GERAL

Como modernizar negócios tradicionais


28 de Junho de 2021

Negócios tradicionais não são naturalmente digitais, como lojas de varejo, escritórios de advocacia, contabilidade, bem como profissionais liberais como dentistas, médicos, arquitetos e psicólogos.

Nessas empresas não há uma forma muito eficiente e moderna de trazer novos clientes, uma vez que não é utilizado o meio digital para isso. Normalmente, usa-se ainda o famoso "boca a boca". 

Além disso, os processos são feitos praticamente de forma manual, o que prejudica a parte operacional, e, outro ponto importante, é que esses negócios não costumam realizar coleta e análise de dados, que são essenciais para identificar possíveis problemas e pontos de atenção. 

Mais do que nunca, agora é a hora desses negócios proporcionarem mudanças e evoluírem, pois a pandemia do novo Coronavírus está forçando empresas a se modernizarem. 

Se um negócio não cresce, ele está morrendo lentamente. Isso acontece porque os custos vão aumentando, assim como a competição e, consequentemente, os concorrentes. 

Mas sempre tem um jeito de gerar crescimento, de achar mecanismos para crescer de uma forma desproporcional aos investimentos. E como fazer isso? 

1. Aprenda a usar o digital para se posicionar e vender melhor 

Use o marketing digital para gerar tráfego, autoridade e oportunidades de negócio por intermédio dos canais on-line. Você pode usar quatro estratégias.

A primeira, o marketing de conteúdo, para ajudar o seu público e criar autoridade. É nesse ponto que você pode atuar bem em profissões com restrições em relação à publicidade e propaganda. Aprenda e invista também em SEO (Search Engine Optimization), para se posicionar bem no Google. 

Considere os anúncios on-line (Ads), principalmente em plataformas como Google e Facebook. Além, claro, das mídias sociais, entendendo como utilizá-las a seu favor, especialmente, Instagram e YouTube, que são as principais, atualmente, para gerar audiência, tráfego, autoridade e oportunidades de negócios. 

O importante é realmente estudar cada uma dessas estratégias. Ter presença on-line não significa ter presença em todos os canais, e, sim, os canais relevantes para o seu negócio e para o seu público. Estar no canal errado e transmitindo as mensagens erradas podem fazer com que sua credibilidade até diminua. 

2. Colete dados para descobrir os pontos de melhoria 

Para fazer um trabalho bem feito, por mais básico que seja, precisamos conhecer os nossos clientes, e também descobrir onde estão os maiores problemas e oportunidades nos nossos processos. A grande barreira dos negócios tradicionais é que a grande maioria não sabe quem são seus clientes. 

Por isso, colete dados demográficos, para entender quem é seu cliente, onde mora, gênero, faixa etária, etc. Analise a performance de vendas: De todas as pessoas que entram na minha loja, quantas compram? Faça pesquisas de NPS para compreender o nível de satisfação dos clientes, além da retenção deles. 

Quem permanece? Por quanto tempo? E, por fim, analise o quanto de dinheiro cada cliente traz, em média, ao longo da vida com você. 

3. Automatize processos internos para ganhar eficiência 

Em negócios tradicionais muitas coisas são feitas manualmente e a tecnologia não costuma ser bem aproveitada. Para ser mais eficiente é importante economizar tempo e dinheiro, e existem muitas ferramentas, hoje em dia, de automação de integrações, para fazer com que processos manuais possam ser automatizados.

Com uma ferramenta dessas, você pode, por exemplo, fazer com que uma cobrança enviada no sistema de pagamento logo gere uma nota fiscal para o cliente. Só com uma automação dessas você já pode economizar bastante tempo e reduzir a possibilidade de erro humano em uma tarefa rotineira. 

Como recomendação de ferramentas que fazem esse tipo de automação, posso citar a brasileira Pluga e Zapier. 

Unindo essas três dicas, é possível fazer qualquer negócio crescer, até mesmo os mais tradicionais e desacreditados. E melhor, quanto mais cedo se investir em modernizar um negócio tradicional, mais à frente estará perante a concorrência. 
 

Tags: artigo | gabriel-costa | concorrencia