METAVERSO

METAVERSO

O varejo no universo virtual

O varejo no universo virtual

Este canal é patrocinado por
Este canal é patrocinado por


16 de Julho de 2022

O metaverso -- um mundo virtual onde as pessoas reproduzem suas identidades reais, ou são livres para viver como alguém completamente diferente -- está chegando. Para os varejistas, pode ser um foco de renda, onde a mercadoria virtual pode ajudar os habitantes do metaverso a realizar suas visões de si mesmos.

Mas, como a Meta mostrou em seus recentes balanços financeiros, ele também carrega riscos financeiros. A divisão da Meta para o metaverso, Reality Labs, registrou bilhões em prejuízos nos últimos dois anos.

Leia também: CNN Brasil produz websérie Metalove

A maioria dos potenciais usuários, varejistas e comerciantes do metaverso tem muitas perguntas sobre como funcionam as compras funcionam nesse mundo virtual.

Justin Hochberg, fundador e CEO do Virtual Brand Group, explica como esta tecnologia emergente funcionará. A agência de criou a Shop City da Forever 21, uma instalação de varejo virtual no Roblox, que é um ambiente de jogos sociais, não tecnicamente um metaverso, mas um protótipo que dará aos varejistas uma ideia do que está por vir.

Na Shop City, os clientes compram roupas virtuais para seus avatares e montam suas próprias lojas Forever 21. No ambiente Roblox, os clientes recebem cupons para a compra do mesmo item físico - para aqueles que querem combinar com seus avatares Roblox na vida real.

Justin descreve o metaverso para varejistas e profissionais de marketing que ainda não compreenderam o conceito em nível visceral, ao dizer que a coisa número um sobre o metaverso não é sobre Roblox, Fortnite, Meta, Layer 2, crypto ou NFTs.

“Marc Andreessen inventou o navegador Mosaic há 25 ou 26 anos. Depois começou a ver URLs em outdoors. As pessoas pensavam: ‘O que é isso?’ e me diziam: ‘Você pode explicar a Internet? O que é isso?'. Eu dizia: 'É o que você quiser que seja'. 'Bem, quem é o dono?'. 'Ninguém'. 'O que você pode fazer com ela?' Qualquer coisa.'. Nenhuma dessas respostas foi útil, no mínimo”, afirma ele.

Agora, 26 anos depois, segundo ele, ao colocarmos a palavra metaverso no lugar de internet, estamos mais ou menos no mesmo lugar. Daqui a três anos, ele aponta que as pessoas não vão mais se perguntar o que é o metaverso, assim como ninguém fica perguntando o que é a internet.

“A internet, quem se importa? O que importa é Facebook, Amazon, Netflix, o que quer que seja. Isso é o que as pessoas entendem. As pessoas não entendem o metaverso porque ainda não o usaram”, destaca.

Para ele, qualquer tipo de marca - seja de moda, TV, filme – que quiser vender produtos aos consumidores, deve estar onde quer que os consumidores estiverem.

Para muitas pessoas, ele revela que isso significa ter algum tipo de loja, qualquer que seja o tipo. Quando alguém tem algum tipo de comércio eletrônico, faz algum tipo de mídia social, talvez faça um monte de outras coisas -- omnichannel -- para encontrar o cliente onde quer que ele esteja.

“O Metaverso é uma coisa muito complicada, mas tudo isso é outro lugar onde muitos consumidores já se encontram. Mas é melhor que sua loja, seu e-commerce e sua mídia social. É o canal de vendas mais eficaz desde o advento da venda de coisas difíceis de se encontrar”, acrescenta ele.

Isso, para ele, ocorre porque, antes de mais nada, é uma experiência sem atrito para o consumidor. Ir a uma loja é de certa forma um modelo de negócio falho, pois, segundo ele, as pessoas têm que ir lá - e isso gasta tempo. É preciso estacionar, encontrar a loja, andar na loja, encontrar o item e esperar na fila.

“O tempo médio que as pessoas passam em uma loja Home Depot é de 5,9 minutos - que é o tempo que elas estão realmente gastando para sair da loja. Você quer sair o mais rápido possível. O e-commerce elimina muito desse atrito, porque não tenho que fazer metade disso. Se eu estiver procurando na Amazon, eles têm ou não têm, eu compro ou não, e isso é ótimo. Portanto, em termos de eficiência de transação, é ótimo, mas não aderente. Uma transação entra e sai. Eu não tenho nenhuma afinidade com a transação”, pontua.

“Mas, a Forever 21 do Roblox consome muito tempo - de uma boa maneira. É extremamente aderente. Tem custo marginal zero. Portanto, é a coisa mais lucrativa que você pode vender para fora. Nós emulamos a loja de varejo número 1 do mundo: Disneyland, que é apenas uma loja de varejo muito sofisticada”, diz.

“As lojas têm buscado o varejo experimental por décadas. A Barnes & Noble começou com sofás confortáveis para que você possa ler. A Starbucks ofereceu a você Wi-Fi grátis. A Chanel dá a você champanhe e água de Evian. Tudo isto é marketing experiencial. Ainda não é tão pegajoso assim. A Disneylândia é pegajosa. Pegamos o modelo da Disney e a experiência com a qual você quer ficar. Transformamos uma marca de varejo em uma experiência de entretenimento. As pessoas vêm para a Roblox porque é social”, finaliza.

Tags: melhores-da-semana varejo tecnologia e-commerce metaverso forever-21 realidade-virtual experiencias-imersivas roblox