AGÊNCIAS

AGÊNCIAS

Agência de Kiev tenta trabalhar em zona de guerra

Agência de Kiev tenta trabalhar em zona de guerra


2 de Abril de 2022

Mesmo quando os tanques russos faziam fila na fronteira da Ucrânia, a agência criativa Banda não acreditava que uma invasão estivesse iminente. "Pensávamos que isso nunca aconteceria", diz o designer Danya Nesterevych. "Porque é impossível imaginar uma guerra na Europa... em 2022".

Leia também: Audi planta mais de 100 milhões de sementes na Amazônia

Um mês depois, ele se mudou para ficar com sua avó em Vyshneve, perto de Kiev. Agora, dos 80 funcionários da Banda, apenas 10 permanecem na capital sitiada. Dez fugiram para os países vizinhos, com o resto espalhado pela Ucrânia.

Diretamente do coração do conflito, a agência baseada em Kiev lançou dois filmes em resposta à invasão, com mais lançamentos a caminho.

O primeiro, lançado quatro dias após o início das hostilidades, é um pequeno vídeo destacando o impacto devastador sobre o país; o segundo manifesta gratidão pelo apoio internacional.

"Todo esse apoio que temos de outros países está nos ajudando a vencer", diz o diretor de negócios Dmitry Adabir. "É muito importante para nós sentirmos este apoio".

A terceira campanha, que deverá ser lançada na Ucrânia e internacionalmente, pretende fazer da coragem ucraniana uma atuante marca.

"Queremos mostrar a todos no mundo que somos uma nação corajosa", explica Abadir. "Não queremos esta Ucrânia heroica, massacrada por um monstro. Queremos apoiar os ucranianos. Para mostrar a eles que somos corajosos. Não apenas na guerra, mas nos negócios e na criatividade".

Aqueles que assistem de longe podem ter dificuldade para imaginar como a agência criativa, cujo escritório agora está abandonado, continua a trabalhar de uma zona de guerra. Mas com a perda de clientes da Ucrânia, a agência independente está realmente desesperada para continuar operando.

"Estamos tentando manter as pessoas unidas", diz Adabir. "Estamos fazendo nosso melhor para ter trabalho, para pagar salários e para sobreviver". 

"Há uma frase: 'o exército vencerá a batalha, mas a economia vencerá a guerra'", acrescenta Nesterevych.

"O mundo inteiro precisa estar pronto para trabalhar com a Ucrânia, porque temos muitas pessoas talentosas em todos os campos, desde TI até design, publicidade e música. É um bom momento para estarmos mais conectados com o mundo inteiro. Para nos encontrarmos, nos aproximarmos".

Depois de chegar a Praga, a diretora de criação Alexandra Doroguntsova diz que a mensagem atual da Banda não é perguntar o que está acontecendo hoje, mas salvar o futuro. "Estamos tentando salvar a empresa e continuar a trabalhar. Estamos à procura de novos clientes em todo o mundo. Temos uma chamada aberta para outra agência que possa nos ajudar em qualquer tarefa ou projeto, ou simplesmente nos emprestar algum dinheiro".

Numa última mensagem para a indústria publicitária, a Abadir ressalta a necessidade de escolher valores em vez de negócios: "Hoje em dia, é uma grande batalha entre valores e dinheiro. Estamos lutando pelos valores ocidentais. Grandes empresas internacionais que ainda operam e comercializam na Rússia, escolhem o dinheiro", conclui.

Com informações do Campaign UK

Tags: agencias russia ucrania guerra banda