Este canal é patrocinado por
Este canal é patrocinado por

Europa lidera ESG, mas futuro é promissor para todos

Por: Redação.. 27 de Novembro de 2021

Mais do que nunca, os países estão no limite para combater as emissões descontroladas de gases de efeito estufa e para encorajar os atores do setor privado a fazer o mesmo.

A base destas reduções de emissões é o conjunto de políticas que cada nação oferece para implementar sua agenda, com uma grande parte destas políticas especificamente focada em medir e comunicar o impacto climático das empresas e do setor financeiro.

Divididas em dois grupos principais, finanças sustentáveis e divulgação ambiental, social e de governança (ESG), estas políticas podem assumir diferentes formas, tais como uma estratégia nacional de finanças sustentáveis ou uma taxonomia definindo quais atividades ou investimentos se qualificam como verdes ou sustentáveis.

Muitas políticas antigas costumam ser atualizadas para incorporar novas considerações de ESG (Foto: Getty Images).

A BloombergNEF publicou recentemente um relatório intitulado Desfazendo as Malas da Regulamentação da ESG (os usuários podem acessar o relatório completo aqui: web | terminal) que analisa o cenário regulatório global para a divulgação da ESG e a política de financiamento sustentável.

Desde agosto de 2021, 86 mercados têm recebido tais regulamentações e diretrizes, sejam elas obrigatórias ou voluntárias, de órgãos governamentais, grupos industriais e organizações internacionais.

Mas nem todos os mercados têm um desempenho semelhante - enquanto os países europeus assumiram um papel de liderança no estabelecimento de finanças sustentáveis e da política de divulgação de ESG, outras grandes economias estão atrasadas.

A Europa está à frente

Como parte desta análise, a BloombergNEF avaliou as políticas de financiamento sustentável obrigatórias dos países do G-20 e de divulgação de ESG, pontuando os cenários regulatórios dos países de zero a dez.

Os países são avaliados quanto ao alcance de suas políticas (quanto cobrem), à robustez (quão ambiciosos e orientados são) e à aliança (o nível de coalizão internacional que as influencia). A pontuação média em todos os países é de 6,57 em cada dez, pouco acima da metade.

A Europa lidera com uma pontuação média de 7,93; as políticas dos países europeus são reforçadas pelo fato de que eles recebem pressão regulatória de duas fontes: os governos de seus próprios países e a agenda da União Europeia.

Países da Europa como a França (38 políticas obrigatórias), Alemanha (38) e Holanda (36) lançaram mais políticas, incluindo medidas da UE, do que todos os outros países do G-20. A França lidera o pacote com uma pontuação total de políticas de 8,32 em cada dez, tendo um bom desempenho nos três pilares de abrangência, robustez e aliança.

Mas todos os países europeus têm um desempenho relativamente bom, muitas vezes padronizado em toda a região devido às diretrizes e regulamentos da UE que aumentam a uniformidade.

Grandes economias como os Estados Unidos (4,85/10), China (5,71/10) e Índia (3,74/10) têm má pontuação em relação às suas congêneres europeias.

Eles não só não foram rápidos em estabelecer metas líquidas zero, mas também não se juntaram a todas as principais coalizões que podem aumentar a responsabilidade e padronização global. Os países não europeus do G-20 também tendem a ficar para trás em relação à ambição média de suas políticas.

Os mercados em atraso incluem Arábia Saudita (0/10), Turquia (1,69/10) e Rússia (2,60/10), embora eles ainda possam mudar o jogo. 

Mesmo as nações mais atrasadas podem recorrer a estas medidas para acelerar a ambição com rapidez e aprender com seus pares. Junto com o aumento geral das políticas em todo o mundo, é possível que esses países não continuem sendo os mais atrasados por muito tempo.

Tags: esg cop-26 meio-ambiente