DIGITAL

DIGITAL

Liv Up denuncia usuários por comentários homofóbicos e racistas

Liv Up denuncia usuários por comentários homofóbicos e racistas


18 de Maio de 2022

Após conseguir uma liminar contra o Google no final do ano passado, que foi confirmada recentemente em sentença judicial, e obter acesso aos dados primários de identificação, como endereço de IP e dados cadastrais dos usuários de 14 contas do Youtube, a Liv Up, uma foodtech de alimentação saudável e prática, revelou que tem dado prosseguimento ao processo formal e registrou noticia crime junto à delegacia.

Desse modo, a startup cobra a identificação e responsabilização dos indivíduos para que respondam criminalmente pela conduta e espera decisão da delegacia sobre a abertura do inquérito.

Leia também: Oreo cria canal de receitas brincantes

No final de 2021, ao lançar uma ação publicitária estrelando o humorista e digital influencer, "Esse Menino", o jogador da seleção masculina de vôlei, Douglas Souza, (ambos declaradamente parte da comunidade LGBTQIA+) e Maíra Azevedo, conhecida como Tia Má, influenciadora digital negra, a foodtech recebeu vários comentários de cunho racista, homofóbicos e até de intolerância religiosa em suas redes sociais e resolveu tomar uma ação não muito comum no mercado.

A startup acionou seu departamento jurídico e entrou com uma ação contra o Google, requisitando o fornecimento dos dados dos usuários para que pudesse dar um andamento legal junto à delegacia e Ministério Público.

Denunciar e responsabilizar criminalmente os autores dos comentários, ainda não é uma ação usual entre as empresas que, normalmente, optam por apenas moderar e apagar os comentários, diminuindo a visibilidade, e o incentivo, mas que também faz com que as pessoas responsáveis por este tipo de ação permaneçam impunes.

Com essa atitude a Liv Up fortalece seu posicionamento em favor da diversidade e a não tolerância a qualquer discurso de ódio e posturas preconceituosas, e incentiva que outras empresas também possam se posicionar, especialmente no Dia Internacional de Luta Contra a Homofobia, Transfobia e Bifobia.

“Não foi uma decisão fácil, mas optamos por manter os comentários (o que foi extremamente difícil e desagradável), pois eles eram importantes para que a gente preservasse as informações básicas necessárias para seguir com a solicitação de uma investigação da polícia, para dar seguimento ao caso. É uma postura proativa e que demonstra um interesse genuíno, de que esse tipo de conduta não seja mais aceito na sociedade, inclusive com eventuais punições para quem tiver esse tipo de atitude, considerando que exista de fato um crime, o que parece haver na nossa visão, a ser confirmado e apurado pelos órgãos competentes” revela Daniel Grajzer, Head Jurídico da Liv Up.

Assim, a foodtech agora espera a definição da delegacia sobre abertura de um inquérito para investigar o caso e enviar ao Ministério Público, que deverá definir sobre a denúncia formal contra os 14 envolvidos que deve ser julgada por um juiz criminal.

“Temos a intenção de fazer sempre que acontecer um episódio desses, pois não se trata apenas de uma ação específica, mas de uma conduta e modo de agir diretamente relacionados à cultura e valores da Liv Up, que defendemos tanto internamente como junto a parceiros, influenciadores contratados e consumidores. Acreditamos que a escolha de se importar em fazer a coisa certa do jeito certo é uma construção diária e esperamos que este caso, em uma data tão importante como a de hoje (dia mundial contra a homofobia), sirva de exemplo, para que cada vez mais empresas e pessoas também possam tomar uma atitude na busca por construir um mundo mais justo e diverso”, conclui Grajzer.

Tags: foodtechs startups google liv-up direitos inclusao diversidade