LIVE MARKETING

Podcast, Clubhouse e a relevância da voz


27 de Março de 2021

Somos humanos, e ficar o dia todo olhando uma tela não é o desejo de muitos (de todos?)

Que tal ficar só ouvindo sem ver nada? Se você já ouviu um podcast ou participou de uma sala no Clubhouse sabe o que estou falando. 

Não foi convidado para o Clubhouse ainda? Reveja quem são as pessoas que você se relaciona kkkk. Recentemente escrevi sobre a economia da atenção, e o nosso desafio (e das marcas) em “navegar” sobre as diversas possibilidades de comunicação/conexão que existem por aí. 

Vivemos em um novo mundo virtual exponencial. 

Se o Facebook levou 852 dias para atingir 10 milhões de usuários, o Clubhouse levou menos de 300 dias para atingir esta quantidade. Muita gente ainda não ouviu falar deles e já valem U$ 1 bilhão sem ter faturado nada. Pode uma coisa assim? Inacreditável....

Desde o ano passado o mercado de voz pura cresceu exponencialmente... O número de podcasts cresceu exponencialmente. De ouvintes também. Os maiores grupos de mídia entraram firme neste mercado, assim como os mais obscuros palestrantes dos mais variados assuntos. 

É voz para todo lado. Esta valorização da voz pura, algo como um ressurgimento do rádio em formato exponencial, na minha opinião surgiu em um momento bem interessante. 

Todos fadigados da experiência screen to screen oferecida pelos zooms e teams da vida, impedidos de sermos gregários por esta terrível pandemia, fomos ofertados de uma nova forma de nos relacionarmos. 

Relacionamentos por meio da voz, sem imagem. Clubhouse chegou nesse contexto. Somente convidados participam. Elon Musk falando sobre negócios. Um hype!

Os fundadores do Clubhouse, Rohan Seth (4,6 milhões de usuários) e Paul Davidson (4,1 milhões) são usuários frequentes (todos os domingos eles fazem as suas “rooms” em estilo Town Hall), assim como um monte de artistas (Jared Leto – músico e ator – mais de 3 milhões usuários) e Venture Capitalists (Marc Andreessen – 3 milhões). Gente que tem o que falar. 

Esse fluxo constante de conversações pode ser uma fonte interminável de insights ou de chatices. Isso vai depender de quem você segue. Sim, pois se você seguir uma pessoa, quando ela começar uma sala/assunto você vai saber. 

Seguir alguém que não tem nada para falar? Not a good idea...

Conheço gente que me disse que já passou 30 horas de uma semana ouvindo as conversas. Cuidado, tudo em excesso prejudica. Combinar com amigos um horário, ou ser convidado para um bate-papo semanal sobre algum assunto específico, uma forma mais coerente de participar deste Hype. 

Vai durar? Eles vão começar a cobrar para você falar em uma sala? Ninguém sabe nada sobre isso. Podcasts são gratuitos. Vão continuar assim? Também não sabemos...

Informações e insights podem fazer a diferença na sua vida profissional hoje, então estes novos veículos de voz pura são excelentes oportunidades para você se conectar aos tempos exponenciais que vivemos hoje. 

Em qualquer lugar que você estiver. Qualquer horário. Você que manda! Tudo on demand, de acordo com os seus interesses e horários. Um mundo novo digital.

Esta semana marca também o início do meu podcast, B.O. do Marketing, ouça aqui um boletim de ocorrências das preocupações e assuntos mais relevantes do nosso setor de live marketing.

Você já me conhece pelo que escrevo, agora vai me conhecer ainda mais pela minha Voz e as minhas opiniões sobre os mais diversos assuntos que preocupam as cabeças e agendas dos principais CMOs do mercado. 

O B.O. do Marketing vai estar sempre no Promoview e nos principais agregadores de conteúdo que existem por aí. Espero que você goste.

Para deixar claro, somos gregários, #eventospresenciaisforever. Com imagem ou voz! Afinal, o live marketing não é para os fracos! É para os curiosos...

 

Foto: Reprodução.

Tags: melhores-da-semana | artigo | Paulo-Octavio-Almeida