METAVERSO

METAVERSO

LivePlanet terá sua primeira rodada de investimentos

LivePlanet terá sua primeira rodada de investimentos

Este canal é patrocinado por
Este canal é patrocinado por


21 de Fevereiro de 2022

Dentro de um contexto completamente novo, em que precisamos aprender a nos comunicar de maneira remota e aprender novas soluções para manter o nível de produtividade e a união entre colaboradores surgiu a LivePlanet, o primeiro METAVERSO desenvolvido no Brasil para interação imersiva em tempo real, entre pessoas, marcas e produtos. 

Leia também: Estúdio brasileiro e The Sandbox vão construir o Brasil no metaverso

Única empresa que entregou uma solução para escritórios virtuais com atendimento em português e pagamento em real, a LivePlanet lidera o mercado nacional, mesmo com a forte concorrência no resto do mundo. 

As soluções mais comuns para comunicação remota (videoconferências) já parecem limitadas e não oferecem ganho de performance para uma equipe de trabalho, além de serem sempre formais e agendadas. A plataforma permite a criação de seu próprio ambiente virtual customizado para qualquer público alvo, de maneira segura e sem limite de tempo na videoconferência. 

"O mercado já estava aquecido antes mesmo da pandemia. Com o lockdown diversas agendas foram aceleradas, entre elas a necessidade de estabelecer uma estrutura de trabalho remoto eficiente. Home office já era uma coisa habitual e agora se tornou o 'novo normal". A LivePlanet oferece uma forma totalmente nova de se relacionar e consumir conteúdo na internet e com ferramentas que melhoram a performance em grupo e solucionam desafios para educação à distância e trabalho remoto", declara o sócio Marcos Klein. 

O começo

A Startup foi criada em março de 2020, quando Miguel Angelo Gaspar, Guilherme Dornellas e Marcos Klein perceberam a enorme oportunidade para a realização de eventos virtuais, começando com o boom das Lives e ações de entretenimento. 

Com ampla experiência com produção de eventos e audiovisual, a transição para o ambiente híbrido foi encarada como algo natural para os sócios. Ao atuar de maneira completamente independente desde sua fundação, a empresa tem uma equipe ultra reduzida e mostrou ser auto suficiente até o momento. 

Através de uma integração com a tecnologia de videoconferência, a plataforma avatariza os usuários,  dando a eles posição em um ambiente gráfico virtual e permitindo que avatares conversem por proximidade, permitindo uma interação orgânica e parecida com a vida real. 

Tendo alcançado um crescimento cada vez mais com o interesse pelo assunto metaverso se tornando latente no mundo, a LivePlanet se prepara para entrar em sua primeira rodada de investimentos, com altas expectativas. 

Na opinião de Marcos Klein, o desafio de toda Startup é encontrar formas recorrentes de receita. Dessa forma, foi observado no produto “workplace remoto”, a melhor maneira de escalar as vendas, quantificar resultados para investimento e também automatizar processos. 

Além do mais, este nicho também compõe a principal “persona” do produto até o momento, que se trata do mercado corporativo B2B. A LivePlanet já fez mais de 100 eventos virtuais desde sua fundação e hoje possui 30 empresas trabalhando de maneira cotidiana em sua plataforma. Entre os cases de maior destaque estão o Centro de Tecnologia da UFRJ, a fintech Dupay, além de várias agências de publicidade e aceleradoras.

LivePlanet nos próximos anos 

O objetivo da empresa é ter seu próprio mundo B2C, com alta circulação de pessoas 24h por dia, proporcionando diversas oportunidades para merchandising e vendas on-line. A alta oferta de personalização proporciona um mercado lucrativo a ser explorado, além de promover oportunidades para os usuários rentabilizarem com o Metaverso. A expectativa com o projeto é a expansão global da plataforma, respeitando todas as normas de proteção de dados e segurança fiscal internacional.

Com alta usabilidade e operação em andamento, a plataforma abrange múltiplas oportunidades sob a ótica da descentralização e representatividade nos mercados NFT e criptomoedas.  

A plataforma é baseada nos modelos de capitalização “Play to earn” e “Virtual Landing”, gerando usabilidade para a moeda LIVECOIN, que será lançada para movimentar transações do metaverso na blockchain.

Por se tratar de uma novidade, os sócios veem como maior desafio convencer o executivo mais sênior e os usuários menos avançados de que é possível operar num ambiente gamificado de maneira fácil e eficiente.

"Para isso, temos investido em melhorar a experiência do usuário melhorando o layout e a interface da plataforma".  Além disso, a LivePlanet está empenhada em encontrar uma fórmula eficiente para estabelecer um modelo recorrente de vendas, automatizando os processos de atendimento e garantindo escalabilidade à empresa.

"A perspectiva é que a empresa em três anos esteja com faturamento superior a 500 milhões de reais e com força para competir no mercado internacional, sendo um unicórnio em potencial em construção para os próximos anos", finaliza o sócio. 

Conheça algumas das propostas de valor para empresas e colaboradores 

1- As empresas avaliam seriamente a necessidade de operar grandes escritórios, realizar viagens custosas e contratar eventos que custam centenas de milhares de reais.

2- O colaborador cada vez mais quer trabalhar de casa e estar perto da família. Agora que foi visto que é possível, a maioria não quer voltar à rotina anterior de escritório.

3- LivePlanet permite a gestão de presença de colaboradores, gestão do conteúdo de documentos, gamifica a rotina de trabalho de maneira a aumentar a produtividade.

4- O tempo de deslocamento e a energia gasta com o transporte, principalmente nas grandes cidades, acaba sendo um “desperdício” que poderia ser melhor aproveitado se usado com eficiência. 

Tags: blockchain metaverso cripto liveplanet