ESG

ESG

Novabrasil é a primeira rádio brasileira a receber ‘Selo IGUAL’

Novabrasil é a primeira rádio brasileira a receber ‘Selo IGUAL’

Este canal é patrocinado por
Este canal é patrocinado por


6 de Julho de 2022

A Novabrasil é a primeira rádio brasileira a ser reconhecida com o ‘Selo IGUAL’ da Woman´s Music Event, que premia e destaca ações que promovem a equidade de gênero no mercado da música.

Leia também: Rede de fazendas urbanas BeGreen chega a SP

O ‘Selo IGUAL’ tem o objetivo de gerar paridade de gênero em line-ups, equipes de empreendimento musicais e de comunicação que trabalham em projetos de música e em atividades relacionadas pelo Brasil inteiro.

O selo é direcionado a festivais, festas, clubs, casas de shows, associações e outras empresas que tenham pelo menos metade de suas equipes compostas por mulheres, pessoas não-binárias e/ou trans, levando em consideração a área artística e também a produção.

A Novabrasil está presente no mercado de comunicação há 22 anos, celebrando tudo que nos torna brasileiros, a nossa brasilidade, o que inclui principalmente a cultura, o modo de ser e a música.

A rádio assume a diversidade das formas afetivas de ser brasileiro, aquelas que nos tornam únicos através da originalidade, do entretenimento, cidadania, educação e prestação de serviços.

A MPB está no DNA da Novabrasil. Da mesma forma em que o gênero continua se modernizando a cada ano, a rede assumiu para si a missão de acompanhar essa evolução.

“Ser a primeira rádio brasileira a conquistar o ‘Selo IGUAL’ vai além do reconhecimento de estarmos no caminho certo. É, também, um desejo de que outras empresas do nosso setor tenham o mesmo compromisso. São pequenas iniciativas que transformam”, afirmou a Novabrasil em comunicado.

Para compreender o porquê é extremamente importante iniciativas que promovam a equidade de gênero no mercado, basta olhar os dados e refletir sobre os mesmos.

No ranking dos “100 autores com maior rendimento” em todos os segmentos de execução pública nos últimos cinco anos, a média de participação feminina foi de somente 4%.

Em 2020, só duas mulheres figuraram no ranking dos 100 autores com maior rendimento em direitos autorais, segundo o relatório ‘O que o Brasil Ouve [Edição Mulheres na Música]’.

Além disso, de acordo com informações do DATA Sim 2020, 84% das profissionais já foram discriminadas por ser mulher.

A plataforma WMEWomen’s Music Event foi criada pela jornalista de música Claudia Assef e pela gestora de carreiras, pesquisadora e curadora musical Monique Dardenne, e atua desde 2016 de maneira ativa para aumentar o protagonismo das mulheres na música, com iniciativas que colocam essas profissionais no centro de tudo.

Em cinco anos, o WME tem realizado a transformação por meio da premissa de que as mulheres precisam ser contratadas, pois o mercado ainda invisibiliza essas profissionais.

Com o propósito de dar continuidade à meta de tornar a indústria musical mais plural e polifônica, no ano passado o WME lançou o Selo IGUAL, chancela que reconhece as iniciativas que contribuem para a equidade de gênero na indústria da música.

Tags: novabrasil radios musica mercado-de-trabalho diversidade inclusao