Especial
Brand Experience em 2020

Paulo Farnese: Nosso ano terá nove meses. Ou menos

Por: Redação. 10 de Abril de 2020

A série especial Brand Experience 2020 está colocando em pauta a situação em que o mercado das agências e fornecedores que realizam ativações de marcas e eventos corporativos se encontra desde que o regime de isolamento social foi colocado em prática.

Além da pesquisa realizada e publicada recentementePromoview deu voz e traz o depoimento dos líderes de grandes agências sobre este momento.

Nesta entrevista, Paulo Farnese, um dos empresários que vem despontando neste início de 2020 fala de como tem enfrentado tudo isso.

Promoview: O ano estava começando bem, o momento era incrível para o segmento de experience com grande prestígio e larga utilização pelo marketing das marcas, e, agora, precisa conviver com os impactos do Coronavírus. Qual o impacto na agência e como lidar com isso ?

Paulo Farnese: O ano realmente prometia muito! Tivemos um primeiro trimestre excelente e todos os clientes estavam engajados e comprometidos com projetos bem interessantes para 2020. Claramente, o volume de novos negócios caiu, mas não parou. Estamos com projetos em planejamento, alguns clientes adiantando briefings do segundo semestre, outros em fase de homologação de agências...

Semana passada fizemos uma ótima ação para Havaianas. Então, estamos seguindo com fé e otimismo. O que temos que fazer agora é nos cuidar como Seres humanos para que possamos voltar mais rápido para nossas atividades.

Promoview: Como a agência está encarando esse período de pandemia?

Paulo Farnese: Estamos com 100% do quadro em home office desde 16/03! Cuidar das pessoas sempre foi e sempre será nossa prioridade, sem demagogia.

O nosso sucesso está diretamente relacionado à forma como tratamos nosso time.

A maioria dos eventos foi prorrogada para o segundo semestre, mas conseguimos reverter alguns para serem realizados via streaming e tem sido uma experiência muito interessante para todos nós, clientes e agência!

As campanhas de incentivo e as ferramentas de premiação continuam operando, mas com menos demanda.

Promoview: Na parte prática, como o trabalho e a adaptação ao home office tem funcionado?

Paulo Farnese: Na prática nosso dia a dia tem sido mais cansativo. Com todos na agência, a troca entre os times é mais rápida e mais efetiva. On-line tem o lado mais prático, mas o olho no olho faz toda diferença.

Nossos processos continuam os mesmos e nosso sistema de workflow nos apoia em tudo. Não estamos com dificuldade de fazer a roda girar e alguns têm achado os dias mais objetivos.

Promoview: A experiência do full home office anima para que esta prática seja ampliada pós-crise?

Paulo Farnese: Nós já tínhamos o hábito de fazer home office, mas claro que não 100% do tempo e nem 100% do time. Home office exige disciplina e maturidade. Nesse momento não tivemos escolha. Todos terão que aprender, o que de certa forma é muito bom, pois acredito sim, que o home office será mais praticado após a quarentena.

Promoview:  Você arrisca avaliar os impactos no segmento de experience em curto, médio e longo prazo?

Paulo Farnese: É bem difícil prever qualquer coisa! Tudo muda com muita velocidade e como tudo ainda é recente, sem expectativa de fim, prever algo é praticante impossível.

O que já sabemos, principalmente, pelo contato com os clientes, é que o segundo trimestre não existirá, ou seja, nosso ano terá 9 meses, isso se realmente voltarmos ao “normal” em julho. Não será um ano fácil, mas temos que passar por ele e lutar para ter o menor impacto possível.

Promoview: Consegue nos transmitir o sentimento dentro das áreas de marketing que vocês transitam?

Paulo Farnese: Eu vi na pesquisa... das alternativas que foram colocadas percebemos que, de acordo com o que foi proposto lá,  que a maioria ainda não absorveu o impacto e está inertes, enquanto a outra parte maior está aguardando orientações de cima de acordo com o desdobramento da situação.

Porém, aqui você tem que analisar também o mercado de cada um deles. Alguns estão em mercados favorecidos pelo momento e são mais ágeis em se adaptar a novos cenários, outros mais conservadores e já se preparam para o segundo semestre.

Promoview: Consegue nos dizer o que está rolando dentro da agência?

Paulo Farnese: Eventos on-line como este para Havaianas e manutenção dos programas de incentivo que já temos implantado e em desenvolvimento dentro dos clientes. Estamos aproveitando também este tempo para arrumar alguns processos internos.

Promoview: Muito se fala da necessidade pela mudança de práticas no mercado de ativações, eventos corporativos, e, historicamente, as crises são os momentos para quebra de paradigmas, reinvenção. Isso certamente acontecerá ali na frente. Na sua visão e experiência, o que faria melhorar as relações?

Paulo Farnese: Acredito que o tema deva ser olhado com mais cuidado, mas não agora. Não vou fugir da resposta e entendo que dois pontos, se fossem olhados com profundidade por quem nos contrata, iriam contribuir muito para um mercado mais saudável:  concorrência com três agências, nem mais nem menos. E este prazo insano de devolutiva dos projetos que nos é imposto e que não tem lógica.

Promoview: Quais os aprendizados que o nosso mercado  pode extrair de períodos de crise e imprevisibilidade como este?

Paulo Farnese: Aprenderemos muito, mas estamos no início desse processo. Até aqui, o que posso dizer é que uma gestão financeira atuante e conservadora é fundamental para qualquer crise.

Tags: Entrevista | live-marketing | mercado-de-eventos | agências-de-live-marketing | brand-experience | Eaí? | Paulo-Farnese