais fechados. Hoje, nosso foco básico é na recuperação da iluminação da pista, pois sem ela de nada adiantará ter o estado da arte em equipamentos."

"As primeiras transmissões, enquanto o processo de modernização estiver caminhando, serão feitas ainda nas condições atuais, mas acredito que em até 90 dias já teremos condições de utilizar os sistemas novos”, afirmou o dirigente da Bandeirantes. Equipamentos Turfísticos O Grupo Codere investirá cerca de dez milhões de reais em equipamentos turfísticos, proporcionando que o Hipódromo Paulistano seja equiparado ao que há de mais moderno. O investimento prevê tote board digital, novos photo chart, partidores, cercas com tecnologia de segurança de ponta e sistemas de iluminação das pistas e totalizador de apostas. Serão utilizados os mais modernos softwares de gerenciamento e terminais, não só na Cidade Jardim, como também em toda a rede de agências captadoras (OTB). A parceria inaugurará no Brasil o chamado Simulcasting Internacional Pari-Mutual. Com isso, as corridas disputadas no Hipódromo Paulistano poderão ser assistidas em diversas partes do mundo, com captação e distribuição de apostas, inclusive on-line, pela internet e telefone, trazendo para a pedra do clube o valor das pules vendidas mundo afora. Para André Pereira Cardoso Gelfi, presidente da Codere do Brasil, em um primeiro momento será preciso alinhar os mecanismos de apostas para o modelo internacional. “Para que as apostas realizadas nos cavalos do Jockey Club de São Paulo sejam viabilizadas em simulcasting internacional, temos de adotar os padrões internacionais, como os que são praticados nos Estados Unidos, por exemplo”, declara Gelfi.

Essa operação deve expandir o movimento geral de apostas dos atuais 100 milhões/ano para patamares crescentes. E devem somar-se ao MGA cerca de outros 80 milhões/ano, frutos do Simulcasting Internacional. Assim, os páreos na Cidade Jardim ficarão muito mais atrativos. O renascimento do turfe está ao alcance dos nossos olhos. As Partes do Acordo O Jockey Club de São Paulo, que completou 138 anos em 2013, organiza o calendário oficial de corridas da raça Puro Sangue Inglês e é artificie do fomento da criação do cavalo nacional. É uma das instituições mais tradicionais do País, tendo em seu quadro de associados algumas das figuras mais emblemáticas do empresariado nacional. Em sua atual administração, buscou aglutinar as forças necessárias para empreender uma completa revolução em sua estrutura de corridas e comunicação.

Tags: