Este canal é patrocinado por
Este canal é patrocinado por

Expo Dubai 2020 revela mortes de trabalhadores por Covid-19

Por: Redação com informações da AP.. 8 de Outubro de 2021

A Expo Dubai 2020 reconheceu pela primeira vez no dia 3 de outubro, que três trabalhadores morreram de Coronavírus durante a construção da feira mundial durante a pandemia, enquanto o prestigioso evento atrai o escrutínio das condições de trabalho nos Emirados Árabes Unidos.

Quando questionado em uma coletiva de imprensa sobre as mortes entre a vasta força de trabalho estrangeira da Expo, o porta-voz Sconaid McGeachin disse que três trabalhadores morreram do vírus, além de três de incidentes de construção, sem especificar quando. Ela se recusou a descrever a extensão do surto de Coronavírus entre os trabalhadores no local.

Veja todas as notícias sobre a Expo Dubai aqui. 

McGeachin novamente alegou que as informações sobre as vítimas de trabalhadores estavam disponíveis anteriormente, sem dar mais detalhes. 

No entanto, as autoridades que antecederam a feira de US$ 7 bilhões não forneceram nenhuma estatística geral sobre mortes de trabalhadores, lesões ou infecções por Coronavírus, apesar dos repetidos pedidos da Associated Press e de outros jornalistas.

A declaração veio um dia depois que a Expo ofereceu relatórios conflitantes sobre quantos trabalhadores morreram em incidentes industriais no local, antes de se decidir por três.

Os Emirados Árabes Unidos há muito enfrentam críticas de ativistas de direitos humanos por causa do tratamento inadequado dispensado às legiões de trabalhadores migrantes mal pagos da África, Ásia e Oriente Médio que impulsionam a economia do país.

Dubai apostou bilhões em sua elaborada Expo Mundial, na esperança de torná-la uma grande atração turística e um símbolo do fascínio do país.

Mas surgiram problemas. O Parlamento Europeu pediu no mês passado às nações que não participassem da Expo, citando as "Práticas desumanas dos Emirados Árabes Unidos contra trabalhadores estrangeiros." que, segundo ele, pioraram durante a pandemia.

Para homenagear os milhares de trabalhadores que trabalharam para construir o recinto de feiras do zero, a Expo apresenta um monumento do trabalhador, situado entre um palco de performance e uma popular rede de bares de Dubai.

Dezenas de colunas de pedra sombria projetam-se do chão, envoltas por uma lista de chamadas incisas com nomes de trabalhadores da Expo. A instalação permanece praticamente sem marcas, exceto por uma pequena placa que diz: “Expo 2020 Dubai dedica este monumento a todos os nossos irmãos e irmãs que construíram o local.”

No dia 3 de outubro, trabalhadores da manutenção em coletes laranja brilhante se ajoelharam ao lado das pedras, apertando os olhos e procurando por nomes.

Quando questionados sobre o que achavam do monumento, os trabalhadores disseram que haviam sido repetidamente instruídos pelas autoridades da Expo para direcionar todos os repórteres que lhes fizessem perguntas ao centro de mídia oficial do evento.

A extravagância global também renovou as críticas de grupos de direitos humanos às restrições dos Emirados Árabes Unidos à liberdade de expressão.

Em uma entrevista coletiva no dia 2/10, o ministro das Relações Exteriores da França, Jean-Yves Le Drian, respondeu a uma pergunta sobre as preocupações do Parlamento Europeu com os abusos trabalhistas nos Emirados Árabes Unidos, dizendo que a França não se juntaria ao apelo do Parlamento para um boicote à Expo, e, em vez disso, levantaria quaisquer questões potenciais com os Emirados.

Enquanto isso, o presidente de Uganda, Yoweri Museveni, veio fazer um tour pelo pavilhão de seu país na Expo. Ele chamou o esforço dos Emirados de construir a vila Expo de "Um desafio para os africanos", já que os Emirados Árabes Unidos "Transformaram um deserto em um centro de riqueza."

Fotos: Jon Gambrell/AP Photo).

 

Tags: Expo-Dubai | Covid-19 | direitos-humanos