DIGITAL

CMOs precisam gerenciar a privacidade de dados


7 de Agosto de 2021

A privacidade dos dados é a fonte, o centro, e qualquer conversão de tecnologia digital atualmente. CMOs são agora os mordomos do relacionamento marca-consumidor e os guardiões da confiança, que pode vingar ou quebrar. 

Ao mesmo tempo, o CMO de hoje em dia precisa focar em direcionar revenda conforme os negócios se recuperam de um ano sem precedentes. 

Balancear esses desafios divergentes é uma dança complexa; em partes pela criatividade e em partes pelas análises. Agora, há ainda diversas considerações a serem feitas em torno da privacidade do consumidor.

Com responsabilidade máxima pelo conteúdo voltado ao consumidor e execução entre toda a extensão da experiência da marca, com uma coleção de dados tecida intrinsecamente por meio da jornada de compra, profissionais do marketing devem atrair consumidores ao engajamento e garantir que sua privacidade seja prioridade máxima. 

Enquanto isso, consumidores também possuem necessidades conflitantes. Estudos mostram que a maioria dos consumidores busca uma experiência digital mais personalizada, muitos estão até deletando aplicativos ou históricos devido a preocupações relacionadas à privacidade de dados. 

Para suprir consumidores por completo e ganhar confiança contínua, um CMO precisa de dois elementos vitais: uma mentalidade privacy-first e um time completamente engajado dentro de sua organização.

Privacidade, por favor

Com consumidores on-line se tonando cada vez mais conscientes a respeito dos direitos e responsabilidades de seus dados compartilhados, não é suficiente ver a privacidade como um obstáculo a ser navegado ou um procedimento obrigatório. 

Quando uma marca solicita dados de um consumidor, é um questionamento significativo que garante a responsabilidade ao redor dos dados do consumidor. 

Do lado do comprador on-line, a privacidade precisa ser comunicada claramente como uma prioridade, incluindo transparência ao redor das políticas de uma marca. 

Não será mais suficiente um pop-up vago com opções padrões de “aceito ou não”. O que está em alta agora é um contrato social entre partes, em que a marca concorda em consistentemente demonstrar integridade por meio de intenções claramente articuladas e ações que as apoiem. 

Quando os negócios não dão seguimento, não é apenas um incômodo; mas uma quebra de confiança que pode terminar o relacionamento com o consumidor.

Como um CMO pode fortalecer a confiança sobre e além da transparência? Por meio de comunicação proativa. Quanto o marketing faz a transição crítica das funções de vendas e benefícios diante de servir às necessidades do consumidor, torna-se claro que qualquer promessa de privacidade seja visível, independente do canal de comunicação. 

Uma linguagem clara e amigável para o consumidor deve permear todas as conversações digitais num modo intencionalmente visível.

Internamente, também é uma decisão do CMO divulgar princípios de privacidade e suas implicações entre times, a fim de que todos os processos relacionados à privacidade de dados mantenham consumidores como prioridade, de forma consistente. 

Em termos de infraestrutura, isso significa centralizar sistemas de gerenciamento de conteúdo sofisticados que considerem todos os pontos de apoio de forma holística durante a jornada de compras do consumidor. 

Se um consumidor opta por uma newsletter por exemplo, mas não se inscreve para um programa de fidelidade, o sistema central de dados precisa gravar e facilitar isso. 

Reciprocamente, quando um consumidor vê o sistema de uma marca adaptar-se em tempo real às suas preferências individuais, sua confiança na marca é fortalecida.

Agir no interesse privacy-first também pressiona um CMO a encontrar soluções criativas para prover uma experiência personalizada menos intrusiva, exigida pelo consumidor. 

Para este fim, empresas podem escolher remover parceiros terceirizados da equação, levando-os a impulsionar dados de primeira parte de formas criativas e sem precedentes. 

Em seu nível mais simples, isso pode significar a abertura de conversas mais transparentes entre marcas e consumidores em cada ponto de apoio ao longo de toda a jornada do consumidor.

Em termos de eficiência de marketing, isso pode significar fazer um detalhamento para checar que tipos de dados são verdadeiramente acionáveis, não apenas reunidos por uma questão de preenchimento, mas por propósitos de estudar e entender o comportamento do comprador. 

Ao ver os efeitos globais do aumento da privacidade como uma oportunidade para construir confiança e engajamento para o consumidor, enquanto simultaneamente novas oportunidades criativas surgem, o atual CMO tem novas ideias com o objetivo de promover segurança.

Buy-In Interno

O feedback crítico de cada nível e departamento dentro de uma organização é necessário através do processo de desenvolvimento de privacidade de dados e além para garantir sucesso. 

Para esse fim, em adição a comunicar o imperativo de uma mentalidade privacy-first para times in-house, o apelo mobilizador do CMO também precisa aterrissar solidamente com o grupo de executivos de alto nível. 

Construir e fortificar estratégias de privacidade de dados entre o board significa defender iniciativas com liderança executiva do início.

Começando com o buy-in interdepartamental, o CMO pode estabelecer transparência em torno da missão e um sistema de gerenciamento de conteúdo que atrela às funções vitais de cada departamento em sua execução sucessiva. 

O mesmo vale para departamentos de médio nível que podem ater-se à noção ultrapassada de que a captura de dados e políticas recaem sob a competência do time de tecnologia. 

Isso é onde a criatividade inerente ao CMO os permite liderar. Ao dividir a razão por trás de uma abordagem privacy-first com todos os stakeholders internos, cada um é capaz de entender como foi diretamente impactado ao fazer isso direito, e como o sucesso depende do buy-in coletivo.

Personalizando a experiência interna da privacidade de dados e com comprometimento completo do time, o que pode ter sido visto como uma tarefa pode ser reposicionado como oportunidade. 

Um CMO também tem espaço para trabalhar com lideranças de projetos para testar e ajustar estratégias de privacidade de dados, usando o input colaborativo de um ciclo de feedback interno engajado. 

Ao perpetuar investimento cross-functional, um CMO pode permitir pensamento inovador, levando a soluções conduzidas pelo time. Ao abordar a privacidade de dados tanto como um imperativo vital quanto como um valor de serviço ao consumidor, marcas podem ir além de apenas cumprir com uma obrigação e avançar para abrir caminhos completamente novos para engajar consumidores. 

Combinando novas ideias com confiança consolidada, um CMO pode dar forma e adotar relacionamentos de confiança de longo prazo com o consumidor.

Tags: artigo | LGPD | sharon-harris