Este canal é patrocinado por
Este canal é patrocinado por

Geração Z é a mais radical com o setor alimentício

Por: Redação.. 22 de Agosto de 2021

De acordo com um estudo do EIT Food, jovens entre 18 e 24 anos recorrem às redes sociais, como TikTok e Instagram, para obter conselhos sobre alimentação saudável para compensar a falta de informação de escolas, indústrias e legisladores.

Pesquisa encomendada pelo EIT Food, iniciativa de inovação alimentar, e apoiada pelo Instituto Europeu de Inovação e Tecnologia (EIT), entrevistou mais de 2.000 jovens de 18 a 24 anos no Reino Unido, França, Alemanha, Polônia e Espanha.

Os resultados mostram que se trata de uma geração muito interessada, informada e empreendedora no que diz respeito aos seus hábitos alimentares e, sobretudo, à sua relação com o bem-estar e a saúde mental.

Mais da metade dos jovens entre 18 e 24 anos (52%) fazem algum tipo de monitoramento de sua dieta, embora esse número difira acentuadamente entre os países, atingindo 65% dos jovens na Alemanha, contra apenas 38% na França.

Isso sugere que a  Geração Z está interessada e altamente comprometida com seus hábitos alimentares.

A maior parte desse monitoramento (36% dos jovens) concentra-se na contagem de calorias, mas um quarto dos jovens (24%) também rastreia os macronutrientes (ou "macros") nos alimentos que comem.

Esses conhecedores da  Geração Z preferem alimentos integrais, orgânicos e vegetais como algumas de suas opções mais saudáveis, com 79% achando que os alimentos processados ??não são saudáveis.

Os jovens e a alimentação: A pandemia e as redes sociais ativam seu interesse pela saúde 

A atenção à saúde em meio à pandemia do Covid-19 aumentou a consciência sobre a importância desse aspecto para os jovens, com mais da metade (58%) afirmando que a pandemia os tornou mais conscientes da  importância de comer saudável.

Enquanto isso, dois terços (67%) afirmam que alimentos saudáveis estão na moda agora. A falta de conselhos leva os  jovens a recorrer às redes sociais, como o TikTok e o Instagram, para conselhos sobre alimentação saudável.

Apesar desse grande interesse e compromisso com a alimentação saudável, os jovens sentem que não estão recebendo o apoio que precisam das escolas, da indústria e dos legisladores para fazê-lo.

Três quartos (75%) afirmam que precisam de  conselhos mais claros sobre como fazer uma dieta saudável e balanceada, e dois terços (65%) afirmam que não receberam educação suficiente sobre como se alimentar de forma saudável enquanto frequentavam a escola.

Muitos dos entrevistados consideram fundamental ter uma fonte de informação confiável, pois pouco menos de dois terços (61%) afirmam que é difícil para eles saberem se alimentar de forma saudável, visto que há muitos conselhos contraditórios.

Eles buscam informações mais claras sobre os ingredientes e preparação

Os jovens procuram informações mais detalhadas sobre as marcas, principalmente no que diz respeito ao processamento de alimentos.

Quase oito em cada dez jovens (78%) desejam que os rótulos dos alimentos tenham informações mais claras sobre a forma como os alimentos são processados, e não apenas sobre os ingredientes, enquanto três quartos (75%) pensam que as marcas de alimentos precisam ser mais transparentes para os consumidores sobre seus ingredientes e processos.

Os jovens estão assumindo as rédeas e tentando preencher essa lacuna de aconselhamento por conta própria, já que dois terços (67%) dizem que veem regularmente conteúdo nas redes sociais (como TikTok ou Instagram) sobre alimentos saudáveis e ideias para receitas saudáveis.

Mais da metade (52%), por sua vez, afirma confiar nas redes sociais ou em seus amigos para obter conselhos sobre como se alimentar de forma saudável.

A Geração Z quer conselhos que não prejudiquem sua saúde mental

Como parte desse aconselhamento, os jovens desejam uma narrativa de alimentação saudável que não corra o risco de ser prejudicial à sua saúde mental, por exemplo, ao se concentrar demais em calorias.

Na verdade, pouco mais da metade dos jovens pesquisados (55%) acreditam que incluir o número de calorias nos rótulos dos alimentos e nos menus  pode ser prejudicial à saúde mental das pessoas, um número que sobe para seis em cada dez no Reino Unido (62 %), França (60%) e Alemanha (61%).

Além disso, os jovens não consideram os alimentos de baixa caloria automaticamente saudáveis: Apenas 54% consideram, enquanto um terço (34%) os considera não saudáveis.

Em contraste, quase oito em cada dez (77%) dizem que os jovens precisam de melhores conselhos sobre a relação entre o que comem e sua saúde mental, um número que sobe para 82% das mulheres jovens.

Acesso a produtos com preços acessíveis

Quando se trata de incentivar os jovens a comer alimentos saudáveis, os alimentos com desconto ou subsidiados estão em primeiro lugar entre os entrevistados (43%), o que não é surpreendente, considerando que dois terços (67%) pensam que os alimentos saudáveis são mais caros do que aqueles que não são.

Para um terço dos entrevistados (37%) também é essencial ter acesso a opções mais saudáveis, seja para alimentação em casa (como por meio do Uber Eats ou Deliveroo) ou na escola, instituto e universidade.

Isso se deve à falta de opções na área de alimentação, uma vez que sete em cada dez jovens (73%) apresentam dificuldades para se alimentar de forma saudável durante as viagens, no trabalho ou no estudo.

A Geração Z procura empreender no setor de inovação alimentar

Quando se trata de considerar as profissões do setor alimentício, o interesse pela alimentação saudável está levando muitos jovens a buscarem trabalho na área de educação alimentar, inovação e igualdade, ao invés de optar por caminhos mais tradicionais como a hospitalidade ou a agricultura.

Dois terços dos jovens consideraram aceitar um emprego na área de educação alimentar (66%) ou inovação alimentar (64%), a mais alta de todas as funções no setor de alimentos.

Por sua vez, um pouco menos de dois terços (61%) estariam interessados em desempenhar um papel que melhore o acesso igualitário aos alimentos.

"Our Food, Our Food System"

O EIT Food  lança uma nova campanha, “A Nossa Alimentação, O Nosso Sistema Alimentar”, para ajudar os jovens a darem a sua opinião sobre o futuro da alimentação.

A campanha vai recrutar 10 jovens "FutureFoodMakers" para liderar um apelo por uma mudança radical no setor de alimentos, abordando o acesso a alimentos saudáveis, sustentáveis e acessíveis.

É lançado em um ano histórico, no qual será realizada a primeira cúpula das Nações Unidas dedicada aos sistemas alimentares.

O  Dr. Andy Zynga, CEO da EIT Food , queria se concentrar no papel da juventude. “Eles são essenciais para a transformação em sistemas alimentares saudáveis e sustentáveis. No entanto, nossa pesquisa mostra claramente que eles estão decepcionados. Em toda a Europa, os jovens de 18 a 24 anos consideram os alimentos saudáveis mais caros, mais difíceis de encontrar em qualquer lugar e carecem das informações e conselhos de que precisam para tomar decisões nutricionais informadas."

"A voz e as demandas desta geração de jovens dinâmicos precisam ser ouvidas por toda a indústria de alimentos, e eles precisam estar envolvidos e capacitados para moldar o futuro. É por isso que lançamos a campanha “Nossos Alimentos, Nosso Sistema Alimentar” para dar aos nossos jovens a voz que eles merecem e ajudar todos no sistema alimentar a entender suas necessidades.”, finaliza o Dr. Andy.

 

Foto: Reprodução.

Tags: varejo geraao-z alimentaao