Este canal é patrocinado por
Este canal é patrocinado por

Martech: Uso inteligente de dados gera maior engajamento

Por: Alexandre Rodrigues. 17 de Março de 2021

Não é segredo que a tecnologia vem revolucionando o setor de marketing. Em 2019, uma pesquisa do Gartner já apontava que 1/3 da verba deste setor era destinada à martech

Em 2020, uma análise da WiproDigital revelou que 81% dos diretores de marketing consideravam importantes as competências desta ferramenta e 62% planejaram aumentar os gastos com ela. 

O crescimento não é por acaso: 63% dos consumidores desejam receber recomendações de produtos e serviços de forma personalizada, de acordo pesquisa da Accenture. 

Em um mercado global de tecnologia de marketing avaliado em US$ 121,5 bilhões, com crescimento de 22% em relação a 2020, (dados do relatório Martech: 2020 and beyond), o uso de estratégias inteligentes e mais focadas precisa ser a ‘bola da vez’ de qualquer negócio que deseje atingir o sucesso sem gastos desnecessários. 

Há alguns anos, antes do ‘boom’ das redes sociais, eram comum o investimento em marketing e publicidade focado em mídias com maior audiência. 

Entretanto, o custo era muito alto e o resultado era sempre uma incógnita, nem sempre se chegava aos resultados desejados. O principal motivo é que, embora o alcance fosse alto, não se sabia se o público-alvo daquele determinado negócio estava ali. 

A tendência era óbvia: Unir tecnologia e estratégia para tornar este processo mais eficaz, uma vez que a evolução tecnológica também transformou o consumidor, que agora deseja uma melhor experiência e personalização. 

A prova disso é lembrar que há exatos 10 existiam apenas cerca de 150 softwares voltados para marketing e vendas, e, em 2020, esse número ultrapassou 8 mil. 

Empresas que realizaram uma transformação digital adequada já passaram a enxergar o marketing digital de forma mais inovadora: Capturando e utilizando dados de maneira inteligente a fim de criar campanhas específicas e ações integradas e coordenadas em múltiplos canais para determinado perfil de público. 

Uma mineração e organização adequada dos dados permite gerar ações mais segmentadas e eficientes que possam impactar o público de forma mais atraente, direta e resultando maior engajamento, tanto no âmbito institucional quanto nos resultados das vendas. 

Além disso, o uso da martech promove a integração entre áreas, principalmente as de tecnologia, vendas e marketing, o que gera mais produtividade, melhora a performance e traz melhores resultados. 

A união desta ferramenta com o universo de BI (Business Intelligence) também possibilita maior agilidade para os tomadores de decisões no dia a dia, uma vez que as informações não são apenas coletadas e armazenadas, mas também interpretadas e traduzidas, gerando os indicadores necessários para o avanço do negócio. 

Com as inúmeras possibilidades de impactar os clientes, tais como: anúncios impressos, digitais, presenciais, entre outros, a martech beneficia não apenas o ambiente on-line, mas também possibilita criar estratégias focadas em cada perfil de público, de mídia e de ambiente, de acordo com o resultado desejado. 

Isso quebra paradigmas da migração do marketing para determinados tipos de mídia, requerendo ações nos universos on-line e off-line de forma mais equilibrada, inclusive para os gigantes da tecnologia. 

Um exemplo recente desta junção foi o fenômeno omnichannel, que integrou as lojas on-line com as lojas físicas, determinando papéis diferentes para cada uma no atendimento ao cliente.  

Do lado de cá, com o objetivo de se tornar cada vez mais uma empresa focada em transformação digital, aliando a experiência em tecnologia, criação e execução completa para ajudar os clientes a alcançarem a máxima eficiência além do e-commerce, já tivemos alguns bons exemplos dos benefícios do uso da martech. 

A tecnologia veio para ficar e transformar cada vez mais o mundo e tudo o que conhecemos. Aliar esta evolução às estratégias de marketing não só traz resultados concretos, mas também economia de recursos e a garantia de permanência do negócio no mercado. 

Tags: alexandre-rodrigues | artigo | digital