ENTRETENIMENTO

ENTRETENIMENTO

Ópera sobre Steve Jobs estreia nova versão nos EUA

Ópera sobre Steve Jobs estreia nova versão nos EUA

Este canal é patrocinado por
Este canal é patrocinado por


19 de Abril de 2022

Para “A “(R)evolução de Steve Jobs”, uma ópera sobre a vida do mais famoso inovador de computadores de todos os tempos, a adaptabilidade é a chave para a longevidade.

A primeira edição da ópera de 2017 do compositor Mason Bates, com libreto de Mark Campbell, na Santa Fe Opera foi um sucesso. O ano seguinte trouxe uma gravação do elenco. Para dar a uma ópera uma vida além desse sucesso inicial exigia alguma racionalização. Entra Tomer Zvulun, general e artístico da Ópera de Atlanta, que criou uma nova produção adequada para tournes.

A nova montagem transmite a história de origem, sucessos, lutas e legado do fundador da Apple Steve Jobs (barítono John Moore) em uma narrativa não linear. Todos, desde sua esposa (mezzo soprano Sarah Larsen) até seu mentor budista (baixo Adam Lau) e o cofundador da Apple Steve Wozniak (tenor Bille Bruley) se reúnem na ópera de um ato em uma série de quadros penetrantes. 

Essa reimaginação significou deixar para trás algumas das estruturas maciças criadas para a obra inicial em favor de cenários que poderiam ser facilmente embalados e enviados para a próxima companhia de ópera. 

“(R)evolution” é uma co produção da Atlanta Opera com a Austin Opera e a Lyric Opera de Kansas City, onde esta produção estreou. 

A obra de Zvulun, conduzida por Michael Christie, chega ao Atlanta Opera a partir de 30 de abril.

“Parece maior do que a produção original, mas também é mais simples de várias maneiras”, disse Bates. “É simples o suficiente, em termos de coisas escondidas, para ser feito em muitos lugares diferentes. Como compositor, estou sempre ansioso para que uma peça vá a tantos lugares quanto possível. Esta ópera tem que ter uma produção que pareça tecnológica e incrível, e acho que faz as duas coisas.”

Os espectadores veem Jobs no meio do lançamento de um produto, e então são levados de volta no tempo para suas oficinas de garagem com Wozniak enquanto os dois criam o primeiro computador Macintosh. Quando Jobs fica doente com câncer, a ópera se volta para dentro. Uma música com um toque tecnológico enriquece cenas que sangram umas nas outras e saltam como tantas memórias fragmentadas.

A ópera é um rico estudo de personagem de Jobs, mas não é uma canonização do homem extremamente complexo. Bates disse que se propôs a “explorar as obsessões de Steve Jobs” e os “elementos do calcanhar de Aquiles de sua vida” – notadamente sua necessidade de controle completo de tudo o que tocava.

“As pessoas não têm um botão. As pessoas são complicadas. Os humanos são maravilhosamente confusos”, disse ele, falando da Bay Area em um iPhone com força de sinal duvidosa. “E, no entanto, por causa de Steve Jobs, toda a nossa comunicação entre nós foi meio que empurrada para esses pequenos dispositivos elegantes.”

Traçando um paralelo com o mundo da Broadway, onde a edição acontece durante as prévias de novos musicais, Zvulun disse que as segundas produções ajudam a afinar novas óperas. Parte de seu trabalho como diretor é dar nova vida a essas óperas contemporâneas, algo que ele também fez com “Silent Night” em 2016.

“Muitas vezes a produção da estreia mundial é muito complexa e pesada para viajar. Ou não vende bem. Torna-se essencial que os diretores artísticos identifiquem novos trabalhos que merecem ser vistos amplamente e criem produções inteligentes que possam viajar extensivamente e ter corridas de sucesso”, disse Zvulun. “Segundas produções comprovam o poder de permanência de uma ópera contemporânea.”

Zvulun disse que espera uma vida longa para a ópera por causa de seu “enorme apelo de mercado”. Campbell acrescentou que as óperas contemporâneas que não recebem produções repetidas correm o risco de cair da memória, então ele está grato que a Atlanta Opera está comprometida em repetir as apresentações. Essa dedicação a várias séries de novos trabalhos ecoa um pouco o que a Orquestra Sinfônica de Atlanta fez com o diretor musical Robert Spano - tocando algumas novas composições repetidamente para que eles tenham uma chance melhor de viver além de suas estreias mundiais. Isso exige que os diretores de ópera contemporânea convençam o público a ver algo novo, disse Campbell.

“É preciso um visionário como Tomer para… quebrar as percepções do que a ópera pode ser”, disse Campbell. “Acredito firmemente que a ópera morrerá se tivermos que assistir 'Traviata' 500 vezes e não tivermos histórias relacionadas às nossas vidas neste país.”

Quando Bates contatou Campbell pela primeira vez sobre o conceito da ópera, o libretista hesitou. De sua perspectiva, o público conhecia o assunto tão intimamente que ele temia que fosse impossível criar uma ópera sobre uma figura onde “todo mundo tem sua própria versão dele”. Ele finalmente assinou e experimentou o sucesso com a primeira corrida. Para esta produção, ele e Bates trabalharam em estreita colaboração com Zvulun para criar uma nova experiência para o público. Campbell está impressionado com a forma como esta nova produção mostra a humanidade de Jobs.

“Ele se concentra mais no personagem de Steve Jobs e o torna mais um ser humano do que um ícone”, disse Campbell. “Ele era uma figura complexa. E só peço que as pessoas venham à ópera… e tentem deixar de lado suas próprias percepções de Steve Jobs.”

A produção do Atlanta Opera foi deixada de lado pela pandemia por um ano, segundo Bates. Ele passou o tempo da pandemia da mesma forma que outros nas artes cênicas – se preocupando com o futuro.

“Todo mundo estava se voltando para experiências digitais, e não é para isso que meu mundo está preparado”, disse ele. “Precisamos lembrar às pessoas por que vale a pena sair para experimentar ao vivo, vale a pena deixar a Netflix.”

Ele se lembrou do primeiro show ao vivo que viu após o desligamento – Marin Alsop conduzindo a Sinfônica de Baltimore. “Acho que comecei a chorar quando a orquestra afinava. … Era como se você não soubesse o que tem até não ter mais.”

Aprendendo com os últimos anos e impulsionando a inovação, é aí que Bates gostaria de ver a ópera caminhando à medida que emerge da pandemia.

"Eles não podem voltar aos negócios como de costume", disse ele. “Eles precisam realmente encorajar sua equipe a pensar em novas maneiras de lembrar as pessoas por que essa música é importante, por que essa experiência é importante.”

Tradução de Leandro Lima

Tags: opera steve-jobs