ENTRETENIMENTO

ENTRETENIMENTO

Artista do Brooklyn transforma resíduos plásticos em experiência imersiva instalada em Austin

Artista do Brooklyn transforma resíduos plásticos em experiência imersiva instalada em Austin

Este canal é patrocinado por
Este canal é patrocinado por


10 de Abril de 2022

Após a agitação do SXSW, a cidade de Austin recebe uma exposição que utiliza resíduos plásticos em uma immersive experience comandada por marionetes.

The Plastic Bag Store  é uma instalação de arte e filme imersivo do artista Robin Frohardt, do Brooklyn, que traz humor, artesanato e uma lente crítica para nossa cultura de consumo e conveniência – especificamente, os efeitos duradouros do plástico.

As apresentações de uma hora serão realizadas várias vezes por dia, de quarta a domingo, no Blue Genie Art Bazaar.

Dentro da loja de sacolas plásticas,  frios, produtos frescos, bolos de várias camadas, rolos de sushi, alimentos congelados, cereais em caixa e muito mais foram meticulosamente esculpidos à mão, feitos de plásticos descartados sem os devidos cuidados. 

Durante cada apresentação de uma hora, a loja ganha vida como um micro-cinema onde os mundos ocultos das marionetes engenhosas de Frohardt se desenrolam em um filme de 45 minutos e três atos. A história explora a noção de artefato, nostalgia equivocada e como o que menos valorizamos pode se tornar nosso legado cultural mais duradouro.

Co-produzido por Frohardt e Pomegranate Arts, The Plastic Bag Store foi criado ao longo de vários anos por Frohardt em colaboração com seu conjunto de marionetes e apresenta música original do colaborador criativo de longa data, o premiado compositor Freddi Price.

O popular show imersivo do artista de marionetes Robin Frohardt estreou no sábado, 2 de abril, em Austin, cidade escolhida por sua receptividade ao estranho. “Austin é uma cidade tão divertida”, diz Frohardt. “Parece o tipo de público que está totalmente disposto a algo realmente estranho e novo, e maluco. E os preços de aluguéis desabam após o SXSW. Então é uma ótima oportunidade".

Á primeira vista, a Plastic Bag Store parece uma loja de esquina comum com produtos, produtos congelados e uma pequena padaria. Mas algo está um pouco errado: os tomates parecem estranhamente frágeis; caixas familiares de cereais são rotuladas como “Yucky Shards” e “Caps N'Such”. Alguns itens são embrulhados em isopor e plástico, e uma inspeção mais detalhada revela que tudo na loja é feito de plástico.

Ao entrar, o visitante se depara com uma grande vitrine pop-up onde um amplo estoque com réplicas de produtos famosos formado a partir de resíduos plásticos recuperados.  Alguns produtos, como os cereais, são veículos para piadas alegremente sombrias; outros são simplesmente surreais. Mas não é apenas um espaço para navegar em mercadorias desagradáveis.

Produção original recebeu adaptações

A immersive experience do Texas é um pouco diferente das iterações em Nova York, Los Angeles e Chicago. Levou tempo para construir enquanto Frohardt esperava encontrar resíduos plásticos para atender às suas necessidades criativas ou inspirar um novo produto. 

Padrões em outras cidades criaram uma dissonância cognitiva em Frohardt, que se viu “cobiçando” certos plásticos que eram mais raros de encontrar. Como muitos cidadãos do mundo moderno, ela sentia aversão aos materiais de que precisava para atingir seus objetivos, mas empolgada com o que eles permitiam que ela fizesse. E como muitos esperam por um futuro menos dependente de plástico, ela achou impossível viver completamente livre de plástico.

Apesar da aversão ao plástico, Robin Frohardt se viu "cobiçando" os materiais reaproveitados de que precisava. Foto de Maria Baranova

A programação apresenta três ou quatro sessões por dia, quando a loja se transforma em um teatro imersivo.

Prateleiras se dobram em assentos ou revelam telas de projeção. O público é recebido em um freezer e conduzido a salas escondidas. Uma narrativa começa a se desenrolar através de um filme de três partes e performance ao vivo, mostrado em diferentes partes do passo a passo. Correspondendo às vidas antigas, presentes e futuras distantes de um pedaço hipotético de plástico, os minifilmes trazem humor para a questão muitas vezes sem humor dos resíduos plásticos descartáveis.

“Não é como se apenas trouxéssemos todos para um supermercado e os sentássemos e mostrássemos a eles um filme educacional de 45 minutos sobre os horrores do plástico”, diz Frohardt, que vê o projeto como um questionamento provocativo. “Não estou interessada em chatear as pessoas. E não estou interessada em ser didática e envergonhar as pessoas.”

Em vez de apenas fazer algumas piadas observacionais, as cenas narrativas testam cenários razoáveis em contextos absurdos: um antigo civil inventa um objeto estranho de uso único; os cientistas interpretam mal as relíquias descartadas do nosso presente. 

Frohardt usa essas cenas para explorar o que ela chama de “nostalgia deslocada”, uma tendência a romantizar linhas do tempo que não experimentamos. Tem potencial para elevar os plásticos que negligenciamos a problemas físicos que podemos notar e interagir agora.

“Vamos deixar muito disso para trás e as pessoas vão querer saber sobre nós”, prevê Frohard. “No meu show de marionetes, eles encontram muito disso. E era tão durável que eles achavam que certamente essas coisas deveriam [ser] muito importantes. Certamente eles tinham um grande valor significativo para essas pessoas. Por que mais eles fariam tanto disso, se não fosse super importante?”

Embora o plástico seja para sempre, este show só estará em Austin até 17 de abril. Os ingressos para a instalação no Blue Genie Art Bazaar ($ 5-20 em camadas) estão à venda agora em texasperformingarts.org . As vendas de walk-up estarão disponíveis dependendo da capacidade.

Tradução: Leandro Lima

Tags: austin experiencia-imersiva global-expereinces