Canal
Geral

As marcas são pessoas

Por: 0 23 de Julho de 2015

As marcas trabalham para ganhar a confiança dos shoppers, e conforme elas integram cada vez mais responsabilidades ambientais e sociais em suas operações, os consumidores respondem a esses esforços. Vários estudos mostram que confiar em uma marca faz a diferença na decisão de compra. Mas o que realmente significa ser uma marca “boa", cheia de qualidades positivas para os consumidores, é algo que vai além da decisão de compra: marcas-registradas-de-empresas-multinacionais 1) As marcas são julgadas como se fossem pessoas. Os consumidores aplicam características humanas às marcas: integridade; honestidade; confiabilidade. 2) Uma marca “boa” pode motivar a lealdade dos consumidores, que voltam à comprar ou adquirir serviços de marcas com programas comunitários e de sustentabilidade alinhados com seus próprios valores. 3) Clareza e transparência são fatores chave. Os consumidores querem entender sem muito esforço os compromissos assumidos pelas marcas, e depende delas esclarecer com facilidades quais são esses compromissos. 4) A liderança é importante. Mesmo que essa cultura ainda não seja muito desenvolvida no Brasil, e o consumidor não tenha ideia de quem seja o presidente dessa ou daquela empresa, o fato de muita gente por aqui saber, e se importar, sobre Steve Jobs, por exemplo, mostra como um líder consistente pode fazer a diferença. 5) O tratamento dado aos funcionários é uma prova de fogo. As filosofias propagadas pelas empresas são sempre mais confiáveis quando os seus próprios funcionários demonstram esses mesmos ideais. Quem não se lembra dos funcionários da Odebrecht apoiando a empresa quando da prisão do seu presidente? Essa ideia toda, de como os consumidores cada vez mais veem as marcas como pessoas, dá vários indicativos de qual seria a melhor maneira de definir uma estratégia de marketing. Não é fácil ser uma marca “boa”; mas as que conseguem com certeza tem uma vantagem. As agências de marketing promocional estão na linha de frente junto com os shoppers. E suas ideias sobre como traduzir planejamento em ação são vitais para incutir todos os esforços de cada marca na mente, e também no coração, de cada consumidor. E estes cinco pontos devem ser lembrados e servirem de base na hora de criar uma (boa) personalidade para as marcas. TATYANE LUNCAH

Tags: