Brand Experience

Virtualização de eventos x Eventos virtuais: Quem ganha?


27 de Abril de 2020

Já estamos saindo da crise Covid-19? Difícil prever ou definir datas na minha opinião, mas com certeza podemos afirmar que o setor de eventos, junto com outros como aviação e hotelaria, estão entre os que sofrem os maiores impactos financeiros. 

Mais importante que os impactos financeiros, tão óbvios e sensíveis na minha opinião, serão os impactos em relação aos hábitos das pessoas e das empresas. Neste quesito, eu creio que estão as minhas maiores preocupações neste momento. 

Vou tentar me explicar...

Impacto de RH nas empresas organizadoras de eventos? Já estão acontecendo e devem continuar com demissões, reduções salariais e insegurança para os “freelas”

Impacto nas agendas? Cancelamentos e adiamentos por todos os lados. Segundo recente pesquisa da Ampro, 87% dos organizadores tiveram algum impacto neste sentido.

Ampliação das ações virtuais? Levanta a mão quem não participou de uma live no Instagram nas últimas semanas.... A proporção antes da crise era 80/20 (80 presencial 20 virtual ) e eu acho que existe a clara necessidade (oportunidade?) de reverter esta proporção para 20/80!

Mas pera aí... Humanos são gregários por excelência... Se não fôssemos gregários viveríamos em cidades? Estamos vivendo uma forte onde de virtualização dos eventos ou só teremos eventos virtuais no futuro próximo? Este é o título deste artigo... Quem ganha? Quem perde?

Já existem várias ferramentas e oportunidades para cada vez mais virtualizar os eventos, sejam eles corporativos ou de entretenimento.

Agora estamos “aprendendo” ou utilizando por causa da situação relacionada e crise. Mas após a retomada das nossas vidas normais quais serão os impactos nos hábitos das pessoas?

Será que aquela viagem internacional a trabalho será mesmo necessária? Reuniões infindáveis e intermináveis vão continuar a imperar no mundo corporativo? Pessoas vão se sentir “seguras” novamente em participar de feiras de negócios? Marcas vão querer gerar “aglomerações” e serem responsáveis pelas decorrências?

Tenho plena convicção que os hábitos das pessoas vão evoluir pós este momento de crise. Hábitos de higiene, com certeza. Hábitos de relacionamento pessoal também. Hábitos de relacionamento profissional? Trocar cartões? Visitar um cliente? Vão evoluir de forma positiva mas não vão matar os hábitos do passado recente.

Alguém se lembra do Second Life? Participou de algum evento lá? A correta utilização dos 5 sentidos a favor das marcas é uma das mais poderosas ferramentas de marketing e não deverá sofrer impactos após esta grave crise na minha humilde opinião.

As marcas e seus gestores devem ter o cuidado de gerenciar o “painel de controle” de acordo com a situação... mais ações virtuais quando necessário... mais ações presenciais quando for preciso criar conexões emocionais.  

O mundo virtual não é mainstream ainda e não creio que um dia será a regra única existente. Eu adorava “Jornada nas Estrelas” e quando a equipe pedia “Beam me up spock!” acontecia a “mágica” do teletransporte... mas daí eu ficava pensando... Ué, se eles podem ser teletransportados porque estão viajando em uma nave e não voltam para a Terra??? Complicado né?

Tags: artigo | entretenimento | eventos | Coronavírus | Covid-19 | live marketing | marketing digital | mercado de eventos | P.O. | Paulo Otávio | eventos presenciais | eventos on-line