DIGITAL

Como utilizar o social analytics para a Black Friday?


1 de Novembro de 2021

Extremamente importante no calendário do varejo, a Black Friday tornou-se uma das datas mais aguardadas por empresas varejistas. O período, que era para ser de apenas um dia, ocupa praticamente todo o mês de novembro e traz inúmeras oportunidades para as marcas. 

A Black Friday teve origem nos Estados Unidos e hoje é adotada em vários países do mundo, inclusive no Brasil. Para os norte-americanos, a data ocorre sempre depois do feriado de Ação de Graças, e as filas com clientes que querem aproveitar os descontos - que podem chegar a até 90% do preço original - são quilométricas. 

Mas, o cenário é completamente diferente quando pensamos especificamente no Brasil. Um levantamento realizado pelo Instituto Reclame Aqui revela que 79,5% dos consumidores não pretendem fazer aquisições durante a Black Friday

 

Grande parte deles, 48,8%, veem a data com desconfiança por conta dos casos de propaganda enganosa e de descontos falsos.

No entanto, existe um ponto em comum entre os norte-americanos e os brasileiros: O aumento das compras em lojas on-line. Números da NRF (National Retail Federation) mostram que, em 2020, pela primeira vez, a Black Friday ultrapassou a marca de 100 milhões de compradores on-line nos Estados Unidos. 

Aqui no Brasil, pesquisa do Reclame Aqui, relata que as vendas pela internet podem corresponder a 65,3% das compras realizadas durante a Black Friday deste ano no Brasil. 

Mas como aproveitar a data para impulsionar as vendas on-line?

Durante a epidemia de Covid-19, os hábitos de consumo das pessoas mudaram de forma significativa. Elas passaram a preferir as compras online, seja por meio de sites ou por intermédio das redes sociais. 

O mesmo levantamento do Reclame Aqui também revela que 6,8% das aquisições on-line são feitas pelo Facebook ou Instagram e 5,2% pelo WhatsApp

Mas a sua empresa só vai conseguir aproveitar as oportunidades oferecidas pelas redes sociais e pela Black Friday se contar com as ferramentas adequadas. 

E é justamente nesse contexto que entra o social analytics, uma metodologia voltada para descobrir e analisar determinados padrões a partir de dados sociais.

Com o uso de informações coletadas nas redes sociais é possível mensurar diferentes cenários, como, perfil do público e persona, posts que geram mais cliques, número de visualizações de conteúdos, alcance dos posts, sentimento dos usuários em relação a um conteúdo, e visualização das menções positivas/negativas ou neutras que a marca teve em determinado período.

Esses dados servem para verificar se as estratégias utilizadas nas mídias sociais estão dando certo, bem como para tomar decisões baseadas em métricas. Elas vão nortear o planejamento de marketing e gerar insights úteis para todas as áreas da sua empresa.

De maneira direta, o social analytics ajuda a entender como o público percebe a marca, quais produtos e serviços são os que mais se destacam, além de mostrar os reais interesses do cliente. E isso pode (e certamente) vai fazer toda a diferença para os varejistas durante a Black Friday, evitando o desperdício de tempo e dinheiro. 

Empresas que usam o social analytics são capazes de identificar tendências, conhecer e entender o desejo dos consumidores e ter uma visão holística do mercado. 

Por meio das percepções trazidas pelas estratégias de monitoramento é possível desenvolver um conteúdo assertivo que vai ajudar no momento de divulgar as promoções da Black Friday.

Esses benefícios vão servir para que o varejista possa se preparar corretamente para uma das datas mais concorridas do varejo. Análises baseadas em dados e um planejamento de marketing que respeite o comportamento de consumo do seu público podem - e vão! -  impulsionar as vendas do seu negócio.

Tags: artigo | black-friday | paulo-pereira | social-analytics