Canal
Geral

A orgia dos 1.000 dias mais caros que o Brasil já viveu

Por: 0 2 de Julho de 2011

Faltam mil dias para as obras da Copa 14 ficarem prontas de acordo com os cronogramas da Fifa, sem considerar a Copa das Confederações. Serão os 1.000 dias mais caros que o Brasil já presenciou durante todos os tempos. E olha que muitos absurdos já ocorreram nesse País. Mais caro para a Nação e todos os cidadãos pagadores de impostos.

[caption id="attachment_124236" align="aligncenter" width="580" caption="Obras do estádio de Itaquera caminham a passos lentos (Foto: Roney Domingos/G1)."][/caption] Tudo o que não foi feito durante pelo menos oito anos, com planejamento, honestidade de propósitos, disputas políticas irresponsáveis, e outros interesses menos confessáveis, terá que ser feito mal e porcamente por preços aviltantes e revoltantes para nós cidadãos. Tudo o que as grandes construtoras ajudaram a empurrar para a última hora, os nossos governantes assistiram acuados e desatinados. Infelizmente, como o previsto, não deu tempo. Aliás, trabalharam brilhantemente para não dar tempo. Atividades urgentes custam muito mais caro. Custam preços extorsivos. Desde a compra de materiais e serviços até as jornadas de trabalho diuturnas. Ou dá ou desce. Anos atrás, coincidentemente quando faltavam exatamente 2.014 dias para a Copa no Brasil, fiz uma palestra em importante evento realizado no Anhembi, dividindo a mesa com o então secretário de esportes do Estado de São Paulo e o presidente da SPTuris, onde manifestei a preocupação com o atraso do Brasil em relação aos preparativos para a realização da Copa de 14. Desde essa época, venho acompanhando, atonitamente, as idas e vindas das autoridades, dos fornecedores, dos aproveitadores e, consequentemente, das cidades e Estados sedes. Todas as culpas e ineficiências são jogadas em cima das "exigências da Fifa", que nesse episódio é a única das partes a ter tudo claro e explícito, desde a negociação para realização do magno evento no Brasil. É como assistir a um teatro do absurdo. Se o governo sentiu que estava sendo pressionado (para não usar termo mais agressivo) pelo mercado, por que não abriu concorrência internacional provocando disputa séria e honesta no mercado. Ao contrário, deixou chegar a tal situação, que precisou criar a famigerada RDC aos 48 minutos do segundo tempo. Se este espaço permitisse, poderíamos nos deter sobre inúmeros outros exemplos. Um recente exemplo que está para ser atentado sobre os cidadãos paulistanos: o benefício fiscal (dinheiro dos cidadãos dados como fundo perdido) de R$ 420.000.000,00 para preparação de um estádio particular sediar a abertura da Copa. Diz claramente o presidente do Corinthians que esse valor é para adaptar o Estádio de Itaquera para a abertura da Copa. Se não precisar dessa adaptação, o Corinthians faz o seu estádio sozinho, somente com o financiamento do BNDES, também totalmente subsidiado pelos brasileiros pagantes de impostos, diga-se. É um acinte. O Estádio do Morumbi precisava praticamente da metade desse valor para adaptar o estádio para a abertura da Copa. Qual a razão dos governantes da cidade não terem se empenhado da mesma forma? Explica aqui para este eleitor idiota que votou nesse governante. E os estádios do Palmeiras e do Pacaembu que seriam alternativas e também custariam muito menos do que isso? Sob o ponto de vista do marketing, São Paulo não precisa da Copa. Nosso parque hoteleiro está com plena ocupação, nossa imagem internacional é de um estado pujante, tecnologicamente desenvolvido, paga os melhores salários, tem um comércio desenvolvido, uma indústria importante, um setor de serviços respeitado, as maiores e mais qualificadas audiências em mídia, os maiores patrocinadores, a propaganda mais premiada, as melhores estruturas de feiras e exposições entre centenas de outros exemplos. O maior destino internacional dos voos nacionais e internacionais é São Paulo. Os outros Estados praticamente não precisam aumentar seus aeroportos, diferentemente de São Paulo. As obras que São Paulo precisa não são para a Copa de 14, são para agora. E sem compactuar com a orgia dos 1.000 dias.

Tags: