Canal
Geral

Busto do prático Nelcy Campos volta ao Porto do Recife

Por: 0 1 de Junho de 2015

O busto do prático da barra Nelcy da Silva Campos, que rebocou um navio petroleiro em chamas, evitando uma explosão gigantesca, voltou ao Porto do Recife no dia 29 de maio. A cerimônia de reinauguração da obra, que foi colocada em frente ao Terminal Marítimo de Passageiros, contou com a presença de diversas autoridades, amigos e familiares e foi marcada pela emoção. O busto, que havia sido retirado do local por causa das obras de modernização do porto, foi produzido em 2003, como parte de uma homenagem a Nelcy Campos feita pelo 3º Distrito Naval da Marinha.

Foto: Bianca Bion.
[caption id="attachment_467254" align="aligncenter" width="562"]Estátua criada por Demétrio Albuquerque foi recuperada antes de voltar a ser exposta. Estátua criada por Demétrio Albuquerque foi recuperada antes de voltar a ser exposta.[/caption] A escultura, do artista Demétrio Albuquerque, tem 80 centímetros, pesa quase 25 quilos e foi esculpida em resina e pó de mármore. Entre os participantes da solenidade estavam o governador e o prefeito do Recife na época em que Nelcy Campos realizou o ato heroico, Roberto Magalhães e Joaquim Francisco, respectivamente, representantes da Marinha e de outras instituições, além de familiares e amigos. "Nelcy Campos era experiente e corajoso e evitou que parte da cidade fosse destruída. Poucas pessoas teriam essa coragem. Por isso, nos emocionamos com essa cerimônia.", disse Joaquim Francisco. Em seu discurso, o comandante do Porto do Recife, Luiz Cláudio Lázaro Dias, destacou que a homenagem tinha como objetivo manter viva a história do pernambucano Nelcy Campos. inauguração busto Nelcy"Recife recebe o busto de um filho ilustre.", enfatizou. Falando em nome da família, Nelcy Campos Filho lembrou a história do pai e acrescentou que "Enquanto existir esse busto a força do pernambucano estará presente." NELCY-CAMPOS-BUSTO História Há 30 anos, no dia 12 de maio de 1985, Nelcy da Silva Campos rebocou para longe da costa um navio petroleiro que, depois um grave incêndio, ameaçava explodir mais de 150 mil metros cúbicos de produtos inflamáveis, armazenados no Parque de Tancagem do Brum. A situação de risco começou por volta da 1h30 da madrugada de um domingo, quando um dos três tanques do navio explodiu, deixando a embarcação em chamas. Atracado no Porto do Recife, o petroleiro carregava 1.500 toneladas de gás butano, conhecido como gás de cozinha. O pior é que o incêndio e as explosões em série poderiam atingir o Parque de Tancagem do Brum, que estava a 500 metros do petroleiro e armazenava mais de cento e cinquenta mil metros cúbicos de produtos inflamáveis.
Foto: Arquivo/DP/D.A.Press.
[caption id="attachment_467256" align="aligncenter" width="562"]Explosão do Jatobá poderia ter deixado a cidade sem oxigênio em um raio de 5 km. Explosão do Jatobá poderia ter deixado a cidade sem oxigênio em um raio de 5 km.[/caption] De acordo com os técnicos, uma explosão no local destruiria tudo num raio de cinco quilômetros, atingindo os bairros de Santo Antônio, Recife Antigo, Boa Vista, Brasília Teimosa e Pina. Todo o efetivo do Corpo de Bombeiros do Recife foi mobilizado para combater o incêndio, mas os homens não conseguiram debelar as chamas, que chegavam a 20 metros de altura. A situação era tão grave que o então governador de Pernambuco, Roberto Magalhães, foi acordado às presas e teve que deixar o Palácio do Campo das Princesas, onde morava, localizado no Bairro da Boa Vista. "Foi Nelcy Campos quem se dispôs a levar o navio em chamas para o alto mar, livrando o Recife de uma tragédia. Com essa atitude corajosa, Nelcy Campos se tornou um homem credor da admiração do povo pernambucano pelo seu gesto heroico. Eu, inclusive, o agraciei com uma medalha pelo reconhecimento do feito.", lembra o ex governador. Foi nessa situação que o prático da barra Nelcy da Silva Campos, então com 54 anos de idade, foi chamado às pressas em sua casa pelas autoridades responsáveis pela Capitania dos Portos. Ele chegou ao porto por volta das duas horas da manhã, e, com a ajuda de alguns auxiliares, começou um perigoso trabalho. Distribuindo as ordens, chegou a serrar dois dos nove cabos do navio petroleiro, que estava ancorado no Armazém A-1. Um desses cabos, que foi amarrado a outro de 200 metros, serviu para prender o petroleiro no reboque Saveiro. Para que a saída do Jatobá fosse possível também foi preciso movimentar os navios que estavam na frente e atrás dele. Só depois desse difícil trabalho, a embarcação em chamas pode ser rebocada para alto mar, onde não representava mais perigo para os recifenses. O petroleiro foi deixado à deriva a aproximadamente cinco quilômetros da costa. Ao voltar ao porto, já na manhã da segunda-feira, dia 13 de maio, Nelcy Campos foi recepcionado pelo governador Roberto Magalhães, pelos amigos e pela família, que esperava ansiosa. Ao chegar, ele declarou: "Nunca me vi em situação tão difícil e perigosa, mas pensei logo na população. Mesmo sabendo que poderia morrer, parti para a operação." Para o filho do prático que virou herói, Nelcy Campos Filho, a iniciativa do Poder Público em homenagear Nelcy Campos é uma atitude importante para a nova geração, que não conhece o ato heroico do prático da barra. "A Marinha do Brasil e o Governo do Estado dão exemplo de patriotismo, que enaltece nosso espírito de povo guerreiro.", acrescenta Nelcy Filho. Nelcy da Silva Campos nasceu no Recife no dia 21 de janeiro de 1931. Trabalhou durante 25 anos como prático, ofício que aprendeu com o pai. Morreu no dia 27 de setembro de 1990, de causas naturais.  

Tags: