ESPORTES

O esporte precisa ser para todos


25 de Outubro de 2021

O corpo é a nossa maior ferramenta de comunicação com o mundo. E o esporte, enquanto fenômeno cultural, atua em todos os aspectos da pessoa, físicos e mentais.

É por meio do esporte que o indivíduo se reconhece. Desenvolve habilidades e capacidades físicas e cognitivas. Aprende a pensar melhor tanto em relação à coordenação quanto a estratégia. Apura a inteligência emocional, ao mesmo tempo em que reconhece as qualidades e dificuldades próprias e do próximo.

Uma sociedade que faz esporte é uma sociedade que tem e pratica valores. Respeito, superação, ética, solidariedade, coragem... somente para citar alguns. 

O esporte ensina noções de justiça, pois nas quadras, piscinas, campos e pistas, cada um vale aquilo que faz.

Em uma é uma sociedade com lazer ativo, um convive, aprende e exercita cidadania com o outro. Esporte, enquanto ferramenta de formação, deveria ser política pública. Infelizmente, esse não é o caso do Brasil.

No Brasil, o olhar sempre se voltou para o resultado. Para vitórias e para as pessoas habilidosas, leia-se atletas, capazes de alcançar tais conquistas. 

No Instituto Esporte & Educação, nosso objetivo, desde 2001, sempre foi voltado para escala, para o esporte para todos.

Instituto Esporte & Educação (Foto: Celia Santos).

Falo em escala no sentido de capacitar professores para trabalhar também os alunos não habilidosos, desenvolver métodos e ferramentas para desenvolver suas aulas mesmo em espaços reduzidos – por vezes precários – e com material reduzido.

Esse talvez seja o maior desafio do esporte educacional do Brasil. Quando nós, enquanto sociedade, aprendermos a valorizar essa vocação da educação física e do profissional que atua nessa área, construiremos bases sólidas para uma sociedade mais sadia, em todos os sentidos.

Existem iniciativas promissoras no sentido de valorizar a atividade física educacional e o papel do professor. Recentemente, assumi a curadoria do Liga Nescau Summit, congresso interdisciplinar que atua como ferramenta para formação continuada dos profissionais de educação física.

O interessante é que esse congresso é um braço da competição estudantil do mesmo nome, ou seja, Liga Nescau, cuja vocação é incluir crianças de diferentes idades, classes sociais, níveis de habilidade. Talvez a maior prova disso seja a inclusão de esportes convencionais e adaptados simultaneamente.

A pandemia forçou esse evento, que está na sétima edição, a migrar para o ambiente virtual. Mas tenho certeza de que a garotada logo voltará a se encontrar nos campos, piscinas e pistas. 

 

Tags: artigo | esportes | esg | ana-moser