Live Mkt

Liberou geral. Mais ou menos


4 de Outubro de 2020

A onda de liberação de eventos da última semana parece ter servido a campanhas políticas.

Nada técnicas, pois não têm, de fato, ninguém especialista em eventos, um produtor cascudo ou professor do negócio tipo Líbia Macedo ou LC Duarte para explicar aos neófitos dos Decretos nossas linguagem, necessidades, logística e técnica.

Aí, danou-se.

Em Minas, minha terra, só omissão, descaso e politicagem que, pelo menos, uniram o mercado, redundando em passeata no dia 5 de outubro, contra o massacre burro feito a um segmento que produz eventos importantes, inclusive médicos, gera impostos e emprega milhares de pessoas, há muito, inclusive, seguindo protocolos de segurança e higiene, sabiam senhores políticos.

Vivemos num País sem sentido, sem lógica, onde se liberam atividades por interesses... sabe-se lá com que intenção.

Estranhamente, mal se deu o início de campanha política liberaram eventos e vêm à tona, e às redes, depoimentos festivos de candidatos. Percebam essa coincidência.

O Mestre Luiz Claudio Duarte, ao comentar as liberações de eventos feitas por Decretos no Rio, explicou a diferença entre metragem quadrada e número de participantes, mostrando que, além de péssimos textos, sob uma análise do uso da Língua Portuguesa, do jeito que foram colocados, confundem quem entende de eventos e não esclarecem muito o COMO fazer o que querem.

O que, por sinal, já me havia sido colocado pela querida e profissionalíssima Fátima Facuri, presidente da Abeoc, que sabe tudo de eventos.

No Rio, continuando, infelizmente, o atual governador, ex vice do afastado, dando mostras do que falo, está prestes a errar feio na condução de seus ¨ajustes¨ nas secretarias de Governo.

Se tem uma Secretaria que só acertou no trabalho, sem nenhum escândalo, e fez bem ao mercado de turismo e eventos do Estado, essa é a de turismo, hoje conduzida por Adriana Homem de Carvalho, profissional de turismo, professora e presidente da Abeoc Rio, substituindo o secretário Otávio Leite, que pediu exoneração para fazer doutorado em Turismo, em Portugal.

Parece que vem troca de especialistas por político no turismo do Estado. Um desserviço à Indústria do turismo, ao mercado de eventos e ao Rio de Janeiro como um todo.

Brilhante editorial de Claudio Magnavita, no Correio da Manhã, histórico jornal do Rio de Janeiro, do dia 1º de outubro, explica tudo.

Falei de Rio, SP e Minas, mas posso estender, sem medo, a RS, SC, PR, BA, PE, CE, MS, MT, e todos os Estados da união o mesmo que disse nesse texto.

Enquanto cupinchas estiverem no lugar de técnicos em quaisquer áreas de Governo, muito especialmente na Cultura, Turismo e Eventos o caos, o desemprego, a geração de impostos e recursos de Estados e Municípios estarão subvalorizados e/ou mal aplicados.

Por enquanto, liberou geral, faz tempo, para quem fez lobby e deu...

O que mesmo? Ah...

Novembro tem forra. Ou não. Sacaram o briefing?

Checklist neles, moçada!

Tags: artigo | eventos | live marketing | Tony Coelho | mercado de eventos | retomada dos eventos | liberação de eventos | mercado de turismo e eventos