Este canal é patrocinado por
Este canal é patrocinado por

Experiência Imersiva da Mona Lisa chega à França

Por: Antonio Cervi. 15 de Fevereiro de 2022

A incrível exposição da Mona Lisa vai encantar os amantes da arte no mundo inteiro. A primeira exposição de arte do gênero será parecida com outras exposições do passado, com obras de artistas como Frida Kahlo, Monet, e Vincent van Gogh.

A mostra digital será uma colaboração entre o Louvre e o Grand Palais e acontecerá no Palais des Bourses em Marselha, na França.

Leia também: BB Seguros apoia quinta edição do Street River Amazônia

A instalação imersiva tem o nome de La Joconde e acontecerá de 10 de março a 21 de agosto de 2022. A exposição no Grand Palais apresentará seis temas que revelam a história da pintura e o gênio de seu criador.

A instalação imersiva será única e os espectadores terão a oportunidade de aprender sobre a pintura, sua composição, como ela inspirou outros artistas e a técnica de Da Vinci.

Essas exposições imersivas têm se tornado muito populares entre os amantes da arte nos últimos tempos.

O Grand Palais está atualmente passando por reformas que serão concluídas a tempo para os Jogos Olímpicos de 2024 em Paris. Ele terá um local permanente para exposições digitais.

Projetos similares estão sendo desenvolvidos em Veneza e Praga para criar exposições digitais relevantes para o nosso tempo, combinando criatividade e novas abordagens para a história da arte.

Mona Lisa, também chamada "Retrato de Lisa Gherardini", esposa de Francesco del Giocondo, Gioconda em italiano ou La Gioconda em francês, é uma pintura a óleo sobre painel de madeira de choupo feita por Leonardo da Vinci, possivelmente a obra mais famosa do mundo.

A tela Mona Lisa foi pintada entre 1503 e 1519, quando Leonardo morava em Florença e agora está pendurada no Louvre de Paris, onde continua sendo um alvo de peregrinação para os fãs de arte do século XXI.

O sorriso misterioso e sua identidade não identificada fizeram da tela de Mona Lisa uma fonte de investigação e admiração contínua. A controvérsia quanto à identidade da pessoa sentada no retrato de Mona Lisa tem prosseguido. Estudiosos e historiadores apresentaram muitas interpretações.

Provavelmente, Leonardo da Vinci trabalhou na tela de Mona Lisa de forma intermitente por vários anos, acrescentando várias camadas de esmalte fino a óleo em diferentes momentos.

O rei francês Francisco I, em cuja corte Leonardo passou os últimos anos de sua vida, adquiriu Mona Lisa após a morte da artista, e esta passou a fazer parte da coleção real. 

Mona Lisa foi mantida em palácios franceses até que os rebeldes declararam a coleção real como propriedade do povo durante a Revolução Francesa. Depois de ficar pendurada no quarto de Napoleão, a Mona Lisa foi colocada no Louvre, na virada do século XIX.

Em 1911, a Mona Lisa foi roubada. Isto causou uma sensação imediata na mídia. As pessoas se reuniram no Louvre para ver o espaço vazio onde o quadro uma vez havia sido pendurado.

O diretor do museu renunciou. E o poeta Guillaume Apollinaire e o pintor Pablo Picasso foram até presos como suspeitos.

Quando a polícia encontrou o retrato, ele estava escondido no fundo falso de um baú. O baú pertencia a Vincenzo Perugia, um imigrante italiano que trabalhou por um tempo no Louvre em uma seleção de vidros para uma série de pinturas, incluindo a Mona Lisa.

Durante a Segunda Guerra Mundial, a Mona Lisa, reconhecida como a obra de arte mais ameaçada do Louvre, foi levada para vários lugares do interior da França. A tela retornou ao museu em 1945 após a declaração de paz.

A influência da Mona Lisa durante a Renascença e posteriormente foi enorme, revolucionando o retrato moderno.

A pose de três quartos não só se tornou o padrão, mas os quadros anteriores de Leonardo encorajaram outros artistas a fazer mais e mais esboços livres em suas pinturas e incentivaram os entusiastas a colecionar essas pinturas.

Tags: arte exposicao experiencias-imersivas pintura