Canal
Brand Experience

Como preencher o vazio deixado pela falta de eventos?

Por: Emily Koppit - Campaign 25 de Abril de 2020

Os eventos são uma das principais maneiras das pessoas criarem conexões tangíveis com outras pessoas, compartilharem experiências e celebrarem comunidades em um mundo cada vez mais focado em digital. Agora, por enquanto, todas as conexões são remotas e a falta de interação humana está indo muito além do que imaginava os profissionais da indústria de eventos. 

Neste mundo recém-virtual, precisamos garantir a manutenção da essência dos eventos ao vivo - uma continuação dessas experiências e celebrações compartilhadas. Nossos clientes querem ser úteis nesse momento e estamos trabalhando com eles em soluções inovadoras para interagir com as pessoas de maneira mutuamente benéfica, seja através do entretenimento ou sendo útil estendendo seu mundo para dentro das quatro paredes em que todos estão vivendo 24 horas por dia 

Leia também: EAÍ!? e Grupo Nexo criam produto exclusivo para eventos digitais

Como Joe Exotic diz: "Estou em uma gaiola. Você sabe por que os animais morrem em gaiolas? A alma deles morre".

Esta colocação de Joe Exotic nos leva a reflexão. Precisamos garantir que estamos alimentando a alma das pessoas - uma função previamente preenchida por uma variedade de experiências diferentes, desde a participação em eventos, teatro e cinema até a interação com a pessoa de quem você recebeu uma amostra grátis no supermercado. 

As pessoas estão começando a sentir falta da interação à medida que a novidade do isolamento desaparece. É aqui que a experiência deve viver durante o bloqueio: iniciando e incentivando a interação e o entretenimento.

Para incentivar essas conexões genuínas, os produtores de conteúdo devem avaliar como usar o que está disponível no momento ou como criar o que não está. Uma das maneiras pelas quais estamos trazendo o mundo externo para as casas das pessoas aqui na agência é trabalhando com empresas iniciantes em tecnologia para mesclar o próximo passo nas videochamadas, com experiências para aprimorar isso. 

O que funcionou muito bem é a capacidade de gerar conteúdo de realidade aumentada que pode ser compartilhado instantaneamente entre as pessoas. Isso lhe dá condições de proporcionar sensações mais próximas as que acontecem na vida real e vai muito além do que a cabeça e os ombros de seus pais, permitindo uma recriação mais próxima do que ocorria nos eventos presenciais.

Além de se aproximar ao máximo daquilo que conhecemos como "interação presencial", é essencial criar espaço para escapismo e entretenimento. Desde março nossa interação acontece em telas, com o Zoom, o Microsoft Teams ou o Google Hangouts . Uma necessidade genuína de todos nós no momento é encontrar experiências que possam ir além da tela, enquanto ainda nos inspiramos em influências externas.

Todos nós precisamos permitir espaço para arte ou entretenimento genuínos para o ganho da alma; Andrea Bocelli se apresentando ao vivo de um Duomo vazio em Milão com seu concerto Music for Hope ( foto ) foi vista por 33 milhões de pessoas em todo o mundo em apenas dois dias, porque ainda é uma visão sobre algo épico, e não as minúcias da vida em confinamento.

O tratamento de áudio tem sido nosso foco em algumas marcas como uma solução para suavizar a experiência imersiva para os indivíduos. Associado ao 3D ou até 8D eles tem proporcionado bons resultados .

Como todos precisamos encontrar um papel no "novo normal", surgiu uma oportunidade única para as marcas ajudarem, envolverem e elevarem ativamente as pessoas. Mas se tem algo que não mudou em tudo isso é o fato de que precisamos utilizar toda nossa criatividade como indústria para responder às necessidades dos consumidores além do modelo tradicional de envolvimento.

Este é o momento de inovar, testar, testar, falhar, aprender, melhorar e, finalmente, usá-lo como uma oportunidade para inventar a nova economia da experiência. 

Emily Koppit é atendimento na The Producers de Londres

Tags: Brand Experience | live marketing