GERAL

A inovação do modelo de negócio passa pelas pessoas


20 de Março de 2021

A identidade de uma agência se fortalece a cada ano, a partir de sua cultura organizacional e da atitude coletiva de seus colaboradores. 

Essa imagem interfere de forma impactante no clima, nos resultados do negócio, e nos anos de vida da empresa. Tudo isso é resultado de ações simples que não demandam grandes investimentos, mas que são construídas no dia a dia. 

Um bom exemplo está na maneira como as empresas cuidam ou tratam de sua gente.

Se uma empresa se pauta na ética, se ela abraça as diferenças, se é percebida como espaço seguro para que as pessoas tenham a liberdade de ser quem elas são e se, finalmente, as lideranças dela são exemplares e guardiãs de seus valores, temos aí um claro retrato de como a empresa se mostra e é percebida também pelos clientes, parceiros e todo o mercado.

Quando olhamos de dentro para fora da agência, em termos de abraçar as diferenças nos processos de recrutamento e seleção, precisamos trabalhar diariamente para eliminar todas as barreiras e armadilhas que podem enganar nossa mente e reduzir a inclusão. 

Para isso, existem consultorias que ajudam no processo de sensibilização, recrutamento e seleção de candidatos que representam os grupos de diversidade que buscamos. 

O processo seletivo do futuro é focado na competência e no talento, e não nas características físicas e sociais. Ou seja: nosso papel como gestores de pessoas é proteger a igualdade de oportunidades.

Segundo Carla Lorenz, head de Recursos Humanos da um.a, “Este é um ciclo que se autoalimenta, pois até a atração e a manutenção dos talentos ocorrem por fit cultural”.  

Isso porque sempre buscamos profissionais com valores alinhados aos da nossa empresa. Por isso, temos que preparar nossa lideranças para desenvolver seus times, praticando a escuta ativa, dando e recebendo feedbacks, e contribuindo para o desenvolvimento das habilidades individuais de cada colaborador.

Aqui na um.a envolvemos todos em reuniões semanais, o que faz os colaboradores sentirem-se livres para opinar e participar dos processos de decisão da agência. Enfrentamos as dificuldades com responsabilidade, mas também com leveza, flexibilidade e comprometimento coletivo.

Outro fator positivo apontado pela Carla é que na agência temos líderes que começaram como estagiários, transmitindo um sentimento possível de progresso de carreira para quem está chegando.

Por esses motivos, acreditamos que a diversidade é o grande segredo para inovar e evoluir, não só como negócio, mas também como pessoas que acreditam em um futuro melhor e mais produtivo para todos. 

Desta forma, a tendência é termos empresas cada vez mais humanas, conectadas e alinhadas aos desejos das pessoas. Então, quem deseja criar uma agência dinâmica, diversa, criativa e inovadora precisa começar por libertar e valorizar as diferenças do seu time.

Tags: artigo | mercado-corporativo | negocios